Já é assinante?
Esqueci a senha

 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Uma transa na mata com rapaz desconhecido

Chovia aquela tarde. Uma chuva tranquila, porém, constante. Sabia que não haveria mais movimento na empresa . Eram quase quatro da tarde . resolvi colocar meu short e camiseta e sair pra caminhar no parque. Ao chegar lá, vi um parque quase deserto.

como sempre faço, coloquei uma camisinha na meia e travei o carro. Sai para meu percurso.

A chuva era cadenciada e isso era gratificante.. Caminhei, corri por uns 2km e ao chegar na volta perto do lago, onde existe uma reserva de mato e caminhos provocadores, parei para respirar e recarregar. A chuva lavava o corpo e aquecia a alma. Olhei ao redor e não percebi ninguém. Retirei a camiseta molhada e fiquei apenas de short colado devido a agua. Caminhei poucos metros e fui surpreendido por um rapaz moreno, no auge de uns 30 anos, mais ou menos. Ele saiu do mato e também se surpreendeu comigo ali.

- Boa tarde. Tudo bem?

- Sim. Embora você tenha me assustado, mas tudo bem.

- Desculpa. Não era intenção. Apenas esperava um amigo. Mas acho que ele não vem e eu vou ficar na mão e no tesão. Sorriu e ficou por ali.

Continuei a caminhar e fiz uma volta no lago e propositalmente passei novamente no mesmo caminho. Lá estava o jovem.

- Nada do amigo?

- Não. Acho que vou bater uma e vou embora.

Não resisti ... a chuva, o calor do exercício, o ambiente e o tesão falaram mais alto.

-QUER AJUDA? NO QUE POSSO AJUDAR?

- Pô cara, você é um tesão. Quer mesmo?

Sem responder, já me encaminhei pra trilha no meio do mato. Aquele barulho de chuva nas folhas, a vontade, deixava tudo ainda mais gostoso. Encostei-me numa árvore. Ele chegou perto e já foi abaixando o calção. Seu pau grosso, tamanho normal, pentelhos pequenos.

Sem muita conversa, abaixei e comecei a chupar aquele cacete desconhecido. Lambi a cabeça, desci até as bolas enquanto alisava suas pernas. Ele me segurava a cabeça, forçando seu pau na boca. Engolia todo o mastro moreno que ficava ainda mais duro. Lambi e chupei o quanto pude.

- Cara, quero te comer e fuder seu rabinho gostoso.

Levantei e baixei meu calção, virando de costa pra ele. Senti suas mãos nas costas, me alisava a bunda e enfiou um dedo no meu rabo...

- AI QUE GOSTOSO! CUTUCA ESSE RABO, QUERO FUDER GOSTOSO TAMBÉM.

- Vou lamber esse cuzinho.

A água da chuva facilitava o serviço. Ao mesmo tempo que se esfregava, também nos limpava.

- OHHH LINGUA GOSTOSA... ASSIM VOU ACABAR GOZANDO EM SUA BOCA.

- Posso socar no seu rabo? - APÓS COLOCAR A CAMISINHA SIM...

Tirei a camisinha e coloquei naquele pau duro. Me virei novamente e me preparei para se enrabado. Senti a ponta do kcte no meio da bunda e lentamente ele foi forçando.

A cabeça do pau entrou em meio aos gemidos e dor e logo estava todo dentro de mim. Empinei ainda mais a bunda para trás e ele ritmou as estocadas..Pedi para ir com calma, afinal naquela chuva, não precisaria ter pressa. Ele começou a fazer os movimentos devagar...

- QUE TESÃO DA PORRA... ASSIM MESMO, ME FODE... ME COMA O CU... NADA MAIS...

- Você rebola igual a putinha seu veado. Cuzinho gostoso você tem... Quero foder legal...

- SOCA... FODE...

E por alguns minutos, aquele rapaz me fudeu no meio da mato, banhado em chuva. Senti o tesão do perigo, o cheiro do mato invadir meu corpo. Pedi pra ele gozar.

- GOZA CARA, QUERO SENTIR VOCÊ GOZANDO E BERRANDO, SEU FDP.

- Aperta meu pau em seu cu... Assim eu fiz e ele acelerou os movimentos.

- Ahhhhhhhhhhh...to gozando caralho....

Senti a camisinha encher de porra quente dentro de meu rabo.

Rapidamente sai de frente dele enquanto se retorcia do gozo, baixei, tirei a camisinha e chupei a rola dele numa bocada só... Fui até os ovos e engoli a porra que estava em volta do pau... senti as ultimas gotas na garganta... Deixei o pau limpinho chupando até amolecer todo.

-Cara, que tesão seu rabo ... Quero comer sempre.

- QUANDO TIVERMOS NOVA OPORTUNIDADE COMO ESSA? NA CHUVA, PENSE NESSA FODA E VENHA PRO PARQUE. Esperei um pouco e sai da mata, voltando a pista de exercício. A chuva diminuía, até chegar ao carro já estava limpo. Mas ainda com tesão.

As vezes, quando estou caminhando, passo pela trilha e vejo na lembrança a figura daquele rapaz, se apoiando em minha costas, nu, socando em minha bunda redonda... O tesão aflora...

Mas não tive a alegria de rever o jovem e nem de encontrar alguém pra repetir a transa.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente