Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Fetiche: Encarregado de obras

Estava observando os funcionários de uma empresa que cuida da manutenção de rede esgoto arrumarem a que passa em minha rua quando de longe vi o encarregando delegar as funções para seus subordinados. Um senhor aparentando estar na casa dos 45 a 50 anos de idade, moreno queimado de sol, cavanhaque, gordinho e na mão uma aliança indicando esse tem dona.

Passou em frente ao meu portão e numa troca de olhares o suspense ficou no ar. Olhou para trás e viu que eu ainda estava lhe olhando.

Com olhar fulminante deixei a entende todo o meu querer e num sorriso sem graça ele continuou a analisar o serviço de seus subordinados.

Voltei para dentro de casa e passado algum tempo escuto alguém chamar no meu portão e quando vou atender para minha surpresa era o tal encarregado. Assim que abri o portão o mesmo já foi pedindo desculpas por incomodar e me perguntou se eu não arrumava para ele um copo de agua.

Claro que sim, entre. Agora bem mais ao alcance da minha visão consegui olhar o quanto ele era interessante. Fomos até a cozinha e enquanto ele tomava a água não consegui ficar sem olhar o volume da sua calça o qual ele percebeu meu olhar e com a outra mão deu uma coçada juntando o volume.

Gosta? Perguntou-me segurando seu pacote todo em sua mão. Eu vi como você me olhou quando passei na rua. Gosto! Respondi e logo em seguida levei minha mão naquele volume que já estava crescendo dentro daquela calça surrada. Isso pega gostoso e sente para você ver como ele já está em ponto de bala, falava com vontade e gemendo. Abriu o zíper da calça liberando a rola morena escura, grossa e cabeçuda. Não era muito grande mas tinha espessura volumosa. Tentou passar um dos bagos para fora também só que o mesmo era grande, então soltou o cinto e desabotoou a calça liberando a porta para que aqueles ovos grandes saíssem pendurados naquela rola morena e dura. Peguei na mão aquela pica dura feito pedra e senti o sangue pulsar. Da uma mamada ai? Falou ele me oferecendo o membro rígido. Abaixei aos seus pês e coloquei aquele cano na boca chupando com vontade enquanto ele estocava a pica na minha boca fazendo os bagos grandes baterem em meu queixo.

Tirou a pica melada da minha boca e esfregou a na minha cara hora batendo em meu rosto. Cai de boca em seus bagos suados e pentelhudos. Gemia de tesão ao sentir minha boca sugar com força seus bagos. Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, delicia cara, falava ele enfiando novamente a pica na minha boca.

Quero comer esse seu rabinho cara. Fiquei de pé enquanto rapidamente ele inclinou meu corpo na pia e puxou com pressa meu calção para baixo. De calça arriada cuspiu na mão e passou no meu cu enfiando a ponta do dedo. Gemi ao sentir aquele dedo grosso calejado. Ajeitou a pica na porta do meu cu e foi forçando a entrada me fazendo gemer de dor e prazer ao mesmo tempo.

Enquanto a pica ia invadindo meu cu ele falava para relaxar o corpo se não iria doer. Com a outra mão segurou meu pau duro e começou a me punhetar enquanto estocava seu membro dentro do meu rabo. Em estocadas rápidas e precisas fui sentindo aquele bagos baterem de encontro as minhas nádegas. Acelerou as estocadas e a punheta em meu pau o qual falei ofegante. Ai vou gozar. Isso goza mesmo safado com meu cassete todo lá dentro do seu cuzinho arrombado. Deu uma estocada funda no meu cu e num êxtase gozei na porta do armário.

Isso safada gosta de rola ne, falava ele acelerando as estocadas em meu cu e numa respiração forte não falou nada. Senti agarrar com força minha cintura e o gemido urgido enquanto esvaziava dentro do meu cu o seu leite paterno. Deu mais algumas estocadas e tirando a rola ainda dura de dentro do meu cu puxou minha cabeça para baixo enfiando a lustrosa melada de porra na minha boca me fazendo chupar até deixa-la limpa.

Delicia de gozada, falou ele já arrumando a sua calça e guardando o membro amolecendo. Vou ficar aqui na sua rua essa semana toda se você puder me servir mais água eu agradeço. Falei que sim e que estava à disposição. Antes de sair no portão ele falou que o pedreiro também gostava de agua e se eu quisesse ele iria trazer ele para tomar agua. Ele bebe agua tão bem como você assim? Falei rindo. Sim. Falou lembrando que eles já beberam água em outras casas e que a sede dele é maior do que a sua. Aguardo vocês então.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/Sim



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente