Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Baroni lotou minha boca de porra

Através de um e-mail fui convocado para uma reunião de trabalho noutra cidade, visando a implantação e implementação de um programa de computador para o controle e acompanhamento dos processos da empresa. Nesta reunião seriam fornecidos os programas e as orientações necessárias para a sua utilização e aproveitamento adequado. Teria a duração de dois dias.

Cheguei a Ribeirão Preto e logo os técnicos da firma alertaram que provavelmente teríamos que trabalhar no programa por mais uns três dias além do previsto. Liguei para a firma para avisar da minha ausência nos dias seguintes, bem como solicitei o crédito das diárias em minha conta corrente.

Ralando de oito da manhã e às vezes até às dez da noite, eu chegava exausto ao hotel. Um banho rápido e cama.

Durante quatro dias foi assim o meu dia-a-dia.

No quinto dia encerramos os trabalhos e, por volta das dezesseis horas, despedi-me de todos. Passei na rodoviária imaginando voltar para casa nesse mesmo dia. Entretanto, só no dia seguinte haveria ônibus para minha cidade. Comprei a passagem e voltei para o hotel.

Cheguei à recepção e pedi a chave do apartamento. O recepcionista, jovem amulatado e bem vestido, enquanto me passava a chave do apartamento, perguntou-me delicadamente se eu não gostaria de uma acompanhante. Sorri e recusei sensibilizado.

Ao adentrar o quarto olhei com displicência as garrafinhas em cima do frigobar. Vodca, uísque, vermute... Qual delas? Abri uma garrafinha de uísque e virei de uma vez goela abaixo. Aquilo foi bom.

Liguei a televisão, mas não havia nada de interessante. Sair? Não, não me animava nem mesmo um chope no Pinguim. De repente, lembrei-me da proposta do recepcionista. Uma acompanhante?

Ou "um" acompanhante? - pensei.

Liguei para a recepção e reconheci a voz do mulato.

- Amigo, tu me disseste sobre um serviço de acompanhante...

- Aqui próximo ao hotel ficam algumas garotas. É só chamar. Quer uma?

- Na verdade, amigo, eu queria "um"...

- Homem?

- Isso.

Sem demonstrar surpresa, ele falou que alguns garotos de programa deixavam cartão na recepção, era só ligar. Pedi então que ele providenciasse. E alertei: que o cara fosse discreto, não afeminado. Desliguei e virei mais uma garrafinha. Tomei um banho, me perfumei e fiquei no aguardo da visita.

Quando a campainha tocou meu coração pulou. Ah, meu Deus, seria a segunda vez que eu me envolveria numa relação homossexual. O jovem à minha frente sorriu e aguardou permissão para entrar. Eu, no entanto, estava mudo e absorvido pelos encantos do rapaz másculo e viril que agora me olhava indagativo. Depois de um instante de enlevo, desculpei-me e o convidei para entrar.

Baroni era claro, rosto agradável; o cabelo cortado rente lhe dava o aspecto de homem bem comportado, seu corpo atlético denotava horas e horas de fatigantes exercícios físicos. Sentou-se na beira da cama enquanto eu lhe oferecia uma bebida. Sentei-me ao seu lado e fiquei calado, sem saber o que falar.

Mas a sua presença me encorajava a seguir o jogo.

- Me deixa ver teu instrumento?

Como se esperasse aquela ordem, Baroni abaixou a calça, tirou a camisa e ficou só de cueca. Passou a mão sobre o pênis e mostrou-me. Eu estava extasiado: o pau dele era enorme, reto e grosso, cheio de veias salientes e a cabeçona rosada parecendo um cogumelo, em suma, uma tora considerável que qualquer homem que goste de homem ambicionaria ter.

Caí de boca e demorei a me acostumar com o monstro. Após alguns segundos, contudo, empolgado e bastante excitado, já o lambia da cabeçorra até a base, a distrair-me vez em quando no saco grande a abocanhar-lhe os testículos. O pau dele babava. Convidei-o para um banho.

Ao entramos na ducha estávamos ambos em ponto de bala. De frente, dei-lhe um prolongado beijo de língua e segurei os nossos paus um ao lado do outro. Nesse enlevo, subitamente eu me deixei levar em pensamento aos tempos idos de menino quando então brincava livre e despreocupado com os primos.

Eu estava como que em transe, maravilhado. Supliquei arfante:

- Me fode! Por favor mete em mim...

Saímos do banho e ao tempo que nos enxugávamos, Baroni procurou alguma coisa no bolso da calça. Uma camisinha. Encapou o pau enquanto eu aplicava um creme hidratante no olho do cu. Fiquei de quatro e aguardei o ataque.

Baroni tentava me penetrar, mas estava difícil, quase impossível. Seu pau era gigantesco e eu refugava; e por mais que tentássemos o meu cuzinho, todo machucado e dolorido pelas investidas, não queria aceitar de forma alguma aquela invasão. Desisti.

- Me deixa chupar teu pau e tu gozas na minha boca - disse eu, restabelecido.

Peguei a jeba meio mole e coloquei na boca. Nesse instante, como por encanto, o pau criou vida, endureceu como ferro. E eu fiquei ali, absorto, a chupar a tora latejante.

- Deixa eu te chupar também - disse ele, mudando de posição e abocanhando o meu pinto.

Ficamos nesse excitante sessenta e nove durante um bom tempo, nossos paus babados de saliva e tesão.

- Ui, vou gozar... - quase gritou. Posso gozar na sua boca?

Nesse exato momento senti o pau estocar fundo na minha garganta e golfadas de porra me encheram a boca... Estremeci, engoli, e comecei a gozar junto. Continuamos nos chupando até amolecermos de exaustão. Depois trocamos nossos gostos com um beijo. Tomou outro banho e foi-se embora.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

21/08/2016 01:28:02 - Que me dera conhecer um "Baroni", faria dele meu sacristão, pois sou padre.

16/08/2016 16:51:36 - Gostoso! Sem violencia só tesão de dois homens!! Gostei muito pq é assim q eu gosto de me relacionar com os meus amigos.

16/08/2016 06:28:03 - UMA HISTÓRIA CRIATIVA, ERÓTICA E PLENA DE TESÃO!!!

15/08/2016 20:52:23 - Realmente um espetaculoso conto, muito incitante ao ser lido, parabéns pelo rico contos escrito.

15/08/2016 20:46:43 - Poxa, como eu gostaria de conhecer esse conterrâneo, Baroni... uau. Parabéns pelo conto.

15/08/2016 20:20:18 - Nossa o cara era pauzudo mesmo né? te deixou na saudfade sem te comer. kkkk adorei o conto.

15/08/2016 17:57:28 - Belo conto. Nunca tive coragem de solicitar acompanhantes em hotéis. Sempre quando viajo a trabalho, os hotéis são reservados por uma agência de viagem a qual é contratada pela minha empresa. rsrsrs

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente