Já é assinante?
Esqueci a senha

 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Entre Amigos: Nós e o casal de cães

Tenho 49 anos, casado, e amo cães. Tenho um cão mestiço e muito legal e sempre saio passeando com ele na rua ou na pista de caminhada. Nestes passeios a gente acaba fazendo amigos e como moro numa cidade pequena do interior da Bahia, muita gente se conhece.

Num desses passeios encontrei um cara mais ou menos da minha idade, também casado, simpático e com jeito de macho sério que era e que também curtia cães e ele estava sozinho mas nos saudamos e puxamos conversa. Foi ai que ele relatou que tinha vários cães e dentre eles tinha uma cadela com pelagem igual ao meu cão e que queria que ela cruzasse para tirar filhotes iguais. Trocamos contato e passados uns 5 dias ele me mandou mensagem dizendo que sua cadela estava no cio e que gostaria que meu cachorro cruzasse para ter filhotes iguais.

Pois bem, marcamos e lá fui eu com meu cão para as núpcias. Ao chegar na casa do Carlos (fictício) ele disse que eu ficasse tranquilo que a sua esposa e filhos estavam viajando para passar o fim de semana fora, ao que eu fiquei mais tranquilo pois ali iria acontecer uma foda e poderia ser constrangedor. Logo os cães se afeiçoaram e ficaram lá no quintal para o tal cruzamento, enquanto nos ficamos na varanda conversando e tomando umas cervejas e papo rola e assunto era o sexo dos cães e falando disse, rolou papo de sexo e aventuras que tivemos. Logo que falávamos de sexo, sempre apertávamos nossos cacetes como sinal que isso mexia com nossas ideias.

O Carlos tomou a iniciativa e disse que a gente falando de sexo que ele estava até de pau duro e percebeu que eu também e se aproximou mais e disse que pelo tamanho eu deveria ter um cacete muito grande ao que eu disse ser normal e ele querendo se exibir pegou no pau dele por cima do short e disse:

- Aqui ó, ó o tamanho...! Eu ri e disse que o meu não ficava atras. Tive então a ousadia de abrir o ziper e mostra meu pau duro e já com a cabeça exposta. Carlos olhou e disse: - Porra cara, você deve fuder muitas mulheres por ai né, com esse pau todo hem? Eu ri e disse o mesmo sobre ele. Me aproximei do Carlos e botei meu pau junto do dele e disse:

- Viu que o seu é maior? Ai Carlos pegou no meu cacete e confirmou mas completou: - O meu é maior mas o seu é mais grosso. E nesse momento olhamos para onde estava os cães e percebemos que pluto já tava todo enfiado na cadela pintada. Foi ai que Carlos disse:

- Olha lá, os cães já tá fudendo e a gente aqui de pau duro, vamos fuder também? Nesse momento ele se abaixou pegou meu pau e começou uma bela chupada. Sentia seu bigode macio juntar com meus pentelhos aparados, ele chupou bastante, lambeu meu saco, engolia as duas bolas de vez e segurava minha bunda com firmeza.

Eu já me contorcia de prazer e ver aquele macho sugando minha rola me levava a loucura. Carlos se levantou, e beijou minha boca ao que correspondi e senti o gosto da minha pica na boca dele. Logo me abaixei também, Carlos se sentou numa banqueta e eu comecei chupando aquele belo pau que estava super duro e cheiroso. Que delicia, Carlos fazia leve movimento e eu sentia seu pau na minha garganta. Me levantei e ele pegou na carteira uma camisinha e vestiu aquele pau duro, aproveitei que ele estava sentado na banqueta e me posicionei de modo a ir sentando na vara dele e sentindo a cabeça entrar em meu cu que já estava apertado pelo tempo que eu tinha deixado alguém penetrar.

Carlos meteu toda e eu só rebolava para sentir um pouco o vai e vem, mas era delicioso ele todo enfiado em mim e acariciando meus ovos com a sua mão. Eu me levantei um pouco e me apoiei em outra bancada ficando de quatro e Carlos se levantou e meteu igual a pluto metia em pintada. Carlos tirou o pau latejando de duro e deu uma chupada em meu cacete, quando estava duro, igual ao dele, Carlos pegou uma camisinha e colocou no meu pau e ficou com uma perna sobre a bancada e outra no chão.

Peguei o gel que estava ao lado dele (o safado deve ter planeja a foda que trouxe tudo para o quintal), passei o gel em minha pica e no cuzinho dele e fui encaixando naquela posição de enlouquecer qualquer macho de tesão. Metia gostoso segurando ele pela cintura e sempre apertava o peito dele e levava meus dedos até sua boca que ele amavam chupar como se tivesse chupando uma pica.

Carlos é muito gostoso; que bunda gostosa, fiquei no vai e vem até cansar e mudamos de posição. Ele se apoiou nas bancada ficando totalmente que quatro e eu atras metendo toda e tirando e metendo de novo. Era uma foda de macho gostosa igual a dos cães.

Pluto já tava colado bunda com bunda com pintada e nos fudendo na varanda num tesão de quem curte a sacanagem e é discreto mas sabe do prazer que é ficar macho com macho. Nisso eu tirei o pau, tirei a camisinha e comecei a punhetar; Carlos se virou e começou também. Ele se abaixou e deu uma chupada no meu pau, não aguentei e derramei meu leitinho no peito dele. Retribui logo em seguida dando-lhe uma deliciosa chupada em seu pau e sentir os jatos em meu peito.

Levantei e selamos nossa foda com um beijo na boca já suado e exausto de tanto fuder. Fomos ao chuveiro no quintal e saímos para beber mais cerveja em brinde pela foda. Passaram alguns dias e Carlos levou a cadela pintada pra eu ver que tinha sido enxertada e nesse dia minha esposa e filhos tinham ido para a casa da sogra para aniversário e só voltariam no dia seguinte. Fomos comemorar que Pintada estava prenhe. Bela comemoração. Em outro eu conto!

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/nao



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente