Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Meu peão favorito

Existem situações que nos surpreendem. Esta é uma delas. A transa mais gostosa que eu já tive, com um homem que eu jamais imaginaria transar. Uma casa ao lado da minha começou a ser reformada e alguns homens começaram a trabalhar no telhado desta casa, que ficava na altura do vitrô do meu banheiro, no alto da parede. Uma manhã, ao me levantar, fui pra o meu banho matinal e reparei que um dos homens trabalhava bem próximo da minha janela. E aquela situação começou a me excitar, saber que um desconhecido poderia passar a me observar na minha intimidade, eu, um cara todo tímido e muito reservado no que diz respeito a minha sexualidade.

Saí da posição em que estava e parei em um local em que ele pudesse me ver, e ali comecei a me enxugar, mostrando-me inteiro para ele. Que sensação deliciosa saber que aquele homem rude, que eu ainda não via o rosto, estava me observando. O que estaria passando pela cabeça dele. Comecei a passar a toalha sensualmente pelo meu corpo, dedicando uma atenção especial para a minha bundinha, sempre virada para ele, como bom passivo que sou.

E através de um espelho de parede eu pude observar que ele tinha parado de fazer o seu trabalho e seu corpo estava voltado para a minha casa. Resolvi provocá-lo um pouco mais e vesti uma calcinha fio dental que iria usar naquele dia. Mas logo depois surgiram outros homens para o trabalho e eu tive que sair rapidinho dali. Aquela situação encheu-me de tesão e eu não pude pensar em mais nada naquele dia, a não ser no meu observador misterioso. Mas o dia me reservava uma surpresa muito agradável. Ao entrar no banheiro, pouco antes do anoitecer, notei pelo meu espelho que um homem continuava trabalhando sozinho em cima da casa.

E pude perceber que era o mesmo que me observava pela manhã. E não tive dúvidas: vou continuar o meu show particular para o meu garanhão anônimo. Tirei a minha roupa e fiquei só de calcinha, me expondo novamente para ele. E aí a situação começou a ficar muito gostosa, pois ele se aproximou da janela e começou a alisar o seu pau por cima da calça, deixando transparecer o seu membro já duro e pronto para o ataque. Tirei a calcinha e comecei a passar um creme pelo meu corpo dedicando especial atenção à minha bunda, passando o dedo pelo meu rego, e enfiando levemente o dedo em meu cuzinho.

Neste momento, deixei o espelho de lado e virei meu rosto para ele. Ele então se abaixou e pude ver o seu rosto pela primeira vez. Um moreno com feições fortes, bem definidas, por volta de 25 a 30 anos. E sem demora ele tirou o seu pau para fora e começou a se masturbar. Que pau delicioso, bem dotado, grosso, que ele alisava delicadamente para mim. Não resisti à tamanha tentação e com um aceno de mão pedi que viesse até a minha casa, pois queria tudo aquilo dentro de mim. Com a mão ele pediu que eu esperasse um pouco e saiu de cima do telhado. Fiquei angustiado com a espera, será que ele viria ate mim? Mas não demorou muito e a minha campainha tocou. Com o coração acelerado, vesti-me rapidamente e abri a porta. E na minha frente surgiu aquele macho instigante e incrivelmente atraente. Não era bonito, mas seu corpo exalava virilidade, masculinidade.

Nos apresentamos e sem demora ele já me abraçou e começou a deslizar a sua mão pelo meu corpo, descendo para a minha bundinha e começou a me despir. Deixou-me peladinho e começou a me beijar, enquanto enfiava o seu dedo vigorasamente em meu cuzinho. Eu nunca senti tanto tesão na minha vida e me entreguei totalmente em suas mãos. Fomos para o meu quarto e foi a minha vez de despi-lo e sem pensar começar a chupar gostosamente aquele membro enorme à minha frente. Que homem delicioso, ele apertava a minha cabeça em direção ao seu pau e dizia que eu iria ser fodido de verdade naquele dia, que ele meteria em mim como ninguém jamais meteu.

Ele então me pediu para ficar de quatro que ele iria me foder gostoso. Com um misto de medo e muito tesão, lubrifiquei o meu cu e coloquei-me de quatro para ele. Quando comecei a sentir o seu pau entrando em mim, achei que não iria aguentar aquilo tudo dentro de mim, ele então enlaçou-se com seu braço e numa estocada enfiou o seu pau inteiro no meu cu. Eu gemia, chorava, pedia que ele fosse mais devagar, mas quanto mais eu falava mais ele metia dentro de mim. E a dor foi dando lugar a um prazer tão grande que logo eu estava pedindo para ele não parar e meter cada vez mais gostoso em mim. Ele veio por cima e me forçou a deitar na cama e não parava um instante de meter em meu cuzinho, dizendo que agora eu era a sua putinha, a sua fêmea, e que iria me comer a hora que ele quisesse. Passei a noite dando para aquele macho gostoso, sentindo-se totalmente dominado por aquele homem e permitindo que ele me comesse da maneira que quisesse.

Ele sabia ser bruto em alguns momentos, me imobilizando e me fudendo fortemente, sentia o meu cuzinho rasgando, pegando fogo, mas não conseguia parar um só instante com aquela putaria gostosa. Em outros momentos, sua boca me procurava e me beijava loucamente, com sua língua invadindo a minha boca. Já totalmente submisso àquele homem, implorei que eu fosse a sua fêmea a partir daquele momento e que ele me teria quando ele bem quisesse. Já quase gozando, ele tirou o pau do meu cu e disse que iria gozar na minha boca, que eu engolisse toda a porra dele, e dito e feito, gozou como um louco, enchendo-me a boca com seu leitinho, que naturalmente eu engoli tudinho. Completamente exausto, deitei-me na cama e ele então começou a alisar o meu corpo, a beijar a minha boca, dizendo que iria me comer outras vezes, porque eu era um veadinho muito gostoso. E não deu outra, ele me comeu durante 6 meses, tempo que durou a reforma da casa.

E dia após dia, trepada após trepada, eu me sentia verdadeiramente uma fêmea em suas mãos. Certo dia, quando chegou em casa para mais uma sessão de sexo, ele me disse que iríamos ter um expectador para a nossa transa. Um peão, amigo seu, foi "convidado" para assistir ele me comendo no meu banheiro e que ele não aceitaria um não como resposta. E parece que aquela situação nos encheu de mais tesão, pois foi uma trepada maravilhosa, enquanto seu amigo se masturbava no telhado da casa. E para demonstrar a minha submissão total àquele homem, eu tive que trepar também com seu amigo, servindo a dois machos insaciáveis. Adorei cada momento ao lado daquele tesão. Mas tudo tem um fim, e quem sabe um dia o meu peão favorito não aparece para uma nova reforma no vizinho ao lado. Estarei prontinho para recebê-lo de novo.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/dudapass59



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente