Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Familia: Fio terra do meu pai

Olá pessoal! Mais uma experiência verídica da minha vida para vocês.

Essa aconteceu no verão de 2015.

Como já sabem sou loiro, olhos verdes, 42 anos, 1,80 de altura, 92kg, poucos pelos no corpo, calvo tenho uma bunda boa e um cacete de 18cm.

Bom eu moro na capital do estado já tem 20 anos e pelo menos uma vez por mês vou para o interior visitar minha família, que mora numa cidade bem pequena na serra do RS.

Meus pais são casado há 50 anos e se dão muito bem, nunca os vi brigando ou discutindo.

Meu pai é um coroa muito gostoso de 65 anos, cabelos grisalhos, bigode, descendente de italianos, mais ou menos 1,65 de altura, barrigudo, poucos pelos no corpo, coxas grossas, voz grossa e braços fortes, pois sempre trabalhou na agricultura. Um pai sempre muito presente em minha vida, porém, muito autoritário tanto que ele nem pode imaginar que sou gay.

Ele tem um sitio onde tem suas lavouras e passa praticamente a semana inteira lá e as vezes o final de semana também.

Eu sempre morri de tesão pelo meu pai, na adolescência sempre o espiava pela fechadura na hora do banho e cheguei a ver várias vezes ele transando com minha mãe, que delicia de homem, que pica deliciosa.

Num dia que fui visita-los chegando na casa de minha mãe perguntei por meu pai e ela disse que ele estava no sitio e só voltaria na segunda a noite, que seu quisesse vê-lo teria que ir até lá. Como estava um dia quente e lá no sitio tem um pequeno riacho, pensei em ir até lá e aproveitar para tomar um banho pelado de riacho.

Peguei o carro de minha mãe e fui para o sítio. Ela nem pensou em ir comigo, pois não gosta de lá.

Chegando no sítio, vi que a casa estava aberta, então imaginei que meu pai estava em casa para fazer o almoço dele, chamei por ele e ele não me respondeu, entrei na casa fui até o quarto e vi que suas roupas de trabalho estavam em cima da cama, inclusive a cueca usada, que não pensei duas vezes e a cheirei, para sentir o aroma de macho de meu pai. Andei pela casa o procurando não o encontrei.

Aí me lembrei que o banheiro ficava fora da casa e ele poderia estar lá, saí segui em direção do banheiro e quando cheguei perto ouvi o barulho do chuveiro.

Me aproximei da porta e como é uma porta velha de madeira feita por ele mesmo, tem um monte de fresta não resisti e dei uma espiada para ver meu pai gostoso pelado tomando banho, mas para minha surpresa meu pai estava além de peladão, estava de pau duro, que deve ter uns 19cm, grosso, com a cor mais escura do que o resto de sua pele, um belo sacão pendurado com duas bolas bem saliente e uma floresta de pentelhos pretos. Ele batia uma deliciosa punheta, despreocupado achando que não havia ninguém por perto, ele socava naquela vara linda, vara que me fez, com os olhos fechado batia forte a punheta dele, com uma mão fazia o movimento de vai e vem e com a outra brincava no seu saco.

Eu do lado de fora vendo aquilo tudo e com o pau já estourando a bermuda, não resisti e baixei a bermuda até os joelhos, como não uso cueca meu pau logo saltou duro para fora e comecei a bater uma punheta ali mesmo do outro lado da porta, que me separava do meu pai, sim apenas uma porta velha de madeira me separava do pau que eu sonhava tanto em mamar e levar no rabo. Continuei observando aquele macho gostoso se masturbando e que de vez em quando brincava com seus mamilos enquanto socava a pica grossa e cabeçuda dele.

De repente para minha surpresa meu pai com a mão que brincava ora com o saco e ora com os mamilo, passou o dedo médio no sabonete e sem medo meteu seu dedo no cu dele, nossa eu fui a loucura, descobri que o macho dos meus sonhos gosta de dedadas no cu.

Meu pai se masturbava e e com o dedo fodia seu cu e eu do lado de fora me acabando numa punheta forte louco para entrar naquele banheiro e chupar aquela pica e linguar o cu do meu pai.

De repente a punheta dele começou a ficar mais rápida sua respiração ofegante e o dedo entrando ainda mais no seu rabo.

Meu pai fechou os olhos deu um urro alto e soltou uns três jatos de porra longe, saiu muito leite daquela pica, ele tirou o dedo do cu o cheirou passou o dedo na cabeça do cacete e lambeu seus dedos lambuzados de porra, e neste momento eu também gozei e gozei muito. Que delicia de cena meu pai gozando com o dedo no cu.

Coloquei a bermuda sem tempo de limpar a porta onde minha porra lambuzou e corri para dentro de casa e sentei no sofá e comecei a fazer de conta que estava lendo o jornal. Não demorou muito meu pai aparece pelado na porta, pois não sabia da minha presença na casa e leva um susto quando me vê e automaticamente coloca as duas mãos sobre o pau ainda meio duro, e pede desculpas por estar pelado mas não sabia que eu estava lá. Eu disse que não tinha problema pois éramos homens e pai e filho sem problemas ficarmos nus um na frente do outro. Ele deu um sorriso meio sem graça e disse que ia colocar pelo menos uma cueca para me abraçar e eu mais do que rápido me levantei e disse que não precisava que não me importava e abracei aquele coroa gostoso pelado e senti sua pele na minha, pois eu estava sem camisa e sua pingola esfregou na minha que delicia de abraço.

Disse para meu pai que iria até o riacho tomar um banho para relaxar e ele disse que tudo bem que quando o almoço estivesse pronto me chamaria.

Fui ao riacho fiquei completamente pelado e me joguei naquela água gelada, passado algum tempo estou relaxando e ouço a voz do meu pai dizendo para ir almoçar, saio da água e ele se assusta quando me vê pelado, e diz: "vai por uma cueca rapaz" e eu respondi que não usava cuecas ele achou estranho mas não falou nada.

Passou o dia e voltei para a casa da minha mãe, voltei para a capital e até hoje me masturbo lembrando da punheta do meu pai.

Ainda quero transar com ele mas não sei como fazer. Alguém tem algum conselho para mim?

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/loirourso



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente