Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Fetiche: Meu filho tatuador

Já publiquei vários contos aqui no SAFADOS, dos quais recebi muitos acessos no meu perfil, dizendo que gostaram. Todos, contos são relatos da minha experiência pessoal, como o que narrarei a seguir. Sou sessentão, gordinho, tipo urso, peludo, sacudo e roludo. Gosto de fazer o estilo paizão, dominador e predador para homens acima dos 30, se bem que já contentei a alguns um pouco mais jovens, mas prefiro os mais maduros.

Frequentado uma sala de bate-papo, encontrei um jovem de 30 anos, que se dizia gostar de curtir um paizão. Trocamos mensagens e, depois, ele confiou-me o seu número de celular, onde continuamos o nosso conhecimento virtual. Gosto de usar o telefone porque sempre sou elogiado pela minha voz erótica e dominadora de macho conquistador, sem perder a poesia... rs rs... Não deu outra, o Matheus (nome fictício) ficou encantado e, chegou a um gozo virtual. Enviou-me uma foto bem a vontade, que gostei muito e retribuí.

Passamos a nos falar diariamente e, combinamos de encontrar-nos no final de semana em sua casa, já que ele está morando só, em um bairro distante do meu. No domingo a tarde, arrumei-me e confirmei o encontro. Fui de UBER, por precaução de sigilo. Lá chegando, ele estava me esperando no portão, só de bermuda. O seu tipo baixinho, bombadinho, cheio de tatuagens (ele é tatuador), não me impressionou muito bem. Mas, quando chegamos no seu quarto, e tiramos as roupas, fui descobrindo o filhão gostoso que tinha em meus braços.

O Matheus, devido que, ele mesmo se tatua, não tem tatuagens nas costas, que é morena e bem desenhada, com uma bunda que me encantou: arrebitada, durinha e carnuda. Ele também gostou do meu estilho lenhador, barrigudo e de barba bem cuidada. Dos abraços, partimos para os beijos, as chupadas, as linguadas e, viajamos, um no corpo do outro. Ele se colocava debruço e eu o cobria, roçando as suas costas e pescoço com a barba. Dava-lhe linguadas que arrancavam-lhe suspiros e gemidos.

Eu me colocava de peito pra cima, na cama, e o Matheus chupava os meus peitos, acariciava a minha barriga, lambia o meu sacão e chupava o meu pau, deliciosamente. Ai era a minha vez de gemer e urrar, com o meu instinto ursino. Ficamos nos revezando e o fiz ficar arrepiado várias vezes. Eu dava linguadas no seu cuzinho, depilado e cheiroso e, ele se deliciava com o meu pau grosso e farto de pelos.

Depois de explorarmos bem os corpos, um do outro, partimos para os finalmente. O Matheus chupou e melou bem o meu pau, que já estava em ponto de bala e foi sentando e introduzindo ele no seu cuzinho apertadinho. Penso que nós dois sentimos a compressão da penetração, num ajuste perfeito, que nem os movimentos de entrar e sair conseguiam descomprimir. Trocamos de posição várias vezes, e terminei colocando-o debruço no ângulo da cama, a posição que mais gosto, porque a minha barriga comprime a bunda e o meu sacão fica batendo no cuzinho.

O meu filhão Matheus adorou ser dominado pelo seu paizão, dizendo que eu podia fazer dele o que eu quisesse. No final, eu fiquei com pau adormecido de tanta pressão que o seu cuzinho fez nele. Mas, penso que é uma questão de tempo. Sem dúvida que o seu cuzinho já perdeu algumas pregas, e não resistirá a minha maestria e experiência em deflorar e enlarguecer orifícios anais, que não resistem ao meu volume.

Vivemos uma tarde maravilhosa, nos conhecendo e trocando cumplicidades, que nos convidam a continua a nossa relação de pai e filho.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/bear55ativo



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente