Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Entre Amigos: Uma tarde na piscina

Depois daquela briga idiota que tive com o meu pai precisava demais relaxar. Liguei para o Cristian e convidei-o a passar a tarde comigo na piscina. Estava cada vez mais envolvido com ele e acho que era reciproco. Passei o endereço e em meia hora ele chegou. Lindo, aquele sorriso sincero nos lábios, os braços fortes expostos pela regata branca, os mamilos marcados. Eu devia estar babando olhando para ele. Nos cumprimentamos com um abraço e um selinho. Levei o gato até a sala e ficamos conversando no sofá.

Vira e mexe me perdia admirando as coxas grossas e peludas dele. Algumas vezes também o peguei olhando para as minhas, com bem menos pelos, mas tão grossas quanto as dele. Eu já vestia apenas um calção curto de banho e Cristian ainda estava todo vestido. Fui a cozinha buscar uma bebida refrescante e aproveitei para dispensar os empregados. Não antes de pedir que deixassem um lanchinho para a gente. Tomamos um suco de abacaxi com hortelã e o Cristian perguntou se não tinha cerveja.

Fui a cozinha buscar e quando voltei quase tive um "troço" e por pouco não derrubei tudo. Cristian já estava apenas com uma sunga branca. O corpo bronzeado dele é maravilhoso. E a mala!!! Fiquei pegando fogo só de olhar. Sentei de novo no sofá, ele abriu a cerveja e nos serviu. Tomei a minha quase de um gole só e ele riu. Conversamos um pouco, contei da briga e de como estava me sentindo. Olhando nos meus olhos ele riu, afagou meus cabelos e disse tudo ficaria bem. Cristian tinha um olhar muito safado e sensual. Logo estávamos na piscina e Cristian se ofereceu para espalhar o filtro solar nas minhas costas.

Deitado na beira da piscina sentia as mãos enormes dele percorrendo as minhas costas e me deixando arrepiado. Ele chegava até o elástico do meu short e insinuava enfiar a mão, mas voltava para o meio das costas. Também passei filtro solar nas costas dele e fomos para a água. Brincamos de tentar afundar a cabeça um do outro. E nessa nossos corpos se tocavam e nos abraçávamos, nos beijávamos. Até que ele me encostou na beirada da piscina e me deu um beijo de língua de tirar o fôlego.

Nosso tesão estava no máximo. O pau dele só crescia e o meu também. A piscina não era o melhor lugar para ter aquela intimidade toda e resolvi entrar na casa. Cristian me seguiu e assim que entramos me abraçou por trás e pude sentir como o pau dele estava duro. Roçou o pau na minha bunda e chupava meu pescoço. Subimos as escadas desse jeito e mal entramos no quarto Cristian se livro da sunga e arrancou meu calção, me jogando na cama. O pau dele é lindo, grosso, apontando para cima com a cabeça roxa e pontuda.

Deitou em cima de mim e nos beijamos de maneira apaixonada. Ele sarava o pau nas minhas coxas e tentava alcançar a minha bunda. A cabeça do pau dele passava pelo meu saco e quase encostava na minha bunda, me fazendo arrepiar todo. Cristian era o tipo de homem que sabia bem o queria e eu não dificultaria as coisas para ele. Minhas mãos percorriam as costas dele e apertavam. Eu estava no céu. Ele parou de me beijar, olhou nos meus olhos e sorriu, aquele sorriso safado e encantador, me pegou pelo braço e fomos em direção ao banheiro. Ele colocou a banheira para encher, jogou alguns sais e entrou.

Fez sinal para que eu sentasse no colo dele. Sentei e voltamos a nos beijar. A água morna envolvendo nossos corpos junto a espuma dos sais deixava tudo mais sensual. Agora o pau do Cristian estava tocando totalmente a minha bunda e ele fazia movimentos como se já estivesse me comendo. Meu cu piscava demais. Só para provocá-lo ainda mais comecei a rebolar e como resposta ele gemeu de um jeito muito gostoso. Estávamos muito sincronizados e excitados. Meu pau duro era imprensado por nossas barrigas.

As mãos do Cristian percorriam as minhas costas e apertavam a minha bunda. Ele apertava as nadegas, as separava e com os deles tocava meu cuzinho. A cada piscada que o meu cu dava, meu pau pulsava. Com a ajuda da espuma da banheira, Cristian conseguiu penetrar um dedo em mim e me arrancar muitos gemidos. Logo eram dois dedos e parecia que ele me comia, tamanha era a velocidade que eles saiam e entravam. Eu estava dominado pelo Cristian. Levantamos da banheira com as mãos dele ainda na minha bunda.

Tiramos o excesso de espuma e nos secamos. Voltamos para a cama e Cristian me mandou ficar de quatro. Imediatamente ele caiu de boca no meu cu. Que língua maravilhosa, cada vez que ela me tocava meu cu piscava. Ele conseguia deixar a língua dura e me penetrar com ela. Que homem é esse? De repente ele parou de me chupar e deitou. Mandou eu sentar com a bunda na cara dele. Fiz e ele voltou a chupar meu cu. Não resisti e comecei um boquete da melhor forma que conseguia.

O pau grande e grosso dele era muito gostoso, mas difícil de colocar tudo na boca. Fiz o possível para colocá-lo na minha garganta e mesmo engasgando muito conseguiu. Os urros de prazer dele me davam mais garra para continuar. Ele levantou e disse que era a hora recebe-lo dentro de mim. Fiquei um pouco tremulo pois sabia que não seria fácil. Ele me chupou um pouco mais e pedi para que pegasse camisinhas e lubrificante no criado mudo. Ele colocou a camisinha e passou bastante lubrificante nele e em mim.

Encostou a cabeça do pau na entrada do meu cu e forçou. Mas não entrou. Apesar do tesão e da vontade que estava não conseguia relaxar totalmente. Então ele travou o pau na minha bunda e jogou o corpo sobre o meu. Beijando e lambendo o meu pescoço, minha orelha, minha boca ele foi sorrateiramente empurrando o pau. Quando a cabecinha passou eu dei um gemido de dor e prazer. E Cristian continuou empurrando até estar totalmente dentro de mim. Ficou um tempo parado, para que eu me acostumasse, só pulsando o pau. Assim que eu dei o sinal verde, o safado meteu muito em mim.

Ele puxava o pau até ficar só a cabecinha dentro e empurrava de uma só vez. A cada socada meu cu piscava e gemíamos muito. Mudamos de posição deitei de ladinho e Cristian meteu. Essa posição era mais confortável, mas curti mais quando fiquei de frango assado. Olhava nos olhos dele e via a satisfação estampada. Tinha certeza que ele estava curtindo muito e o sorrisinho safado dele aumentava muito o meu tesão. Enquanto minhas pernas estavam nos ombros dele e meu cuzinho a mercê, meu pau pulsava no mesmo ritmo das estocadas. Avisei que ia gozar e Cristian aumentou o ritmo das metidas. Gozei quase sem me tocar e ao mesmo tempo apertava o pau dele com o cu. Cristian tirou a camisinha e com um urro gozou muito na minha barriga me dando um banho de porra. Caiu por cima de mim e ficamos nos beijando por um tempo até cair no sono.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente