Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: O eletricista

Moro no subúrbio do Rio e comprei um ap em Copacabana. Estava direitinho. Tive que mexer só na parte elétrica e também passa-lo para 220v. Perguntei a minha vizinha se conhecia algum bom eletricista e ela me recomendou um rapaz que fez um excelente serviço pra ela. Chamava-se Paulo e tinha uns 25 anos, barba rala, cabelos cacheados e físico magro, fora dos padrões saradões.

Fui com Paulo para fazer um orçamento e conforme fosse ele já iniciaria o serviço. Acertamos tudo e ele disse que para baratear os custos e ganhar tempo bastava eu comprar um colchonete e ele dormiria por lá. No dia seguinte me ligou para dizer da necessidade de eu comprar umas peças. Devido ao meu trabalho só pude ir à tarde e a intenção era dormir por lá para cedinho já comprar as peças. Por isso levei um colchonete de casa.

Paulo, este era seu nome, informou que não havia energia, mas poderíamos sair, tomar um chopp no calçadão, comer algo e já voltar para dormir. O tempo todo ele dizia que a zona sul era legal e que excitava as pessoas.

Mais tarde voltamos e Paulo já estava meio "alto". Sugeriu que eu colocasse o colchonete no quarto próximo ao banheiro e usasse a lanterna do celular se quisesse ir lá. A noite era quente, tomamos banho e notei que ele posicionou meu colchonete bem próximo ao dele. Depois perguntou se eu não me incomodaria de ele ficar só de sunga, devido ao calor. Disse que não tinha problema e ele sugeriu que eu fizesse o mesmo. Na penumbra observei sua sunga boxer.

Passou um tempo e senti a mão de Paulo levemente passar pelas minhas coxas. Fingindo dormir, virei minha bunda pra ele e me aproximei ainda mais. Ele então passou a me acariciar a bunda e trouxe seu pau a minha boca. Era uma piroca extremamente dura, não muito grossa e comprida, do jeito que gosto. Falou para eu ficar de quatro e chupasse seu pau. Gemia muito enquanto eu fazia isso. Pediu para eu empinar bem a bunda que iria me penetrar. Os únicos lubrificantes eram seu cuspe e aquele da camisinha que ele colocou. Doeu um pouco, gemi e ele penetrou bem devagar até eu sentir toda sua pica dentro de mim. Aí aumentou a velocidade até dizer pra que eu rebolasse bem que iria encher meu cu de porra, que ele sentiu tesão por mim desde a hora que me viu, apesar de nossa diferença de idade (tenho 55). Gozou e disse que não iria tirar seu mastro de dentro de mim pra que eu me masturbasse e gozasse também. E assim aconteceu. Espirrei muita porra no piso frio. Ele não tirou o pau de mim e acabamos dormindo agarradinhos.

No dia seguinte quando acordei ele já havia limpado o piso e já estava trabalhando. Eu já estava atrasado e corremos para a loja comprar as peças. Nada se falou sobre a noite anterior. A noite ele chegou em minha casa para receber por seu serviço e agora fico envergonhado de tocar no assunto com ele para marcarmos uma nova foda.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente