Já é assinante?
Esqueci a senha

 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Um final de ano em Matinhos

Antevéspera do ano, a noite na praia de Matinhos/PR, entro no bate-papo e encontro um nick chamativo. Trocamos contatos e começamos a conversar. Ele, ativo, falou que estava na praia de férias, família chegaria na tarde do outro dia. Também casado e já com família, disse que não poderia sair naquele horário. Mas meu hábito de caminhar pela manhã poderia me liberar e perguntei se poderíamos nos ver no outro dia.

Combinado como seria meu traje, marquei o posto de salva vida como referência. As seis horas do outro dia, já estava de pé e sai pra caminhar. Cheguei no posto meia hora mais tarde, já transpirando pelo exercício, tesão e medo . Ali fiquei pouco tempo e logo ele chegou.

-Bom dia. Estava no bate papo ontem?

- SIM - essa palavra é a mais difícil de ser respondida. Afinal, é a chave pra prosseguir ou não, mas minha analise superficial, me fez dizer sim.

Um jovem senhor de 50 anos, estilo normal de homem, poucos pelos e bem apresentado.

- PRAZER, disse, QUER CAMINHAR UM POUCO?

- Sim, pelo menos nos conhecemos.

Caminhamos por uns 30 minutos na areia. Vimos várias pessoas na praia, mas o foco da conversa foi exatamente o sexo. Algumas regras, historias, desejos, digamos assim. O que me chamou a atenção foi ele falar que a esposa chupava pouco e ele tinha o maior tesão e tara para terminar numa boca, o que nunca havia feito com ninguém. Ao chegarmos perto de um condomínio, notei que ele já estava animado.

- Bom, meu sobrado é aqui. Vai entrar ou vai embora?

- PRECISO ENTRAR. ESTOU PRECISANDO SATISFAZER MEU TESÃO E REALIZAR SEU DESEJO.

Ele sorriu e quase expos sob o calção, a dureza do cacete.

Dito isso, entramos e logo ao fechar a porta, notei um ambiente limpo, arrumado e agradável.

- Fique a vontade.

- UM BANHO PRA TIRAR O SUOR.- Me dirigi ao banheiro e uma ducha rápida. Molhado mesmo, voltei a sala e ele falou: - Minha vez. Foi e voltou rápido do banho, nú. Olhei aquele corpo bem conservado, um cacete bonito entre as pernas se apontava para cima. -Todo seu...disse.

Sem pudor, ajoelhei no chão e comecei a chupar o pau duro que estava cheirando a sabonete.

A limpeza me deixa ainda mais excitado. Chupava cada centímetro e cada gota dagua daquele cacete. Ele segurava minha cabeça, as vezes , insistindo para eu engolir todo o mastro. " Nem precisava" eu fazia isso com gosto e gostava cada vez que ele entrada com aquele cogumelo na boca.

- Putinha gostosa você é.. chupe a vontade, chupe mais. Obedeci com gosto por uns 5 minutos.

O pau estava começando a latejar, soltar gotículas de porra. - VAI GOZAR ASSIM? RAPIDÃO?

- Não, vou foder seu rabo gostoso ainda, - Vem pra cama.

Caminhei a frente dele até o quarto levando algumas palmadas na bunda redonda que tenho e escutando que eu seria devorado. Lá chegando, ele me empurrou e cai de barriga pra baixo na cama. Não era violência, era pra eu ficar de bunda pra cima e receber a língua dele entre meu rego... e que língua.. O rabo estava piscando e ele lambia meu corpo. Abracei o travesseiro e esperei por ele. Um creme foi jorrado na costa e escorregou pelas mãos dele que passaram e lubrificaram minha bunda. -Está pronto? - SIM - PRONTO E QUERENDO. Encapou o cacete e deitou em cima de mim. Encaixou a cabeça no centro do cu e forçou devagar. Aquela primeira dor sempre incomoda. Mordi a fronha e relaxei. Ele esperou um pouco e soltou o peso todo, forçando o pau pra dentro. Escorregou todinho para dentro. Senti-me empalado, senti possuído. O rabo que havia limpado na noite anterior, agora estava recheado pelo nervo duro, quente e que pulsava de tesão.

Assim, ele fodeu devagar e logo começou a ritmar as bombadas. Fodeu gostoso. Gemi, de bruços, com as pernas abertas e um homem no meio. A bunda segurada pelas mãos fortes daquele garanhão. -Quero você de quatro - Empinei a bunda e senti o pau dele de novo rasgando meu cu liso. Ficamos uns 15 minutos, ele me fodendo gostoso e eu gemendo e pedindo mais. Estava no franguinho, sendo comido e olhando pra ele quando me perguntou: - Minha puta me diz, onde quer ganhar o leitinho da manhã...

Rapidamente e sem responder, me ajeitei bem a frente dele, tirei a camisinha e abocanhei o pau em minha boca. Chupava ele todo e já percebendo o tremor do cacete, fechei os olhos e senti no fundo da garganta o leite começar a escorrer...

-Delicia, caralho, como é bom... Chupa tudo, engole tudo... Não imagina que era bom gozar na garganta...

Fiquei com o pau na boca até a ultima gota. Depois , sorvi como um sorvete até o guerreiro murchar e ficar liso e limpinho. A satisfação dele estava estampado no rosto com seu sorriso.

Uma ducha para finalizar, me recompôs e sai do sobrado uma hora após entrado, mas com certeza, muito melhor. Voltei caminhando pra minha casa e no banho, me acabei na punheta pensando no cacete que havia devorado, no sonho dele realizado e no sorriso de satisfação. Correu pela minha mão, meu ultimo gozo de 2017.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/dosex@uol.com.br



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente