Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Entre Amigos: Pescaria - (Parte 2)

Depois de retornarmos para o pier debaixo de muita chuva, confesso que cheguei a pensar ter que retornar nadando, nunca vi o mar virar assim de um minuto para o outro, eles já estavam acostumados mas eu cheguei branco e gelado, rsrsrs

Na segunda seguinte fomos novamente a pescaria, só que desta vez alguns da família foram, uma pena que eu tinha separado uma calcinha da minha cunhada para usar, caso ninguém fosse desta vez também. Mas mesmo frustrado fomos para o alto mar buscar o almoço, chegamos por volta das 7h, mas meu primo não aguentou e ficou muito enjoado com a maré e o "gg" se prontificou em retornar com meu Tio e o primo para a praia e deixa-los lá.

Fiquei triste por eles e feliz por mim, assim que eles embarcaram na plataforma, eu fui para a cabine me trocar, pois queria fazer uma surpresa para meus coroas pescadores, mas o nosso retorno ao Mar aberto foi singular, o "gg" também ficou na plataforma e só eu e o "GG" retornamos.

Quando ancoramos eu retornei para fora e o Grandão já estava completamente nú, na verdade ele só retirou a sunga, eu tinha subido com a minha vestido ainda, ele falou que queria primeiro pegar uns peixes e depois treparmos, eu disse que sem problemas, ele jogou a linha para um lado e eu tirei a sunga ficando só com a calcinha e mergulhei do outro lado, sou louco por mergulho, apaixonado na verdade.

Quando retornei a superfície o Grandão estava tocando uma punheta de boca aberta, dizendo que isso era maldade, retornei ao barco e fui logo dando uma mamada deliciosa naquele caralho grosso, sem colocar as mãos para não deixa-lo salgado eu fiquei lambendo todo seu dorso, brincava com a ponta da língua bem na boquinha do pau, sua cabeça latejava e seu caralho logo ficou com as veias estufadas, abri bem a boca e fui deixando ele deslizar garganta a dentro, tirando gemidos deliciosos do Grandão, ele segurou minha cabeça, falou que minha boca era um sonho e bombou com vontade minha garganta, fazendo com que eu engasgasse e logo jorrou seu leite na minha cara, nãos deu tempo de abrir a boca e tentar tomar tudo, foram jatos muito forte, sobrou apenas uma gotinha para eu tomar.

Ele sentou na poltrona e pediu para ficar de costas para ele pescando, enquanto ele admirava e massageava minha bunda na calcinha, não parava de falar o quanto era bonita e gostosa, dizia que o pequeno iria ficar com raiva de não poder ver isso.

Pegamos alguns peixes e eu desci para tomar um banho depois de outro mergulho, o Grandão já estava deitado na cama da suite com seu caralho duro como pedra, saí da ducha já deitando sobre ele, lambendo suas pernas até chegar no sacão, coloquei um ovo de cada vez na boca e chupei, ele virava os olhos, seu caralho sempre apontando para frente, duro, estufado, pedindo cú, mas eu continuei lambendo, era muito bom ver ele latejar de tesão.

O Grandão pediu para fazer um 69 e sentei com meu cú na sua cara, sua língua foi lá no fundo, arrepiando toda minha espinha, tentei abocanhar todo seu caralho, nas não consegui chegar ao todo, ele rebolava e pedia para eu também rebolar na sua cara, ficamos assim por um bom tempo, quando ele pediu para eu sentar no seu pau, passei bastante KY no rabo e no seu pau, fiquei de costas para ele e fui subindo, esfregando minha bunda em suas coxas até chegar no seu caralho, esfreguei muito minha bunda no seu pau, ele urrava, eu me deliciava deixando seu pau escorregar no meu rego.

Ele preocupado para seu pau não entrar sem camisinha, mas eu só deixava eles ficar passeando no meu rego, seu pau começou a babar quando coloquei a camisinha e tentei agasalhar sua vara com o meu cú, sem usar as mãos, mas estava muito lambuzado e ele foi ficando louco, até que com uma das mãos segurou seu caralho e apontou bem na minha entrada, quando senti sua cabeça na porta, eu parei e deixei só o peso do corpo fazer o serviço, seu caralho foi entrando bem delicioso e devagar, tirando gemidos múltiplos tanto meus como dele, eu segurava nos seus pés e rebolava com sua vara toda enterrada no meu cú, com massagens nos pés ele delirava e dava uns tapinhas na minha bunda, dizendo que eu era fantástico, tentei fazer a dança do quadril, mas, não fui muito feliz, ele riu e pediu só para eu rebolar que ele iria gozar bem gostoso, não demorou muito, essa posição é muito tesuda tanto para ele quanto para mim, gozei junto com ele, na realidade quando senti seus jatos no rabo o meu veio em seguida sem colocar a mão no pau!

Retornamos para o pier e com poucos peixes médios o pequeno nos esperava com outra turma para o passeio, o grandão disse que ele tinha perdido uma pesca como nunca!

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/decalcinharj



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente