Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Entre Amigos: Perdi a virgindade com meu amigo

Vou contar como perdi a virgindade com um amigo fez parte da minha vida desde a adolescência. Bom deixa eu me apresentar bom sou moreno tenho 1,78m e peso uns 75k, tenho cabelos curtos e um corpo legal pra minha idade hoje com 41 anos, bom o que vou relatar aconteceu na minha adolescência quando já estava com 18 anos, eu era na época magro devia pesar uns 63k, já tinha a altura que tenho hoje, o meu amigo Gil que na época também tinha a mesma idade que eu era moreno e um pouco mais baixo, tinha 1,70m e era forte com corpo definido e pesava uns 70k, nos éramos amigos já fazia uns 6 anos desde quando ele veio morar morar em minha cidade, ficamos amigos e jogávamos bola junto, brincávamos de pique esconde, e as demais brincadeiras dessa idade, como sempre fomos pobre na época e morávamos em uma cidade pequena nunca tivemos vídeo game ou brinquedos que a garotada rica tinha, mas tivemos uma infância muito boa. Bom o tempo foi passando e nossos corpos desenvolvendo e eu notava que de toda a turma eu era o único que tinha um pênis pequeno e não desenvolvia como da galera e isso me deixava com muita vergonha e também passei a me sentir atraído pelos meninos do que jamais dava demonstrações, na época já havia alguns gays assumido na cidade e alguns garotos da turma até já saia com alguns.

O tempo foi passando e o Gil era o cara da turma que mais se desenvolveu ela era um moleque que ficou com o pênis grande, era o que tinha o penta maior de toda a turma, o pau dele ficava um pacote em qualquer short que vestia e eu me incomodava com aquilo, quando tava perto dele passei a ficar admirando é algo mexia comigo e tinha vontade de pegar e aquele sentimento foi aumentando e fiquei apaixonado por ele, ele era totalmente hetero e logo arrumou uma namorada e já não andava muito comigo e com a turma, ele meio que se afastou de mim.

Nos trabalhávamos no mesmo ramo porque nossas famílias eram feirantes e vendiam carnes, esse foi nosso universo deste muito novos, e eu já estava gostando dele fazia uns dois anos mas já não tínhamos tanto contato como na pre adolescência, o mas o que passamos a ter contato era na feira e eu sempre atrás dele e fazia de tudo pra ter a companhia dele de novo, mas acabávamos tendo companhia quando íamos pegar feira em outra cidade, porque íamos juntos no mesmo carro, saíamos as 4:30 da madrugada para irmos para a outra cidade, era quando eu aproveitava quando dava para me sentar perto dele e ir encostado nele, porque aproveitava que ainda estava escuro e como viajávamos em um carro de carroceria junto com a mercadoria e a maioria acaba indo em cima mesmo é quando dava de eu conseguir ir perto dele aproveitava para ir colado nele, sempre me esperando e às vezes ele cochilava e eu sempre aproveitava pra fingir cochilar também é por minha não próximo do seu pau, acho que ele sacava que eu queria e muitas vezes chegava a sentir ele de pau duro, mais eu não mexia nem a mão pra ele não pensar que era de propósito. E com o tempo ele percebeu tudo e passou a mandar atenção novamente, já falávamos de mulher e papo de homem, e até que um dia depois da feira os caras que foram com nós inventaram de ir beber e começou a chover e fomos pra boleia do carro eive ele sozinho e ficamos conversando e acho que eu já não segurava mais tanto Tesao que sentia por ele que ficava olhando para o pacote dele sempre e às vezes ele percebia e ria e eu acabava ficando sem graça, eu era muito tímido e sei que ele começou falar putaria das meninas que pegava e até que ficou de pau duro.

- É Gil, fica falando essas coisas olha como você já está aí de pau duro e ri. - ele passou a mão por cima do pau e falou.

- Tá mesmo , olha como tá

- To vendo. Você é desmarcado cara e rimos bastante.

- Tu nunca tinha visto ele duro ainda né? Tá acostumado a olhar ele só quando tá mole.

- Sai cara, tá besta é? Lá ele, tá me estranhando é.

- To mentindo é?- olhou bem pra mim e passando a mão nele e continuou: Já tinha visto ele duro assim?

- Não... Acho bom tu amolecer ele pode vir alguém aí viu.

- Passa a mão nele, sei que tu tem vontade.

- Sai Gil, vc tá doido é?- nisso ele pegou minha mão e pôs em cima e eu alisei e tirei logo a mão e sai do carro.

Depois disso ele veio para para o bar onde todos estavam e ficamos conversando de boa com todos e ele não dava demonstração nenhuma que tinha rolado aquele papo lá dentro e eu às vezes olhava pro pau dele e ele percebia e quando voltamos pra nossa cidade, guardamos as mercadorias e ele me chamou pra irmos tomar banho de rio, coisa que já não fazíamos a muito tempo e eu topei. Quando chegou no rio ele me chamou para atravessarmos o rio a nado e irmos tomar banho num lugar onde quase ninguém mais ia aquela hora, porque já era quase noite. Lá ficamos brincando de mergulhar e até que ele me chamou para testarmos força dizendo que se me agarrasse eu não conseguiria me soltar.

- Garanto que se eu te agarrar Você não consegue se soltar.

- A tá você que acha. Quer tentar ver se eu saio é?

- Quero. Só que só solto se eu quiser caso tu não consiga se soltar- topei e o lugar onde estávamos a água dava mais ou menos no nosso peito e ele me pegou por trás imobilizando meus braços e disse que só valia eu me soltar sem usar as mãos para tirar as deles que estava me prendendo, e eu aceitei e fui tentando me soltar e cada vez ficava mais apertado porque ele tinha bastante força e eu colado nele, ficava me movimentando e roçando minha bunda nele e ele ficou de pau duro e eu não conseguia me soltar de jeito nenhum.

- Vai sai que eu quero ver.

- Você tá segurando com muita força Gil - e parei um pouco de me mexer e ficamos ali ele abraçado em mim- Deixa eu descansar um pouco que cansei, dai eu saio.

-Quer que eu solte? Tu sabe que só sai se eu quiser. - eu tava gostando e disse deixe de pau duro esfregando em minha bunda e me ajeitei um pouco e o pau pra cima e bem no meu rego.

- Eu descansei e agora vou sair - nisso fiquei mexendo e cada vez mais ele apertava e já sentia seu pau roçar no rego e eu disse desisto pode soltar.

- Quer sair? Se entrega ? Se eu te soltar eu sou o vencedor.

- Solta Gil, vc é muito forte, desisto.

Ele me soltou e ficou fazendo sarro de mim, eu dizia que era porque o lugar era quase fundo e não dava pra eu me conseguir assim é ele ria. Safado sabia que eu gostei de ele me agarrar daquele jeitinho.

- Quer tentar no lugar onde a água bate na cintura pra tu ver se eu não saio?

- Tu sabe que não sai. Já que tu quer vou jogar duro e se não consegui eu só solto quando eu quiser dessa vez, da outra eu soltei logo que tu pediu e dessa agora só quando eu quiser. Vai querer tentar?

- Quero. Porque eu vou conseguir logo.

- Sabia que tu ia querer - ele riu e nós fomos para um lugar onde a água dava no meio da cintura e ele ficou com os dois braços abertos e me chamou e eu fui chegando de costas e ele não me agarrava, e mandava eu chegar mais e cheguei já bem perto e ele falou com um tom diferente já de ordem, encosta. eu encostei e senti seu pau duro e ele rio e encochou-me empurrando pra frente sem me agarrar e ainda com os braços abertos e eu fiquei colado nele e pedir pra ele me agarrar e ele chegou no meu ouvido e disse.

- Tu quer que eu te aperte é?

- Vai, dessa vez eu saio

- Encosta mais- mandou ele.

- Já estou encostado vai pode agarrar - Estava colado nele já suas costas estava colada nas minhas e seu pau duro.

- Tu quer mesmo né? - e riu alto e me agarrou fraco e eu disse: assim eu saio fácil, ele disse: - eu sei que tu sai.

- Então. Aperta pra eu não sair

- Eu sei que tu não quer sair. Tá gostando? - e fez movimento de baixo pra cima e passou o pau no meu rego: - Quer sair quer?

- Assim eu saio logo

- sai então!

- Não tem nem graça sair assim sem você fazer força.

- Eu não quero que tu saia não, tá gostoso ficar assim. Quer sair?

- Não

- Tem vontade de dar pra mim né. - Foi uma afinação que não podia negar e eu me sai e ele ficou lá com os braços abertos e vi ele baixar a cueca e disse vem e eu fiquei doido de tesao e fui de novo e ele mandou abaixa a cueca e eu baixei e ele veio por trás e enfiou a rola dura nas minhas coxas e eu apertei, aquele Pauzao que tanto me fez bater punheta agora tava no meio das minhas pernas e ele perguntou se já tinha dado e eu disse que não é ele ficou passando o pau no rego da minha bunda e depois nós viramos e nos beijamos e ele perguntou se já tinha chupado um pau?

Eu disse que não e ele me levou pra fora da água e me botou pra chupar o pau dele, era grande de mais e não cabia todo na minha boca, eu chupava a cabeça e ele ia dizendo como era pra fazer, mandava eu descer pelo corpo da pica e subir novamente e engolir até onde dava e depois que já tava acostumando ele começou meter na minha boca e eu quase que engasgava e ele tirava tudo da minha boca e saia toda melada e ele dizia que tava bom, e perguntava se eu ainda queria mamar mais e eu dizia que sim, e ele perguntava se eu queria me viciar em chupar a rola dele e eu respondia que sim. Ele pode ver que eu tava gostando daquilo e disse que se eu chupasse bem gostoso ia me dar um prêmio.

- Mama gostoso vai, aprende a mamar essa rola que vou te botar pra mamar direto agora.

- Tá bom assim, glup. Glup, - já enchia a boca com a rola dele e ia chupando com gosto

- Sempre quis chupar que eu sei, via você olhando ela direto, vai mama que vou te dar um prêmio, mama gostoso vai

- Que prêmio vai me dar?

- Vou enfiar ela toda no teu cuzinho - e passava a mão no meu cu com bastante cuspe

- Eu não aguento, quero mamar só, tá gostoso assim- no fundo estava com medo daquela rola que tinha uns 21cm e era uma pica com a cabeça um pouco fina e o meio da pica era grossa e depois afinava no pé da pica.

- Vou meter com carinho, deixa toda melada com bastante cuspe - eu deixei como ele pediu e ele veio e me pôs se quatro e veio por trás e eu fiquei ali apreensivo e ao mesmo tempo já tava entregue pra ele e era ele quem mandava já e foi forçando a rola contra meu cu e não entrava e ele passou bastante cuspe e entrou de novo e mandou eu relaxar e fazer força como quem vai cagar e eu obedeci e senti a rola dele entrar a cabeça e eu gritei :

- Para, para Gil tá doendo . Aí aí ... Para

- Calma , fica quieto que vai passar . Psiu ...

Aquela dor horrível foi passando porque ele ficou quieto e deixou eu me acostumar e depois foi empurrando devagarinho e eu pedia pra parar quando doía e ele ia no meu tempo e ia falando que meu cu era apertadinho e quente, depois que eu sentisse o pau dele todo eu ia querer direto, e cuspiu mais e passava no pau dele e ia metendo e quando chegou na parte grossa da pica dele eu senti tanta dor que quis sair e ele segurou firme na minha cintura e forçava e eu gemia de dor e ele mandou.

- Relaxa bem o cu vai. Relaxa porra

- Aí aí ... como?

- Relaxa bem se não vai doer mais ainda - e segurou na minha bunda com força e meteu toda.

- Aí tá doendo tira Gil.

- já meti todo agora, fica quieto agora. Vou te ensinar agora porque todas elas me dão sempre que eu quero , e veio nas minhas costas e passou a língua com a rola toda enfiada que já não doía tanto como no início e mordia minhas costas também é eu piscava o cu já.

- Isso vai pisca o cu vai.... Morde que tá gostoso- e ele foi tirando e enfiando aos pouquinho só depois que já tava relaxando que ele tirou a parte grossa e depois meteu de novo e eu gemia de dor na hora porque era muito grossa a rola dele e ele ficou fudendo de quatro e tirou e pediu pra eu deitar de lado e começou a meter de novo, meu cu árdia muito, e depois ele me virou e ficou em cima e aí eu realmente chorei baixinho com ele metendo e gozei e ele percebeu e acelerou até gizar e encher meu rabo com seu leite.

Depôs fomos pra água e ficamos quieto até que ele veio e me abraçou dizendo que eu tinha um cu gostoso e que ia querer meter sempre em mim, eu disse que tava doendo de mais e que não sei se aguentaria de novo, ele dizia que se eu já vivia atrás dele sem ele meter e que dali pra frente eu ia ser dele sempre que eu quisesse, mas já me advertiu pra eu não dá pra ninguém e que também que eu não ciumasse das mulheres que ele pegava se não ele iria me comer mais e na hora eu juro que fiquei com medo de ele não me querer mais e também falou que se eu ficasse demais no pé dele como os outros viados que eu ia apanhar do mesmo jeito que os outros apanhava.

Até então eu não sabia de nada daquilo . Fiquei de boa e depois fomos embora, eu com meu cu doendo e andando um pouco desconsertado. E ele dizendo que das próximas eu ia ficar de boa e que a primeira vez era assim mesmo.

Foi muito bom ele ter sido meu primeiro, depois conto outras fodas nossas porque fiquei dando pra ele até os 21 anos quando me mudei da cidade. Espero que goste, porque foi real.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente