Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Fetiche: Transando com o estagiário

Costumava sempre ser o último a sair do serviço, devido as inúmeras tarefas que tinha que fazer todo dia. Com o tempo consegui do meu chefe a chave pra fechar a empresa.

Todo início do ano há troca de estagiários na empresa e foi contratado um rapaz chamado André. Moreno, cabelos crespos, olhos e cabelos castanho escuro; barba bem cerrada (super bem feita), corpo normal (não era sarado, nem magro e nem gordo). Ele é a cara do ator que faz o personagem do Fantasma, e tem uma voz muitíssimo sexy!!! Principalmente quando falava baixo quase sussurrando, o que ele fazia quase sempre.

Fomos designados pela chefia a trabalharmos juntos, e por conseguinte ele também ficou trabalhando até tarde comigo.

Com o passar do tempo ficamos amigos, e ele perguntou se poderia tomar banho na empresa, porque ele morava em outra cidade e chegava tarde em casa, etc... E eu disse que não tinha problema.

Sempre perto do final do nosso expediente ele me falava que ia tomar banho (eu pensava até que ele me pedia permissão). Até que teve uma vez que ao dizer isso reparei que André me olhava com um olhar de safado. Mas ignorei.

Alguns dias depois ele começou a trocar de roupa depois que tomava banho (antes usava o uniforme da empresa) e me falou que não queria colocar uma roupa suja no seu corpo limpinho (disse isso com safadeza também), sem falar na roupa que ele usava, bem insinuante.

No dia seguinte, sexta-feira, ele me diz que ia tomar banho. Passado alguns minutos ouço ele me chamando. Sigo sua voz até o banheiro.

Neste banheiro havia algumas baias com 1,60cm e consegui ver seu rosto e ombros. André falou que tinha deixado cair sua toalha na baia ao lado e que não queria sair do box porque molharia o banheiro e pediu pra eu pegar sua toalha (falou novamente com uma voz e cara de safadão).

Entrei na outra baia e peguei sua toalha, quando vou entregar vejo a baia do box do André aberta e ele estava com a mão esquerda escorada na parede e com a mão direita estendida.

Era uma cena linda, que corpo tinha o André!!! Corpo moreno, com pêlos em todo seu peito e barriga e um pau enorme!!!

Percebi na hora que estava com pau meia bomba, já deveria estar com uns 18cm.

Fui entregar a toalha e ele agarrou minha mão, a colocando na sua pica e disse:

- Tava com vontade de ser punhetado por você.

Ele nem esperou minha reação e já foi tirando minha roupa. Em segundos eu já estava pelado também.

Começamos a nos punhetar e a nos beijar, até que ele força minha cabeça pra baixo como se quisesse que eu o chupasse.

Comecei a chupar aquela tora que estava mais grossa e maior, engasguei várias vezes e ele sempre forçando aquela sua pica imensa na minha garganta. Diga-se de passagem que ele estava muito cheiroso. Sua pica não tinha cheiro de água sanitária, rsrsrsrs!!!!

Após passar uns minutos chupando ele, André se agacha e começa a me chupar. Que garganta que ele tem, engolia meu cacete sem dó, nem cerimônia. Parecia que já tinha muita experiência em fazer aquilo.

Comecei a foder sua boca, até que disse pra ele parar porque estava começando a querer gozar.

Prontamente ele ficou sentado no chão do box (quase que de cócoras) e falou com aquela voz de safado (baixinho, sussurando):

- Senta nessa pica, senta.

Nao pensei duas vezes e comecei a descer naquele cacete imenso. Tive muita dificuldade porque era grande e grossa, sentia dor, mas como ele tinha acabado de tomar banho e seu corpo (sua vara) ainda estava molhado, ajudou a engolir seu pau com meu cu.

Desci até o talo, senti seus pentelhos crespos na minha bunda e seu saco também.

Comecei a cavalgar nele. André me segurava e forçava meus ombros pra baixo para que eu sentasse nele cada vez mais fundo e forte, e me dava cada beijo que eu perdia até o fôlego.

André começa a estocar aquela tora no meu cu com mais força e velocidade e rapidamente goza dentro do meu cu. Senti aquela porra quente dentro de mim, eu delirava de prazer sendo enrabado por aquele macho.

Ele pergunta se eu quero comer ele. (Quase não acreditei, André que fodia tão gostoso querendo ser comido).

Antes de responder, André disse que era versátil e que sempre gostava de sentir e dar prazer nas suas fodas.

Invertemos a posição, eu sentei no chão do box do banheiro e ele sentou no meu pau, de uma só vez, sem choro nem vela. Com certeza já estava acostumado a dar aquele rabo peludo maravilhoso.

Cavalgava no meu pau sem nenhuma dificuldade (até porque não tenho um pau grande e nem grosso).

André aumentava a velocidade e eu cada vez mais excitado, até que avisei que iria gozar e ele falou pra encher o cu dele de porra. Gozei bastante aquele rabo de macho peludo.

Tomamos banho juntos, nos ensaboamos, nos beijamos, nos sarramos ainda um pouco mais e nos secamos com a mesma toalha, e fomos pra casa.

Ele se propôs em repetir a dose quando eu quiser.

Mal sabe ele que sou doido por sexo.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/toddy1984



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente