Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Fetiche: O negão do cinemão afrouxou meu cu

Meu nome é Maurício, sou branco, 40 anos, corpo malhado e um tesão surreal em levar uma rola de negão no cu.

Num sábado de sol a pino na capital paulista, estava de bobeira em casa e resolver sair pra dar uma caçada num cinemão do centro. Chegando lá, percebi que o movimento não estava tão frenético como de costume, mas mesmo assim tinha uns caras bastante interessante para se curtir.

Depois de subir e descer escada, me deparei com negão com cara de mal bem na entrada do dark room, e logo procurei uma maneira dele me notar. Passado alguns minutos de troca de olhares, ele fez sinal para que o acompanhasse até o banheiro. Sair logo em seguida e vi que o negão era bem mais gostoso do que imaginava. Feito todas as apresentações, não me fiz de rogado e fui caindo de boca na tora preta que media por volta de uns 22cm (creio eu). Mamei aquela pica até engasgar na intenção de por tudo na boca, mas a minha tentativa foi em vão. Já fazia mais de 3 meses que eu não dava o cu, e encarar aquele toco preto não seria uma tarefa das mais fáceis. O negão me saiu um verdadeiro fodedor, chupou meu cu como um verdadeiro animal, deixando molhadinho e pronto pra receber sua pica grossa.

Eu dei mais uma lubrificada com ky na portinha do cu e ele foi colocando sua rola devagar no meu cuzinho que de tão apertado parecia que ainda era virgem. No início doeu demais, mas o tesão era tanto que eu pedi pra ele continuar e me satisfazer de tanto prazer. Quando meu cu já tinha se acostumado com o pauzão dele lá dentro, eu gemia muito e pedia que ele enfiasse ainda mais. Ele percebendo a minha total satisfação em ter o seu tarugo atolado no rabo, começou a bombar mais rápido e com mais força, nessa hora não deu pra segurar, e soltei um peidão que parecia que eu tinha cagado no pau dele.

Fiquei super receoso de ter peidado na pica do negão, mas o que tudo indicava, é que o puto gostou do incidente, logo em seguida ele encheu meu cu de porra e quando tirou seu pau de dentro, eu peidei outra vez. O meu tesão estava em um estado tão evoluído que gozei horrores também. Desci para descansar na sala de projeção, e para minha surpresa, o negão sentou do meu lado.

Ficamos batendo papo, e depois de uma hora de conversa, já estava outra vez mamando o negão. Fomos outra vez ao reservado para mais uma sessão de foda. Embora ainda estivesse com o cu ardido, queria muito que aquele negão me enrabasse outra vez. Quando ele enfiou o sua jeba preta no meu rabo já afrouxado, foi entrando com muita facilidade, quase não sentir tanta dor, mas para compensar essa facilidade, o cu respondia com peido sinalizando que estava bem frouxo. Ele não demorou muito pra gozar e eu muito excitado também, gozei quase desfalecendo com a pica no cu. Foi uma foda e tanto. Voltei pra casa tão exausto que capotei, acordando só no outro dia com o cu ardendo e arregaçado. Depois dessa transa casual, o meu tesão por negão, só aumentou. Não sei viver sem uma tora preta no cu!

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente