Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Pedreiro leiteiro

Meu nome é Carlos, e como um bom rapaz sempre fui muito discreto, pois minha família é muito religiosa, no entanto homens sempre me chamava atenção em especial os negros, talvez seja pelo que todos dizem o tamanho da jeba.

Mas uma semana atrás meu pai precisou fazer umas reformas na casa e foi procurar um pedreiro indicado por um vizinho, até ai tranquilo, eu nem tinha dado importância, até o momento que o pedreiro entrou em casa para ver o serviço, na hora que vi já imaginei muitas coisas, pois se tratava de um negro formoso, forte acredito que pelo esforço que fazia no trabalho, na média de uns 35 anos, e pelos no peito, corpo bem torneados, e uma barba rala, na hora olhei pra baixo, como estava de calça jeans não me impressionei.

Mas então tudo acertado, e no dia que viria realizar o combinado, eu ficaria sozinho com ele, e quando ele chegou, foi logo começar a trabalhar e por curiosidade pervertida fui olhar seu trabalho, e ofereci um cafezinho, ele aceitou e já estava suado, acabou tirando a camisa, e mostrando aquela maravilha de corpo, e percebeu que eu reparei muito naquele monumento. Pperguntei para ele se tem leite, ele disse o que? Como senão tivesse entendido, a intenção era se ele queria leite, no café, mas ele sorriu e disse pegando no saco, tem sim bastante, e como já estava morrendo de vontade de ser puta daquele negro maravilhoso, falei adoro leite quente.

Ele não se fez de rogado, deu um sorriso safado e disse já sabia que você era vadia, e eu adoro quando me chamam de vadia, putinha, e foi chegando perto já pegou minha mão e colocou no pau, e dizia quer rola quer, eu só abaixei e tirei aquele pau pra fora, na hora que vi que era grosso grande, devia ter uns 22 cm, me fez mamar até engasgar, me chamava de vadia.

Fiquei sugando aquela rola por uns minutos até que me virou e disse que queria me arrombar, disse pra espera um pouco fui até o quarto peguei gel e camisinha, coloquei naquela pica, me colocou de quatro, quando viu meu cu lisinho caiu de boca nele e como fazia gostoso, e como tudo nele era grande a língua também era, e depois de relaxado passei gel e meteu de uma vez só, soltei um grito, e o negão dizia geme com a rola do seu macho te arrombando.

Ele começou a meter mais rápido, que delicia, metia e batia na minha bunda me chamando de vadia, de puta, e ficou metendo uns trinta minutos até que disse que ia gozar, me virou tirou a camisinha e mandou chupar aquela tora, e gozou na minha boca, na cara, e dizia toma leite sua puta, é isso que você queria, então toma tudo, deixei sua rola limpinha, ele se compôs e voltou ao trabalho.

Já vi q a semana seria proveitosa, pois era o tempo que duraria o serviço, e como todos os dias estarei sozinho, e para minha surpresa no segundo dia ele trouxe um ajudante, seu primo negro também, imagine como ficou meu cuzinho, ele olhou para mim e disse, gosto de agradar minha puta gulosa.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/http://disponivel.uol.com.br/cugostoso01



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

13/10/2016 12:40:14 - PARABÉNS AMIGO! DELICIA DE CONTO! TAMBÉM ADORO UM NEGÃO! SÃO OS MACHOS MAIS GOSTOSOS QUE EXISTEM E COMO SABEM FUDER GOSTOSO...

08/10/2016 21:02:53 - Caracas, que delicia de conto, ame, sabe eu tamb, sou chegado num negão. amei seu conto. abraços..

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente