Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Entre Amigos: Uma femeazinha para dois

Sou casado, tenho 60 anos, sem qualquer trejeito afeminado, ninguém desconfia desse meu lado feminino, que só se revela entre quatro paredes.

Foi só depois dos meus 55 anos que eu resolvi realizar, sob muito sigilo, essa minha fantasia . "O início de uma cdzinha" - meu primeiro conto totalmente verdadeiro e publicado.

Descrevo como fui iniciado pelo meu amigo Ronaldo. Sou só passivo e sempre usei lingerie para transar, o que eu adoro!!! Que sensação maravilhosa a de vestir uma calcinha fio dental, para me exibir para o meu macho.

Porém por motivos profissionais Ronaldo teria que se mudar para a Bahia, e nossos encontros ficariam reduzidos a um ou dois por ano, o que não seriam suficientes para que eu possa extravasar toda a minha sexualidade feminina enrustida, muito por culpa dele que me fez ser sua putinha, e estar sempre com um tesão louco de tanta vontade de dar o meu cuzinho.

Eu teria que buscar uma outra pessoa para ser fixo, maduro, dotado (como o Ronaldo) e de preferência casado, para ter confiança na pessoa como era com ele, amigo há mais de vinte anos e até às nossas esposas se conheciam e nunca desconfiaram.

Transávamos sempre que possível e sem camisinha, eu adorava ser sua amante sempre a disposição, pronta pra dar a minha bunda, fiquei tarado na sua rola, de tanto satisfaze-lo com a minha boca e fazer do meu cuzinho o depósito do seu prazer. É uma delícia depois de uma hora de transar, sentir a porra misturada com o meu suor a escorrer e melar minha "cucetinha", me sentia uma verdadeira femeazinha, mesmo dividindo-o com a sua mulher verdadeira.

Ronaldo tinha um tesão insaciável. Dizia sempre que sua mulher tentou umas duas vezes e nunca conseguido dar o cuzinho pra ele em razão do tamanho e da grossura da sua rola, e agora que ele tinha uma amante só pra isso queria aproveitar e muito. Por vontade dele faria sexo comigo todos os dia.

Não posso dizer que eu não gostava, e me sentia uma devassa, sempre que possível íamos a um motel, eu ia na frente para me montar como uma mulher, com toda a lingerie que tinha direito: calcinha, cinta liga, meias, sutiã e peruca longa, quando pronta e de costas ninguém desconfiava que estava alí um homem, até a bunda eu depilava por a sua vontade.

Com três meses nessa vida de mulherzinha, posso dizer que eu estava adorando e minha "cucetinha" mais ainda e bem acostumada (diria arrombada) o suficiente para receber aquela tora enorme.

Depois das preliminares, eu chupava a sua rola até ele mandar eu ficar de quatro. Empinava bem a minha bunda, e ele chupava meu cuzinho e metia a língua me fazendo gemer de tesão, não via a hora de ser penetrado/a, e sentir toda a sua virilidade, quando ele me pegava forte com as mãos, me segurando pela cintura e quadril, dando tapas na minha bunda deixando bem vermelha e metendo muito e com força, ouvia aquele som alto, que todo mundo sabe identificar que é a de uma bunda levando ferro, nessa hora eu peidava e gozava de ficar com as pernas bambas, ia deitando e sentindo todo o peso dele sobre mim.

Sabia quando ele estava para atingir o prazer. E novamente eu gozava, do jeito que mais gosto, com o meu pau enrolado e preso na calcinha que ficava toda meladinha com a de uma fêmea saciada de prazer, me sentia seu objeto sexual.

Algumas vezes, quando eu e minha mulher íamos visitá-los, ele me chamava para o lugar mais sossegado e afastado das pessoas da casa e logo tirava a rola pra fora ainda meia mole, ficava punhetando bem devagar, só pra me provocar e dizia que estava com tesão mas naquela ia comer a mulher dele e outras coisas pra me deixar com desejo.

Ficava preocupado em ser visto, mas não resistia aquela cabeça vermelha brilhante enorme, e eu logo começava a acariciar, nessa hora ele retribuía com seu carinho, alisando minha bunda lisinha e enfiando um ou dois dedos no meu cuzinho, sentia minhas pernas tremerem de tesão e medo de sermos vistos, e então aos poucos me ajoelhava e começava a mamar aquela pica enorme, nessas ocasiões ele gozava rápido e logo eu sentia os jorros grossos do seu prazer na minha boca, eu adorava engolir toda aquela porra.

Quando Ronaldo me avisou que a empresa na qual trabalhava iria mandá-lo para o Nordeste (ramo exploração petróleo), entendi que não teria mais com quem mais dividir minha fantasia, e me realizar sexualmente, sabendo que nossos encontros se tornariam muito raros. Então ele sugeriu que eu conhecesse um amigo seu, Antônio, mais velho que nós e que tinha ficado viúvo há pouco tempo e pretendia voltar para Portugal. Se eu concordasse ele iria comentar sobre o nosso caso.

Não sabia o que dizer, embora algumas vezes tive a fantasia de como seria estar toda montadinha para satisfazer dois machos, tinha uma fantasia recorrente de se eu iria conseguir fazer uma dupla penetração!!

Na hora disse que não, que gostava de ser sua amante e que só iria trocá-lo depois que ele fosse embora, se não estivesse mais aguentando de vontade, ele ponderou que seria melhor conhecer esse seu amigo agora, e que tudo ficaria bem.Por fim concordei.

Passados alguns dias, ele disse que Antônio achou muito interessante toda a nossa situação e tinha interesse em conhecer, disse que manteria sigilo total sobre tudo e que poderíamos nos encontrar para ver se seria possível pois nunca tinha feito sexo com outro homem.

Marcarmos um encontro num local discreto e começamos a conversar e tomar uma cerveja, eu não aguento beber muito e a conversa reservada que estávamos tendo foi me dando tesão, ficava só imaginando como seria transar com dois machos ao mesmo tempo. Teria que provocar de alguma forma, não tive dúvidas, peguei o meu celular (sigiloso - só uso para nossas fotos) e comecei a mostrar as minhas fotos em que estou montadinha e outras em que estou levando rola.

Antônio ficou super entusiasmado, perguntei se ele queria ver ao vivo, ele ficou olhando e eu respondi daqui há cinco minutos vá até o banheiro, entrei no box fechei a porta e rapidamente coloquei a calcinha, sutiã e a peruca que levava na minha bolsa, para o nosso encontro.

Ouvindo alguém entrar, confirmei se era ele e então abri a porta, e me mostrei de costas toda sensual, empinando bem a minha bunda grande e lisinha. Ele disse alguma coisa que não ouvi direito, só senti uma passada de mão grande e grossa na minha bunda, na mesma hora meu cuzinho piscou já úmido. Fechei a porta e disse que já voltava a mesa.

Conversavam bem animados, Ronaldo olhou pra mim e disse quase no meu ouvido, que ele estava com tesão e queria que na primeira vez fossemos os três, disfarcei um pouco e mentindo disse que não me sentiria á vontade com o Ronaldo me vendo com outro, ele insistiu falando que não teria problema, era só para ele experimentar. Era isso mesmo que eu queria mas não queria dar bandeira, e pensei vou me realizar como uma verdadeira putinha no meio de dois machos na cama que tesão!! Nessa hora senti meu cuzinho piscando com a calcinha rasgando o meu rego pois não a tinha tirado (como eu adoro usar calcinha!!).

Minutos depois, Antônio disse para irmos até a sua casa, era a deixa, senti um frio, minha perna amoleceu de tesão, estava super ansioso/a para satisfazer os dois, só ficava pensando "aí como será? "vou virar uma verdadeira quenga com dois machos me fudendo, acho que vou adorar!".

Chegamos na casa de Antônio, enquanto eles continuavam a tomar cerveja, eu disse que em 10 minutos eu estaria esperando no quarto e subi para me preparar, ouvi uns risinhos e algumas palavras.

Fiquei montadinha com a lingerie transparente preta e peruca, olhava no espelho e estava um tesão. Sentia a lingerie deslizar gostoso na minha bunda depilada. Procurei deixar o quarto meio na penumbra, logo chegou o Antônio vindo do banheiro depois de ter tomado um banho, entrou só de cueca, e como eu estava de costas ele aproveitou e me encoxou gostoso me empurrando contra a cômoda, senti no fundo da minha bunda aquele volume dentro da cueca, com as mãos ele alisava o meu peitinho dentro do sutiã. Estava curioso para ver a sua rola, porque na intimidade eu só conhecia a do Ronaldo, queria que ele também fosse dotado para me satisfazer.

Comecei a esfregar minha bunda nele e logo respondeu, de costas fui empurrando até ele sentar na cama e nessa hora era seu rosto e sua língua que exploravam meu cuzinho, estava adorando, percebi Ronaldo entrando nu, e se sentando na poltrona.

Antônio mordia, lambia, enfiando a língua e dando tapinhas na minha bunda. Depois de alguns minutos fiz com que ele deitasse e comecei lentamente a abaixar a parte da frente da sua cueca, fazendo saltar a sua rola que estava meia bomba, junto com o saco enorme, satisfazendo minha curiosidade, aparentemente era um pouco menor do que a do Ronaldo, mas grossa igual, com muita pele cobrindo toda a cabeça, o que eu mais gostei é que era cheio de veias azuladas saltadas, um belo caralho, na hora pensei: vai ficar lindo nas fotos ao lado da minha bunda branca.

Não tive dúvidas fui acariciando e chupando gostoso aquela pica cada vez mais dura, sentindo bem o cheiro e o gosto daquele macho, puxei de uma vez toda aquela pele fazendo aparecer a cabeça, percebi que estava gostando de todo aquele carinho enquanto ele alisava minha bunda e enfiava os dedos no meu cuzinho com hidratante com cheiro de morango que ele já tinha sentido o gosto, visto que eu tinha acabado de passar enquanto me preparava, imaginando como seria a minha tarde.

Ele disse que estava há algum tempo na seca e logo ia gozar mas queria que fosse metendo no meu cuzinho. Vendo sua rola dura e um pouco curvada, pedi que continuasse deitado pois queria cavalgar para ver assim a minha bunda engolindo toda a sua rola, me preparei ficando de costas e puxei a calcinha de lado e junto com ele fui ajeitando a cabeça da pica na entrada do meu cuzinho, lentamente eu ia rebolando e empurrando, logo senti a cabeça todinha no meu cuzinho e eu a apertava gostoso, aos poucos estava na metade, eu rebolava subindo e descendo, estava deixando ele louco, ouvia algumas palavras e não entendia direito, suas mãos abriam o meu rego, e ao mesmo tempo ele dava tapas, mais pouco e ele me segurou forte pela cintura e puxou metendo de uma vez o que faltava.

Sentei gostoso e senti enquanto me esfregava naquele saco enorme embaixo do meu, dei mais duas ou três sentadas fortes, perguntei se ele estava gostando de meter nessa mulherzinha e ele respondeu urrando de prazer e gozou, era muita porra inundando meu cuzinho.

Quando nessa hora estava Ronaldo na minha frente com a pica dura como uma rocha, não tive dúvidas, sabia o que ele queria depois de todo aquele tempo se masturbando, metendo a rola na minha boca, me acomodei com o caralho do Antônio já amolecendo mas todinho enterrado no meu cuzinho e comecei a chupar gostoso, não demorou muito e recebi jatos de porra na boca, e Ronaldo e eu gozamos juntos, estava adorando ver pelo espelho aquela cena, onde tinha acabado de satisfazer dois homens, me sentia uma femeazinha disputada pelos dois.

Rebolei em cima do Antônio, e fui tirando aquele caralho que tinha acabado de satisfazer, e estava todo/a melado/a e era só porra que escorria enquanto ainda chupava algumas gotas envolta da minha boca.

Fui tomar uma ducha demorada e enquanto me enxugo, Antônio entra no banheiro com a sua rola meia bomba, pedindo pra chupa-lo por queria gozar na minha boca, falei que tudo bem mas quero o Ronaldo me fudendo e vocês gozando juntos, fomos para o quarto e em poucos minutos eles começaram a fazer de mim sua puta, não preciso nem dizer que adorei toda aquela situação e gozei gemendo gostoso dando prazer a dois machos. Continua.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/Edu4souza



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente