Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Recém casado comendo o faxineiro

Olá pessoal, tudo bem? Este será meu segundo conto aqui; O primeiro foi com um caminhonheiro passivo na boléia do caminhão.

Pois bem, tenho 33 anos, negro, 1,77m, 95kg, cabelos crespos/enrolados e recém casado. Sempre curti uma putaria entre machos, sempre fui ativo.

Morando com minha esposa, tudo esta uma maravilha, trabalho tarde/noite em uma industria, e ela de manhã. Então, fico de manhã sempre sozinho.

Estes dias, ela saiu pra trabalhar e desci com ela pra levar o lixo, assim que abri a porta, dei de cara com um rapazinho, devia ter uns 18 anos por ai. Extremamente afeminado (e eu amo afeminados, sou fissurado). Nos cumprimentamos, e desci as escadas, deixei minha esposa descer primeiro, pra olhar aquele passivinho. Quando olho pra trás, ele tá apoiado na vassoura, me observando. Eu estava de shorts curto que eu durmo, e uma camisa surrada velha.

Me despedi da minha esposa, levei o lixo, e subi novamente e o rapazinho estava la. Puxou assunto, que tava frio e afins. Entrei, e fui logo pra cama bater uma pra aquela delicinha.

No dia seguinte a mesma coisa, desci com minha esposa, e dei a desculpa que iria ver se tinha cartas na portaria. Abri a porta, o faxineiro estava lavando pano, nos cumprimentamos, e desci com a esposa. Olho pra trás, e vejo o passivo me observando e sorrindo. Despeço da minha esposa e subo rápido..., falamos novamente do frio e eu entro.

Fico na sala, e 2min depois ouço barulho na porta, era o passivinho. Diego o nome dele:

- Moço, desculpa, a vassoura caiu, e bateu na sua porta, disse ele.

- Tudo bem, fica tranquilo...

Antes de eu falar qualquer coisa, ele elogia a decoração da minha casa, e e tal. Convido ele pra entrar e conhecer, ja maquinando o mal. Ele entrou, deixou balde, pano, vassoura e rodo do lado de de dentro do apê, e ficou elogiando o apê. Meu pau ja estava latejando, e dou uma ajeitada, ele observa sorrindo e diz:

- Moço safado. Esposa foi trabalhar e vc fica ae sozinho de pau duro.

- Não tô sozinho, tô com você.

Ele ri, ajeita seus braços em volta do meu pescoço, e me beija. Retribui o safado e doce beijo do Dieguinho. Um alisando o corpo do outro. Diego logo se abaixa, tira meu pau do short e começa um delicioso, quentinho, e experiente boquete. Que boca deliciosa Diego tinha.

Ficou ali uns 5 minutos alternando entre bola, rola, chupada, lambida, e mamada. Puxei ele pro quarto, a cama ainda desarrumada, Diego, de pé, de costas pra mim, tira o sapato, e lentamente a calça. Pude visualizar uma das mais belas bundas da minha vida. Aquele uniforme esconde uma bela, suculenta, e redonda bunda. Ficou de quatro na beira da cama, e chupei muito aquele cu..., me esbaldei naquele rabo. Diego rebolava, gemia, adorava. Levantei, abri a gaveta, peguei uma camisinha encapei a rola. Fui penetrando Diego lentamente, e o menino era experiente, parecia que o rabo dele sugava meu pau. Eu enfiava a rola, e o cu "puxava" pra dentro. Comecei a bombar ritmado, ora com força, ora mais devagar. Fiquei fodendo ele de 4 por uns 20 minutos. Até que anunciei o gozo..., Diego tirou o pau do cu, ajoelhou, abriu a boca com a língua pra fora, e despejei porra quente e grossa naquele rostinho e boca. Safado se levantou e me deu um beijo que beirava o romance. Um beijo esporrado delicioso. Delicia de passivo afeminado.

Dae por diante, Diego era meu confidente café da manhã...!!!!! Mas agora, a cada semana os faxineiros mudam de bloco... Saudade do Dieguinho logo cedo.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente