Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Entre Amigos: Perdi as pregas com 24 cm de pica no cu

Eu me chamo Renato, 40 anos, sempre tive um tesão enorme em traseiros masculinos, já perdi até as contas de quantas bundas de macho já comi. Sexualmente sempre me defini como ativasso, não beijava na boca, não chupava rola, não deixava ninguém chupar, muito menos enfiar o dedo no meu cu, era muito limitado nesse sentido.

Há seis meses atrás, tudo mudou. Conheci o meu atual namorado André, em uma sauna no Centro de São Paulo, durante o Carnaval. Trocamos olhares, conversas, e fomos na cabine. Chegando lá, fui como de costume conduzindo a situação, mas fui surpreendido por um cara tão bacana e cheio de lábia que me fez chupar uma pica pela primeira vez.

Fizemos um delicioso 69, onde o safado alternava a chupada entre o meu pau e o meu cu. Quando sentir sua língua encostar no meu rabo, fiquei arrepiado, nunca imaginei que teria uma sensação de prazer assim. Num rompante de total putaria e libertação, parei de chupar o pau dele e pedi para que chupasse outra vez o meu cu.

Aquilo era muito prazeroso, todos os meus preconceitos caíram por terra, abri meu cu com as duas mãos para sentir a língua dele mais fundo do meu buraco. Ele me colocou de frango assado e se dedicou exclusivamente a chupar meu cu, confesso que gozei só com a língua dele no meu rabo. Trocamos telefone e marcamos de nos encontrar mais tarde, foi aí que rolou um convite para passar o Carnaval em Ubatuba.

Aceitei prontamente o convite e fomos para a casa de praia dos seus familiares. Na quarta-feira de cinzas, todos os seus parentes e amigos voltaram para a capital e nós ficamos sozinhos desfrutando o resto da semana. Foi aí, que muita coisa aconteceu. O antigo ativasso já começou a dar espaço para um novo homem, bem mais liberal e versátil. Numa das nossas transas, eu fui surpreendido pelo poder de sedução do meu amante, e fiquei totalmente entregue aos seus carinhos e desejos.

Nunca tive a curiosidade, muito menos vontade de dar a bunda pra um macho pirocudo arrebentar as minhas pregas. André me convenceu de tal forma que num final de semana chuvoso em Ubatuba, me entreguei pela primeira vez a um garanhão. Desde que nos conhecemos sempre descartei a possibilidade de um dia ele me comer, primeiro porque estava convicto que nunca daria, segundo que nunca iria aguentar 24cm no meu rabo virgem. André sabia como me convencer. O filho da puta veio chupando o meu pau pra me deixar excitado, passou a lingua nas minhas bolas até chegar no seu objetivo que era o meu cu. Ele demorou massageando minhas pregas com a língua, em seguida introduziu um dedo, coisa que nunca havia permitido a ninguém. Fui relaxando com o dedo que deslizava com facilidade com a ajuda de um KY.

Então ele com toda sua experiência foi deixando bem a vontade. A cabeça da sua rola rompeu as barreiras das minhas primeiras pregas me arrancando um gemido de dor. E ainda tem gente que diz que não dói dar o cu. A dor que eu sentia era insuportável, eu gemia demais, mas não queria parar, estava disposto a tentar aguentar o pauzão de André todo no rabo. Quando vi que metade da pica já havia entrado no meu cu virgem, fui sentando devagar e fazendo muita careta de dor. Não demorou muito para está literalmente sentado no seu colo e com seu pau todo atolado no meu cu apertado. Outra coisa que sentia muito durante a penetração era vontade de cagar, a sensação era que a qualquer momento cagaria no pau de André. Eu não estava acreditando, mais o pauzão do meu namorado entrou até o talo na minha bunda, e eu estava sentindo um prazer indescritível em ser enrabado por aquela pica grande e grossa. O safadão fodedor me colocou de quatro e passou a socar o meu rabo de tal forma, que fui me afrouxando todo. O ar que entrava no meu cu, saia em forma de peido, mas é claro que eu também peidei de verdade.

Depois de alguns minutos bombando alucinadamente o meu cu, sentir que estava com as pregas arregaçadas e o inevitável aconteceu, eu acabei passando um cheque. O seu caralho saiu todo sujo de sangue e merda, essa foi a prova cabal de que ele tinha me arrombado e tirado literalmente o lacre do meu ânus. André gozou como um touro e eu tive um dos melhores gozos da minha vida. Daí em diante, me arrependi muito de não ter sido um cara versátil antes.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente