Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Sorte no amor, azar no jogo

Um belo dia, em um feriado eu levanto cedo, pois minha faxineira avisou que viria trabalhar. Preparo e tomo café, me arrumo e resolvo dar uma volta de carro para possibilitar que ela limpe a garagem assim que chegar.

Sem rumo, dei umas voltas pelo bairro e vi um rapaz alto, pernas peludas com tatuagem, caminhando de bermuda e mochila. Ao passar por ele, em sentido contrário, dei uma olhada completa e ele reparou. Parou e, depois que passei, se virou e ficou olhando. Percebi e encostei o carro na esquina, fingindo estar atendendo o celular. Pelo retrovisor reparei que começou a caminhar em minha direção. Ao se aproximar, deu uma olhada e viu que eu estava no celular. Caminhou mais um pouco e retornou e agora alisava discretamente o pau. Ao passar novamente por mim, dei um sorriso, abri a janela do lado do passageiro e guardei o celular. Ele veio até a janela, perguntou se estava tudo bem, se precisava de alguma informação. Pelo jeito que falou, fiquei em duvida se o cara estava a fim ou não. Respondi que estava tudo bem e que só estava atendendo celular.

Ele deu risada e respondeu : - Tudo bem. Fez que iria embora e foi quando perguntei : - E com vc ? Tudo bem ? Na rua cedo em pleno feriado. Respondeu que estava voltando de uns lances e que iria dar uma parada num clube ali próximo da prefeitura para bater uma bola com camaradas, assim quando chegasse em casa, sua mãe não encheria o saco. - Bom, não quero te atrapalhar, vai lá. Seus amigos devem estar te esperando. Respondeu que seria improvável, era muito cedo e deveriam demorar para começar a chegar. Perguntei o que faria até chegarem, e respondeu que iria ver um videos no celular.

Questionei se eram interessantes e na hora respondeu que eram de sexo. Dei risada e brinquei se ele já estava com tesão logo cedo. Respondeu que sempre, ainda mais quando os videos são coroas gostosos. Me fiz de desentendido e perguntei se eram coroas trepando com menininhas. Ele me respondeu que eram de coroas e garotos. Agora o sinal estava verde, perguntei se ele curtia com coroa. Respondeu "demorô", tá a fim ?

Disse que seria complicado, não curtia ficar no carro, ainda mais que os vidros são claros e que não tinha local para ir. Na hora ele respondeu, que no clube daria certo. Perguntei se não seria arriscado e ele disse que conhecia o esquema. Na hora fiquei receoso, mas com o puta tesão que já estava, perguntei como seria. Pediu para eu manobrar o carro e ir atrás dele, quando ele entrasse, para eu deixar o carro na rua (não colocar no estacionamento) e ir atrás a pé, como se estivesse caminhando. Topei e fizemos. 

Enquanto ele entrava no clube, escondi a carteira no carro, tranquei e desci. Quando entrei, ele estava sentado no chão e pediu 2 cigarros. Disse que tinha deixado no carro. Pediu para eu ir buscar e fui. Voltei com 2 cigarros e entreguei para ele. Havia várias pessoas pelo local que dormem num albergue ali perto. Ele disse para dar um tempo e depois ir atrás dele. Se dirigiu a um dos caras do albergue, deu os 2 cigarros e foram em direção ao banheiro. O cara do albergue sentou um pouco antes e acendeu um dos cigarros.  Fiquei bem receoso de ir atrás, quando pensei em ir embora, ele saiu até a porta do banheiro e acenou para eu ir.

Com um puta cagaço fui. Quando entrei no banheiro reparei que ele já tinha tirado roupas e tênis da mochila. Começou a tirar a roupa e disse que iria se trocar para jogar. Ficou só de cueca e pude ver um imenso volume na cueca dele. Falou para eu ficar tranquilo, se pintasse alguma coisa, o cara lá fora daria sinal. Eu deveria entrar num box e ele continuaria a trocar de roupa. Mal acabou de explicar, veio até mim e começou a passar a mão no meu pau e a dizer: - Quer dizer que meu coroa tá a fim de um garotão? Como ele alisava meu pau, respondi que sim, que tinha sentido maior tesão na bunda dele, embora eu não desviasse o olhar daquele volume imenso da cueca dele. O garotão perguntou se eu topava beijar, disse que adorava. Como ele é bem mais alto do que eu, me abraçou e começou a beijar meu pescoço e depois minha boca. Agora o tesão estourou, comecei a alisar intensamente a bunda dele e enfiar a mão por dentro da cueca, procurando o cuzinho.

Ele disse que não seria legal e me aborreci. Foi quando ele disse que estava com cuzinho sujo, mas que iria me mamar gostoso. Abriu minha calça, colocou meu pau todo melado para fora e comentou: Puta merda, quanta baba, adoro, vou limpar tudo. Ajoelhou, abaixou mais minha calça e lambia todo meu pau. Sempre dizendo: puta coroa gostoso, queria te deixar pelado numa cama, te chupar todo e depois vc iria me fuder até me arregaçar todinho. O cara não dava menor pinta de ser passivo, mas estava agindo como tal.

Lambeu meu saco, pau e disse que iria dar uma mamada forte, para eu encher a boca dele de leite, mas teria que ser logo pois poderia pintar alguém. O garotão engolia todinho meu pau, depois ia até a cabeça e sugava com força. Pedia: Vai coroa gostoso, dá leitinho para seu garotão. O tesão e o medo de sermos descobertos eram tantos, que logo gozei e ele tomou tudo e lambeu todo meu pau. Levantou sorridente e disse: Tá tudo limpinho. Me arrumei rapidamente, aborrecido por não ter visto nem o pau dele, e disse que já ria embora. Foi quando ele perguntou: Vai rolar um café ?

Questionei do que se tratava. Ele disse que estava com fome e se não poderíamos ir tomar um café e comer pão na chapa. Pronto, novamente fiquei preocupado. Perguntei aonde ele queria ir. Respondeu que ali perto tinha barzinho com pingado e pãozinho gostosos. Disse que iria esperá-lo no carro. Sai rapidamente do banheiro e percebi que agora tinham 3 caras sentados do lado de fora. Pelo jeito sabiam do que acontecia lá dentro. Acelerei o passo, entrei no carro e travei as portas. Acendi um cigarro e abri um pouco as janelas para ventilar. Eis que ele aparece. Agora com roupa de jogar futebol. Abri a porta do passageiro e perguntei se o bar era longe. Respondeu que não. Ficava há 2 quarteirões dali, na própria rua.

Fui até o local e era um tipo de bar/mercearia. Fiquei tranquilo quando reparei que várias pessoas estavam fazendo compras para tomar café da manhã. Ele cumprimentou o cara do balcão, pediu um pão na chapa e um pingado. Virou para mim e perguntou o que eu queria. Respondi que só um cafézinho. Jogamos conversa fora, sem tocar no que tinha rolado. Terminamos, paguei a conta e saímos. Acendi um cigarro e perguntei se ele queria um. Respondeu que não fumava e que os cigarros que tinha me pedido eram para pagar o cara que tinha ficado na vigília para a gente poder ficar numa boa.

Disse que tinha que ir embora, ele falou que já que eu teria que manobrar para voltar, porque a rua não tinha saída, poderia deixá-lo no clube. Fiz o que pediu. Quando chegamos ele falou : - Deixa eu me apresentar, sou o Samuca e vc ? Respondi que meu nome era Roberto. Perguntou se eu tinha gostado, respondi que tinha ficado receoso mas que tinha gozado gostoso. Ele perguntou se eu não queria ficar com o numero dele para batermos papo e, quem sabe, um lance mais tranquilo. Pedi para ele passar o numero e foi quando ele disse: Disca ai no seu cel o numero 9XXXX-XXXX. Disquei e o cel dele tocou. Ele falou: prontinho, agora é só adicionar na agenda que já estamos com numeros um do outro. Perguntou se teria problema me passar mensagem, respondi que não teria desde que não entrasse em assunto de putaria.

Deu risada e disse : Calma coroa, sou bom no que faço, sua mulher não vai desconfiar de nada. Me pegou a mão, deu um beijo e disse que tava indo. Ao vê-lo descer do carro, reparei como era bonito, mesmo sendo claro, ser de origem pobre e ter passar dificuldades financeiras. Fui embora contente em tê-lo conhecido, mas não esperava que acontecesse novamente.

Quando foi por volta de 11h, recebo uma mensagem dele dizendo : Foi um puta de um jogão 7 X 3  kkkk para o adversário. Respondi a mensagem com carinha de triste comentando: sorte no amor, azar no jogo. Na hora veio a resposta : Vc salvou meu dia, brigadão, quando podemos ??? Respondi que normalmente na semana após as 18h ou nos fim de semana, tipo umas 15h. Ele perguntou: Hoje pode ser? Respondi: Hoje seria complicado, meu pessoal deve chegar por volta das 15h. Ele : - Hummmm, então está sozinho ? Respondi : Faxineira em casa. Ele: Topa motel perto do metrô São Judas? Respondi: Quando ? Ele : Agora. Pensei um pouco e disse: Onde te encontro? Ele: No portão do clube onde vc me deixou. Respondi : Já estou indo. Ele: Te esperando, meu coroa.

Rapidamente cheguei e lá estava aquele garotão alto, bonito e gostoso sentado na calçada me esperando. Parei o carro, ele entrou e fomo para o motel. Pedi uma suite por 2 horas. Entramos no quarto, ele me abraçou, me beijou e disse que precisava tomar banho. Estava todo suado do futebol. Pedi para ele esperar que queria senti-lo assim, com esse cheiro de moleque macho, ele deu risada e disse para eu ficar só de cueca na cama. Ele tirou toda a roupa e foi ai que eu vi que a crendice popular esta certo, pés grandes (44) vara enorme.

Brinquei com ele: Samuca, nunca vi vara desse tamanho. Como sempre, sorridente respondeu a molecada do futebol se amarra nela. Sempre tem um viadinho mamando, nem imaginam que eu curto mesmo é coroa. Se deitou e começou a morder meu pau, por cima da cueca: Puta pau babão delicioso, chupava, mordia, enfiava a língua na virilha, quando comecei a tirar a cueca ele disse que precisava mesmo tomar banho, ele não aguentava o próprio cheiro. Levantou, rasgou o saco e retirou uma toalha. Parou na porta do banheiro e sorridente perguntou :- Você não vem ver seu garotão tomar banho? Respondi: Claro, Levantei e fui até o banheiro. Ele entrou no box, se lavou todinho com atenção especial para o pau e bundinha.

Depois que estava lavado, sentou no chão do box e pediu para entrar e mijar nele. Arranquei a cueca e entrei. Comecei a mijar na cabeça dele, e ele tentava pegar o mijo com aboca: Delícia, mija na minha boca, ele pedia. Meu mijo não parava e caia na boca dele, e ele engolia um pouco e deixava escapar o resto. Quando terminei de mijar, ficou uma baba dependurada e ele disse: Meu coroa sabe que o garotão dele gosta. Lambeu tudo, depois se enxugou e fomos para a cama.

- Agora sim vou cuidar desse presente. Puta coroa gostoso. Seu "filhão" vai cuidar do paizão. Confesso que o termo filhão não me foi muito simpático mas. Nos beijamos, ele me chupava mamilos, barriga, sovaco, pau, saco, pernas, lambia meus pés e sempre perguntava : Paizão, tá gostando do seu filhão safadinho e putinho ? Respondia que estava amando. - Serei sempre seu, sempre que quiser me chama e vou cuida do meu paizão.

Estava no maior tesão por ele e perguntei: e quando o "papai" vai fuder esse cuzinho delicioso? Ele disse não estar preparado, se eu não me importasse em sujar meu pau, o cuzinho dele era todo meu. Respondi que não tinha problema. Ele falou que antes, ele queria fazer algo que dava o maior tesão nele, pediu para eu ficar em pé, ele se deitou com a cabeça para fora da cama, e pediu para fuder a boquinha dele, enfiar o pau até o fundo da garganta. Que delicia, enfiava, socava, ele se engasgava, tirava meu pau da boca, pegava a gosma da boca dele e passava no próprio peito.

Soquei várias vezes e ele pediu para parar e deitar com ele na cama, começou a me beijar e pediu para eu lamber a gosma do peito dele e colocar com a boca no pau dele. Eu tava louco para sentir aquela vara dele e comecei na hora. Lambia a gosma dela e com a boca babada chupava a cabeça do pau dele. Ele pedia: Engole mais. Fiz várias vezes isso e ele se levantou e disse : Paizão não sabe engolir vara, vou ensinar.

Me colocou na mesma posição que ele tinha ficado na cama, pediu para eu abrir bem a boca e foi enfiando o pau. O pau dele é enorme, eu me engasgava toda hora. Ele pedia para eu abrir bem a boca e não encostar dentes no pau dele, socava o pau e tirava um pouco para eu respirar. Depois de várias vezes, disse : Paizão, já tá engolindo todinha a vara do seu filhão. Sentou na garganta. E colocou minha mão, foi quando senti aquela coisa enorme todinha dentro da minha boca/garganta. Disse que sabia que o Paizão tava gostando mas teria que parar se não iria gozar e o Paizão ainda tinha que encher de leite o cuzinho do filhão.

Me ajeitei na cama, ele veio e chupou/cuspiu no meu pau. Pegou um monte de baba, passou no cuzinho e disse, agora Paizão vai ver a cara de satisfação do filhão levando vara. Sentou devagarinho até meu pau entrar todinho, e sem dificuldades, no cuzinho dele. Quando começou a cavalgar, toca o telefone. Era a recepção informando que só tínhamos mais 15 minutos. Agradeci e desliguei.

O moleque cavalgava, rebolava, sorria sem parar. Perguntava sempre : Paizão, tá gostando do seu filhão, putinha (sim, no feminino). Respondi que estava adorando. Que meu "meu filhão" era uma vagabunda, uma putinha na cama - Isso Paizão, xinga seu filhão. Essa putinha precisa obedecer o paizão. Aquele menino gostoso cavalgando, dizendo aquelas putarias, me deixou puto de tesão e disse que ira gozar.

- Vai Paizão, goza, enche seu FILHÃO VIADO, putinha, de porra. -Ai Paizão, top sentindo, vou gozar também no meu paizão, e o pau começou a jorrar porra sem parar no meu rosto e peito. Disse que precisávamos acelerar pois já tinha dado nosso tempo. 

Ele pediu só um tempo para me limpar, lambeu toda porra que tinha derramado em mim, pegou a toalha molhada que já tinha usado e passou em mim. Se levantou e começou a se vestir.  Disse que tinha que se limpar pois estava com o cú cheio de porra.

Sorridente respondeu que sabia o que estava fazendo, iria levar minha porra com ele.  Estranhei, mas nos vestimos e saímos. Peguei os documentos na portaria e o levei até o bar que tínhamos tomado lanche, pois ele mora ali perto.

No caminho inteiro segurou minha mão e disse que sempre que eu quiser, é só ligar para ele. Mal o deixei, vim para casa. Não resisti e estou relatando o que aconteceu. Certeza de que teremos muitos momentos deliciosos juntos.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente