Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Casa, comida e cu!

Eu estava morando na Ilha de São Luis, em Paris! Tinha vindo de um jantar na casa de amigos viados quando entrei num banheiro que fica atrás da catedral de Notre Dame para mijar. Nem estava pensando em pica quando um homem, parrudo, quarentão entrou. Quando ele abriu o zipper, um caralho imenso ficou à vista, e ele mijava feito um cavalo.

Obviamente que eu olhei indiscretamente. Na Europa não existe aqueles banheiros com divisão anti-veado de sorte que as rolas ficam todas à vista. Quando ele saiu, notei que estava meio perdido, olhando para um lado e para o outro. Apoximei-me e perguntei o que ele estava procurando. Queria saber onde ficava a entrada do metro. Metro na Ilha de la Cité...não existe. Disse que ele deveria atravessar a ponte e do outro lado do Sena procurasse a entrada.

Mas informei-lhe que ja eram quase meia noite e o metro em Paris naquela época parava as 24 horas. Perguntei onde ele queria ir." La defense",- respondeu. La defence é muito distante e talvez ele achasse um taxi. Ele então perguntou se não existia algum hotelzinho por perto. Eu disse que não sabia mas se ele quisesse poderia pernoitar no meu apartamento na ilha de Saint Louis , bem perto. A estas alturas eu ja havia dado muita pinta e só cego não perceberia que eu era veado.

Ele ficou meio pensativo mas concordou em dormir comigo. O elevador do edifício era bem apertado. Entramos e eu fiquei com a bunda roçando seu pau.Falei que demoraria uns segundos para o elevador funcionar e enquanto isso eu esfregava meu cu no seu caralho o qual começou a ficar duro. Quando entramos no apartamento, a pica do homem ja estava em ponto de bala.

Cai de boca. Era um rola maravilhosa1 Depois de mama-lo por mais de meia hora perguntei se ele queria meter. Fiquei de quatro e senti seu caralho entrar como se quisesse rasgar meu cu. Não demorou muito para um jato de porra inundar minhas entranhas. Cai de boca novamente para sugar a ultima gota de sua porra. Fomos dormir. Dia seguinte sugeri que ele apanhasse sua mala e ficasse hospedado comigo. Dei a chave do apartamento para ele poder entrar a hora que chegasse.

Fiquei um pouco duvidoso se ele voltaria pensando que talvez ele fosse um desses homens que ocasionalmente come o cu de um veado mas não quer maiores relacionamentos. Fiquei ansioso esperando por Jean Claude. Olhei pela janela quando vi um taxi parar e ele saltar com suas malas. Meu coração palpitou. Jean Claude seria meu macho pelos restantes dos dias em Paris. Ele era de Marseilles e vinha à negócios à Paris todos os meses.

Preparei um pequeno jantar porque senti que ele era um desses homens que não gostam de ser visto andando com um veado. Depois do jantar ele confessou que o único veado que havia fodido foi quando tinha 18 anos. Jean Claude era casado e tinha dois filhos adolescentes. Fodemos novamente, desta vez ele ja estava mais descontraído e me chamava de putinha safada durante a foda. Pediu-me que se acidentalmente eu o encontrasse na rua não lhe dirigisse a palavra. Minhas suspeitas foram confirmadas.

Ele era realmente um desses homens que não gostam de ser visto andando com um veado os quais eu ja encontrei diversos, mas respeito suas atitudes. A ideia de ter um marido voltou-me a cabeça. Fiquei ansiosamente esperando o próximo mês quando meu homem retornaria à Paris. Nem quis dar meu cu para outro homem reservando-o só para o Jean Claude.

Passaram-se 6 meses e durante todo esse tempo era só ele quem comia meu rabo. Estava ficando apaixonado pelo homem. Descobri que a gráfica onde eu estava fazendo estágio tinha uma sucursal em Marseilles. Mas quando falei para Jean Claude que eu poderia trabalhar em Marseilles e ele poderia foder meu cu mais assiduamente ele retrucou que não. Não se sentiria bem fudendo um viado na mesma cidade onde sua mulher e filhos moravam.

Vi então que minha sina era ser puta dele quando este estivesse em Paris. Tudo bem para ele porque tinha casa, comida e cu. Após 1 ano,no qual todos os meses ele me fodia durante uma semana, tive de deixar Paris. Jean Claude me comeu outras vezes quando fui residir em Roma. A última vez que ele me fodeu foi ha 10 anos atrás quando eu estava visitando Paris. Fomos para um hotel, eu na frente e ele atrás e la eu levei uma grande surra de pica!

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/Querotomarnocu



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

03/09/2016 22:21:41 - E amigo, esta e a sina de nós passivos, e se der na cara que e viado ai que fode tudo muitos não gostão. eu sou gay passivo, mas não sou afeminado, sou bem discreto mas mesmo assim a caras que não tem coragem de sair junto, pois a maiorias deles são casadosrsrsrs Eta sina de homosexual(viado) kkkk mas seu conto foi ótimo, abraços... e boa sorte.

02/09/2016 19:02:10 - O relato é mais engraçado que excitante. Gostei muito e dei muita risada enquanto lia.

02/09/2016 12:25:33 - Uma pena que ele não largou a família pra viver uma linda história com o cara. Pena que ele perdeu.

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente