Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Familia: Meu primo bem dotado, arrebentou as pregas do meu cu

Todo fim de ano como de costume, meus pais alugam casa de praia para passarmos o réveillon. Como a família é imensa, sempre dividimos os quartos com o maior número pessoas possível. Na casa que alugamos em Ubatuba, tinha um cômodo no quintal que todo mundo desprezou por ficar afastado das demais dependências, eu e o meu primo decidimos dar uma arrumada e dormir lá.

Depois de tudo limpo e organizado, o local ficou maravilhoso. Á noite ligamos o notebook para assistir filme pornô e começamos a se masturbar e gozar vendo putaria. Quando terminou a zoação, fomos deitar e no meio da noite, senti meu primo me bolinando e dizendo no meu ouvido que eu tinha uma bunda gostosa.

Ele começou então a me pegar por trás, encostava o pau duro na minha bunda e ficava dizendo que ia comer meu cu. Eu senti algo que nunca tinha sentido antes, um misto de medo e tesão me dominou por completo. Ele, por sua vez, me agarrava cada vez mais forte, até que eu não resisti e me deixei levar pela excitação, empinando um pouco mais a minha bunda, deixando ele ainda mais louco de tesão. Percebendo a minha intenção, ele abaixou a minha cueca e tirou o pau pra fora, esfregando maliciosamente no meu rego.

Ele me posicionou de bunda pra cima no colchão, abriu com as duas mãos e começou a chupar meu cu. A sensação de ter o ânus sugado e lambido era deliciosa. Aproveitando a minha total entrega e sem muita dificuldade, ele chupou seu dedo e enfiou no meu rabo me fazendo urrar de prazer. Eu gostei muito de levar dedada no cu, isso me atiçou demais e rapidamente ele botou seu pau na minha boca para mamar gostoso.

Chupei meio desajeitado aquela pica enorme que nem cabia na minha boca. Ele estava sentindo tanto prazer em ser chupado que logo avisou que queria comer meu cu. Falei pra ele que eu não era viado e que nunca tinha dado a bunda antes. Os seus olhos vibraram e o seu pauzão parecia ter dobrado de tamanho quando ouviu eu falar que ainda era virgem.

Ele falou que ia colocar bem devagar no meu cuzinho que se tivesse doendo, tiraria sem problemas. Eu estava com tanto tesão na ocasião, que o meu primo me beijou a boca e me envolveu em seus braços, passando a confiança que eu precisava naquele momento. Ele me colocou de quatro e foi enfiando devagar a sua tora grossa no meu cu, fiz um esforço enorme para não gritar, tentando aguentar tudo calado, mas a dor foi mais forte que eu. Quando a piroca dele entrou no meu buraco, senti uma dor do caralho, como se eu estivesse sendo rasgado por inteiro. Pedi pra ele tirar de dentro de mim, quando seu cacetão saiu do meu cu até então virgem, não consegui evitar a vontade de peidar.

Ele estava tão fissurado no meu traseiro que não deu nem tempo de eu me recuperar da dor. Meu primo colocou outra vez seu vergalhão no meu cu e eu só gemia de dor. Depois de tanto empurrar madeira no meu rabo, pude sentir suas bolas batendo na minha bunda, finalmente o filho da puta enterrou os seus 22 cm até o talo no meu cuzão esfolado. Com o seu pau todo enterrado no meu rabo, ele começou a bombar com força me fazendo gemer de dor e prazer, o sacana socava com tanta vontade e fúria que minhas pregas foram ficando frouxas e meu cu começou a peidar.

Nessa hora senti meu cu arder e o pau dele inchando dentro da minha bunda, ele dizia que estava gozando e eu comecei a piscar o cu como se estivesse ordenhando o seu pau. Meu primo gozou abundantemente na camisinha que parecia que ia estourar. Fiquei com a bunda ardendo e quando ele tirou a vara lá de dentro, saiu completamente suja de bosta e sangue. Eu literalmente havia cagado no cacete do meu primo e ele me deixou com o cu praticamente sem pregas. Na manhã seguinte, eu não conseguia nem andar direito, na hora de cagar, meu cu ardeu muito, sem falar nas incontáveis flatulências emitidas pela frouxidão do meu buraco que ficou tão largo quanto um túnel.

Durante os dez dias que permanecemos na praia, nós transamos todos os dias com o meu cuzinho arregaçado ou não. Hoje em dia não transamos mais porque meu primo se casou com a namorada, mas depois dessa experiência, nunca mais deixei de dar o cu.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente