Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Acabei virando passivo

Olá, o que vou relatar aconteceu ano e meio mais ou menos (da data que estou escrevendo).

Eu era casado e amava muito minha esposa, mas ela faleceu três anos e meio atrás. Sofri muito. Só um ano depois consegui mexer nas coisas dela, aos poucos ia vendo e relembrando momentos deliciosos que passamos juntos.

Um dia, abri seu guarda roupa e fui vendo suas roupa, cada uma que pegava me relembrava alguma coisa, isso levou dias até que cheguei na gaveta de peças intimas, ai eu pegava suas calcinha e cheirava, alisava, passava no rosto e acabava ficando de pau duro. Um dia eu estava só de cuecas e vendo suas calcinha, não sei porque mas tirei a cueca e acabei vestindo uma delas, nossa fiquei de pau duro na hora, parecia que eu estava dentro dela novamente. Foi muito excitante.

Depois, todo dia quando chegava da escola, ah, eu não disse, sou professor aqui numa escola particular relativamente perto de casa, por isso continuei morando no mesmo apartamento.

Esse apartamento é num conjunto de 4 prédios que fazem fundos 2 a 2, quer dizer, minha área de serviço dá para a área de serviço do outro prédio, não muito próximos mas vê-se bem o outro prédio.

Pois é, como ia dizendo, todo dia quando chegava eu ia no guarda roupa e pegava uma calcinha e vestia, com o tempo acabei por ficar com ela o resto do dia, isso depois de me masturbar.

Com o passar do tempo passei a vestir sua roupas de dormir, tinha um baby doll que eu adorava, pelo menos uma vez por semana eu o vestia. Não para me sentir mulher, eu nunca tive vontade de ser passivo, era para me excitar e bater uma punheta lembrando dela e do havíamos feito juntos.

Com o tempo fui ficando relaxado e um dia estava eu de baby doll e fui na área de serviço estender uma roupa no varal, quando acabei e olhei para fora, gelei... no outro apartamento estava o zelador e olhando para meu apartamento. Por um instante fiquei sem ação mas logo sai dali correndo e fui imediatamente trocar de roupa.

Bem, com os afazeres do dia acabei esquecendo o episódio quando no final da tarde toca o interfone.

- Alo sr. Paulo?

- Sim, quem é?

- Aqui é o Severino, o zelador, preciso falar com o sr.

- Pois não, pode falar.

- Não aqui, preciso ir ai.

- Tudo bem, pode subir.

- É... mas sr. Paulo, eu quero que quando eu chegue ai o sr. esteja com aquela roupinha bonita que lhe vi lá na área de serviço.

- Não.. o que você viu foi um equivoco, uma brincadeira, eu não uso aquilo sempre.

- Sr. quer dizer, Paulo mas eu já vi você outras vezes usando, você usa sim. E olhe, se não estiver usando quando eu chegar vou ser obrigado a contar para outros moradores. O que você prefere?

- Não, você não pode fazer isso. É chantagem.

- Sim, é chantagem mas eu quero. Daqui a meia hora estarei ai. Tchau.

Nossa, minha cabeça ficou a mil, não sabia o que fazer, mas rapidamente pensei, é melhor só ele saber do que o condomínio inteiro. Acabei por vestir o baby doll.

Quando ele chegou já foi logo dizendo:

- Sabe que você fica muito gostoso com essa roupa né.

Eu não sabia onde enfiar minha cara, ele entro e fechei rapidamente a porta para evitar que alguém mais visse.

Ele se chegou bem perto e já foi me passando a mão na bunda, eu tentei tirar mas ele disse que se eu resistisse ele ia não só contar no prédio mas também na escola, ao que eu disse que seria\ a palavra dele contar a minha, foi quando ele disse que tinha fotografado. Ai gelei de vez e acabai deixando ele passar a mão. Ela tirou as calças e a camisa e me tirou a calcinha me mandando ficar de 4 para ele. Ai eu reagi empurrei ele e disse que jamais faria aquilo, ele calmamente disse que era melhor eu aceitar e aquilo ficaria só entre nós dois do que se espalhar pelo condomínio.

Fiquei confuso e mesmo não querendo fiquei de 4 e ele mais que depressa começou a me chupar o cu, nossa, fiquei gelado, em seguida já passou gel no pinto e começou a me penetrar e dizendo:

- Relaxa, vou colocar bem devagar, se você relaxar dói bem menos.

Eu tentava relaxar, mas não dava, estava muito tenso. Ele continuava e uma hora aquilo tudo entro em mim, eu nem acreditava que estava fazendo aquilo. Estava detestando.

Bom, ele me encheu o cu de porra, pois nem usou camisinha, depois conversou um pouco e foi embora. Aquela noite nem dormi, um misto de revolta e vergonha.

Bem, ele não me incomodou mais aquela semana, mas na seguinte novamente ligou e mandou eu me preparar para nova seção de foda. Eu mesmo não querendo fui obrigado a fazer. Nessa vez ele chegou e me abraçando me beijou na boca, senti nojo naquela hora. Bem, mas ele me fudeu e depois de conversar um pouco foi embora.

Resumindo, por dois meses ele toda semana vinha lá me fuder, até já entrava mais fácil, mas eu continuava não gostando. Quer dizer, até lá pela quinta ou sexta vez.

No terceiro mês eu já estava até acostumado, não gostando, mas acostumado.

Uma semana ele não veio no dia de sempre, ai eu liguei para a portaria e perguntei porque. Ele riu e disse:

- Já está gostando né safado.

Eu acho que fiquei vermelho de vergonha, e disse que não, que só tinha estranhado e pensado que ele estava doente. Ai ele disse que vinha no dia seguinte. E veio.

Depois de me fuder na conversa ele disse que o porteiro da noite estava afim de mim. Nossa, aquilo me desconcertou, e fiquei bravo com ele, que era para ser um segredo entre nós dois, mas ele explicou que o porteiro havia escutado nossa conversa do dia anterior e dito que queria me comer. É claro que disse que não.

Sabem o que aconteceu? No inicio da noite do dia seguinte a campainha toca e lá estava o porteiro falando que havia chagado mais cedo para poder conversar comigo, e eu aquela altura sabia muito bem a "conversa" que ele queria e disse que não tinha nada a conversar e tentei fechar a porta ao que ele colocou o pé e não deixou, dizendo que sabia de tudo e que também podia muito bem começar a contar para os homens do condomínio, que em breve eu teria alguns deles batendo na minha porta. Pensei nessa possibilidade e relutante deixei ele entrar. Bem, ele já foi me mandando por a "roupinha". Fui colocar né, fazer o que? Quando chequei na sala ele já estava nu e de pau duro e foi logo me abraçando e girando até ficar atrás de mim me encoxando, ai foi me abaixando a calcinha e eu senti seu pau no meu reguinho, ai ele me colocou de 4, passou gel e enfiou, nossa, aquele pau era mais gostoso, pensei eu. Ai que me dei conta que já estava gostando daquilo, eu já era viado"! Nem acreditei.

Bem, ai passou a ser um num dia e o outro em outro dia, mas toda semana, e eu gostando cada vez mais, já nem vestia as roupinhas dele para me excitar, vestia para se a femea de dois machos mesmo.

Isso foi uns mais uns três meses, um dia o Severino ligou e falou, se apronta que já já você vai levar rola, estranhei, aquele não era o horário que costumava vir, mas eu mais que depressa caprichei bum baby doll. Quando a campainha tocou fui todo alegra abrir e surpresa... não era ele. Fiquei petrificado com a visão, era o faxineiro.

Tentei dissimular mas não teve jeito, ele disse que o porteira não podia vir e tinha mandado ele para me satisfazer. Eu dizia que não, que era um engano, uma brincadeira, mas sentia que já não tinha muita convicção no que dizia. Afinal era um cara que aparentava ser muito macho. Acabei deixando ele entrar. Ele me pediu para usar o chuveiro pois queria estar bem limpo para mim, eu deixei é claro, até me ofereci para ajudar e ele aceitou. Nossa foi divino. Eu na verdade já era um viado completo, chupei, punhetei, beijei aquele macho tão viril. Ele me fudeu e depois pediu mais uma. Coisa que os outros dois não haviam feito.

Quer dizer, passei a ter três homens por semana. O porteiro da noite quando não conseguia chegar mais cedo me chamava de madrugada para ir na portaria, e lá fudiamos tranquilos, pois de madrugada não tem movimento, e se chegava alguém ele nem vestia a calça para atender, quem estava do lado fora só via ele da cintura para cima, e eu ficava no banheiro esperando ele voltar.

Eu fiquei nessa por quase um ano até começar a reparar em outros homens, na escola, na rua, nos shoppings, etc... Teve um professor que eu até tentei levar o papo para o lado sexual, mas ele não correspondeu. Eu não disse que era passivo agora, só lancei uns papo para ver se ee entendia, mas não entendeu, uma pena.

Ás vezes paro para pensar e nem acredito que virei viado, mas que estou gostando, isso estou.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/coroapassiv



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

21/10/2016 13:35:39 - mais rapaz que gostoso essa historia ate o meu pau ficou duro amei e adorei que bom fico feliz amigo, eu tambem adoraria essas visitas amava.

20/10/2016 11:17:42 - Gostei da sua narrativa e gostaria de conhecê-lo

20/10/2016 09:50:14 - belo conto criativo demais xcitante rs adorei

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente