Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: O Massageador (parte 01)

O dia se iniciou com um sol escaldante. Deyvid se preparava para ir ao spa onde trabalha.

Se olhou no espelho pela milésima vez conferindo se sua aparência estava de acordo.

Vestia-se com uma calça branca e blusa da mesma cor - era uma regra do estabelecimento, que os empregados vestissem de tal forma - e que ficava um pouco justa em seu corpo pouco definido.

Era um homem bonito, tinha a pele alva, livre de pelos corporais, o cabelo loiro cortado baixo, olhos verde acastanhados e um sorriso simpatizante.

Seu relógio de pulso marcava 8:12 da manhã. Com passos apressados seguiu para o seu carro e pisou fundo no acelerador. Estava atrasado.

Os portões de ferro do spa se abriram depois que ele apertou o botão do interfone e comunicou a própria chegada. Viu que chegou sete minutos após a hora marcada do primeiro cliente. Droga! Pensou. Não poderia ser demitido na quarta semana de trabalho - aliás, esta era outra regra do estabelecimento: seja pontual!

-Qual quarto? - perguntou à recepcionista e também sua mais nova amiga, dirigindo-se apressado pelo corredor.

Ao longe é possível ouvi-la dizer: 21C!

Dayvid entra com tudo no quarto e vê um cara sério de terno ao telefone. Ele estava no sofá, com as pernas cruzadas. Sua aparência era de tirar o fôlego. Tinha olhos escuros, cabelos pretos, uma barba por fazer e os músculos espremidos no terno.

-Sinto muito a demora, senhor... - tenta explicar sua demora, quando a linha é desligada.

-Lawrence. Jacob Lawrence. E bom, eu estava quase indo embora. Tenho compromissos sérios à cumprir.

Ele se levanta e tira o terno, depois desabotoa sua camisa, devagar. Logo é possível notar alguns pelos em seu peitoral musculoso. Por conseguinte, a calça social, que cai aos seus pés. Ele estava com uma cueca boxer branca, ela tapava um mastro grande e grosso, ainda que não estivesse ereto.

-O que está esperando? - pergunta com a sombra de um sorriso no rosto. Parecia se divertir ao ver o outro quase babando em seu corpo.

Ele se deitou, de bruços, após tirar a última peça de roupa - sua cueca - e assim liberando o que já era de se imaginar: seu pau tinha parte de sua glande num tom de roxo escuro exposta, a base e o saco com poucos pelos, assim como o resto do corpo.

Viu aquela bundinha durinha, com os glúteos um pouco separados, tinha pelos castanhos escuros ralos, e era possível ver seu cuzinho rosado piscando. Tudo isso até a toalha vir e esconder suas partes.

Dayvid parou de comer o corpo de Jacob com os olhos e se pôs a preparar o ritual antecessor ao início da massagem.

As mãos suaves de Dayvid tocaram os ombros largos e bronzeados do outro, seguiram para as costas até o início da toalha - perto dos glúteos - e subiram de novo, depois, refizeram o caminho.

Lawrence deixava escapar alguns gemidos vez ou outra, e isso excitava automaticamente Dayvid.

O óleo agora é espalhado nas coxas torneadas e novamente as mãos ágeis de Dayvid fazem seu trabalho. Iam desde o término da toalha - atingindo um pouco dos glúteos até as panturrilhas.

-Pode se virar senhor. - disse Dayvid após percorrer seus dedos com truques japoneses em seus pés.

Lawrence o fez. E a toalha que cobria suas partes foi ao chão por acaso. Seu pau estava ereto, com algumas veias saltando e liberando seu pré gozo.

Ao ver a cara de surpresa do outro, Jacob sorri.

-O que foi, garoto? Parece que nunca viu um caso destes acontecer.

-E...eu sei que é natural que ocorra as vezes...mas... - tenta explicar, desconcertado. Seus olhos simplesmente estavam fixos no pênis do outro.

-Pode olhar pra mim enquanto diz? - seu tom era de alguém que estava se divertindo com a situação, mas ao mesmo tempo, soava com alguns toques de desejo.

-Desculpe...eu... A verdade é que isso nunca havia acontecido comigo antes. - finalmente consegue controlar seus olhos para olharem outra coisa menos...excitante.

Nesse momento, Jacob se levanta e com uma de suas mãos, agarra forte a cintura do outro que geme ao receber o toque.

-Que acha de me aliviar, hem? - diz ao ouvido de Dayvid, fazendo-o arrepiar a espinha.

O corpo de Lawrence estava de tal forma que se membro duro toca a cintura do outro - aliás, Jacob era uns quinze centímetros mais alto que Dayvid.

-Eu sou ativo... - disse com a voz rouca de tesão.

-Ótimo... - falou em resposta, ainda ao ouvido do outro. Depois continuou: - Adoro cuzinho virgem...

Isso fez Dayvid tremer.

-Não se preocupe...eu sou bonzinho com virgens. - disse ainda.

As mãos de Lawrence percorrem o peotoral de Dayvid e uma delas, desce até seu pau, rijo com a situação.

A calça cai assim que a mesma foi desabotoada e teve o zíper aberto. Estava com uma cueca boxer branca com detalhes azul marinho, tinha um grande volume ali.

Lawrence se ajoelha frente à Deyvid e abaixa sua cueca. Seu pau pula para fora no mesmo instante e por conseguinte, uma boca aveludada toca sua glande.

-Ah, Jacob! - gemeu ao receber uma garganta profunda.

Uma das mãos de Dayvid segura na cabeça do outro e guia seus movimentos. Fodendo sua boca.

Seu pau era grosso, tinha uns 18cm, a glande rosada, e tinha tudo sendo engolido com facilidade por Lawrence.

Eles trocam de posição, Dayvid, agora fazia com desdém um oral no outro. Sentia-se preocupado: engolir já está sendo difícil, imagina quando ele querer me foder? Pensou.

Não era sua primeira vez com um homem - sempre foi ativo nas relações anteriores -, achava normal chupar o pênis do passivo, aliás, sentia-se obrigado a satisfazer o outro até seu ápice. Agora, ser o passivo... Não sabia se suportaria.

-Deita de costas - mandou Jacob após ajudar Dayvid a se levantar.

O obedeceu. Alguns segundos depois, recebeu um líquido frio entre suas nádegas: era o óleo de massagem. As mãos grossas percorreram sua bunda e vez ou outra tocavam-lhe o cuzinho virgem que piscava em resposta.

Aos poucos Dayvid foi recebendo estimulos para ficar mais relaxado enquanto um dedo forçava entrada. Depois outro, e então o terceiro. Fazia movimentos de vai e vem e já se podia escutar os gemidos do outro.

Novamente Jacob lumbrifica o ânus de Dayvid e ainda, seu pênis que pulsava de desejo querendo fodê-lo. Posicionou-o de quatro, pediu-o para segurar firme na cama de massagem e em seguida roçando-lhe o cuzinho com seu pau, começou a forçar entrada.

Os gemidos de dor eram abafados devido ao colchão, o pau de Lawrence já estava quase todo dentro de Dayvid que respirava pesado.

Os movimentos de vai e vem eram lentos, de início, depois, era possível escutar o contato dos corpos se chocando com força.

-Vai! Fode esse cuzinho virgem... Isso! Ah, ah... - Dayvid começou a se excitar novamente, a medida que a dor se esvaía.

-Ah, que delícia! Fica de frango-assado... - disse saido de dentro do outro, para ele fazer o que foi dito.

Após o feito, Jacob entra com tudo dentro de Dayvid, o que faz com que um gemido rouco e em médio tom escapar de seus lábios. Daquela posição era possível ver seu pau entrando e saindo mais fácil que antes.

Lawrence agarra o pau de Dayvid e ele se surpreende com tal feito. O segura na base do pau e se curva, conseguindo alcançar até metade de seu membro com a boca e o suga enquanto estava imóvel dentro de Dayvid. Seus lábios escapam e o vai e vem recomeça, agora ele masturbava o outro no mesmo ritmo, lento, que o fodia.

-Garoto...você é muito gostoso...e eu...tô disposto a liberar pra você... - dizia entre um beijo e outro, ofegante. Na última palavra, mordeu o lábio inferior de Dayvid, que geme.

Dayvid, após a notícia, ficou mais animado, pôs suas pernas prendendo na cintura de Jacob e suas mãos em seu pescoço, forçou um pouco até estar em seu colo, e ficou pulando em cima daquele mastro, enquanto as mãos do outro apertavam sua bunda.

-Ah, engole meu pau com seu cuzinho! Isso! - ele gemia, rouco.

Lawrence foi até o sofá e sentou-se nele, o outro, encontrou uma posição mais confortável para sí, e cavalgava como um verdadeiro puto no pau que latejava de excitação.

Dayvid, que sentia a cabeça do pau do outro tocando sua próstata estava quase explodindo em um gozo anal. Os movimentos rápidos de sua bunda liberavam o resto de pregas que lhe restava.

-Eu vou gozar! Vou gozar! - Jacob anunciava o gozo, sua voz estava falha.

Oa jatos quentes lhe preencheram e escorriam para fora de seu cuzinho que foi liberto pelo membro grosso e ainda ereto do outro.

Dayvid sai de cima de Jacob e ele, por sua vez, fica de quatro no sofa, com a bunda com poucos pelos empinada.

-Fode logo antes que eu me arrependa... - falou enquanto, com suas mãos, abria suas nádegas expondo seu cuzinho rosado por completo.

Rapidamente, ele pega o óleo de massagem e espalha em sua bunda, também em seu pau, que ansiava por entrar naquele orifício virgem. Seu dedo entra aos poucos no buraquinho de Lawrence e logo, ele introduz o segundo, e também o terceiro.

Estava pronto para receber seu membro. E piscava pedindo para ser invadindo.

Seu membro entra com certa dificuldade, foi até um pouco dolorido, principalmente para Jacob que demorou para relaxar. Mais seu pau não era tão grande, e provavelmente não faria tanto estrago quanto o feito em Dayvid que sentia um grande vazio por dentro.

-Ah, cuzinho apertado. Relaxa mais, senão vai machucar muito... - opinou para o Lawrence que gemia de dor.

Claro, David não fazia movimentos enquanto o outro não relaxasse por completo. Isso seria muito mais doloroso do que prazeroso, para ambos.

-Pode ir... - disse assentindo. Dayvid foi devagar, vendo seu pau sumindo dentro daquele buraquinho quente. - Fode mais rápido porra! - falou com a voz falha, mais como um pedido de uma criancinha querendo um doce, do que uma ordem.

Obedecendo, Dayvid acelerou o ritmo, segurando firme na cintura do outro. As vezes dava alguns tapas em sua bunda nem tão bronzeada quanto o resto de corpo, deixando visível algumas marcas avermelhadas.

Seu cuzinho estava cada vez mais arrombado, ele gemia, só que agora era de prazer. Arqueando seu corpo, ficando de joelhos no sofá, ele estava sendo estimulado pelos seus mamilos e sendo masturbado, as vezes recebia algumas mordiscadas em seu pescoço, orelhas e arranhões pelas costas.

Dayvid sente seu pau inchar dentro de Lawrence, iria gozar logo. Dando uma última estocada até o talo, ele libera seu esperma dentro do outro, ambos se jogam no sofá, exaustos.

-Você...o que acha de...trabalhar pra mim, como meu assistente? - ofereceu Jacob, suando, ofegante, e saciado.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/Não



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente