Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: Será que estas coisas acontecem mesmo?

Muitas vezes, tarde da noite, sem ter o que fazer, leio contos eróticos. Grande parte não passa de fetiches ou invenções, mas confesso achar alguns bem bizarros e difícil de aceitar que alguém realmente curta certas coisas, tipo ser escravo, curtir ser estuprado com violência. Existem exceções, é claro, onde de fato ocorrem na realidade mas dai a ser uma vontade.

Pois bem, nasci e cresci num bairro pobre de SP. Desde novo, trabalho e estudo. Aquela fase gostosa de curtir, todo dia jogar bola, reunir com amigos, passou e atualmente é bem raro. O que normalmente faço é passar num bar próximo de casa, nos fins de semana, antes de ir para a casa da namorada, e tomar umas brejas com vários conhecidos desde época da infância.

Sempre frequentei o local e sempre fui amigo dos 3 filhos da família do proprietário. Com a morte dos pais, um dos filhos assumiu o bar e expandiu. Passou a servir almoço, lanches e nos fins de semana sempre rola umas batucadas. Os atuais empregados são todos amigos nossos da época de infância. Achei muito legal o Waldemir (nome fictício) que assumiu o bar, ter contratado o pessoal, porque é raro os amigos que tenham concluído o colégio. Os irmãos de Waldemir casaram e mudaram. Waldemir continuou a morar na casa no fundo do bar. Normalmente durmo na casa da namorada, mas quando calha de voltar para minha casa, dou uma parada lá e fico no batuque com a moçada.

Há uns tempos atrás, quebrei o pau com a namorada e minha presença ficou mais constante no bar. Reparei que sempre por volta das 23h, dois amigos, que trabalham durante o dia no bar, retornavam e ficavam até Waldemir fechar o bar. Eu ia para casa e eles ficavam para ajudar na limpeza. Achei muito legal a atitude deles.

Num sábado, já tarde, tipo umas 2h da madrugada, eu já estava bem alterado (bêbado) e Waldemir avisou que iria fechar. Levantei para ir embora mas o mundo girava. Waldemir deu risada e disse que eu não chegaria em casa. Disse para entrar e esperar que depois ele, Joca e Zeca (nomes fictícios) terminassem a limpeza, me levariam para casa. Joca me colocou sentado numa mesa dentro do bar, fecharam a porta, fizeram a limpeza.

  Depois me levaram para casa dos fundos, onde Waldemir morava. Disseram que iriam dar um banho em mim. Ficaram pelados, tiraram minha roupa e me levaram para banheiro. Mal entrei no banheiro, tive que parar e vomitar no vaso. Joca e Zeca me seguravam, pediram para abrir a boca e Joca enfiou o dedo na minha garganta, mais vômitos. Estava com as pernas tremulas, eles me seguraram e colocaram no box.  Ligaram o chuveiro e começaram a me dar banho.

Waldemir veio até a porta e perguntou como eu estava. Responderam que eu estava melhorando. Disse para que os dois me lavassem todinho, e me higienizasse todinho. Concordaram com a cabeça e continuaram a me lavar. Zeca pega o sabonete, lava minhas costas, depois ensaboa muito a minha bunda. Eu não sabia se realmente ele estava demorando muito ali, ou se eu estava bêbado e confundia as coisas. Ele começou a passar o sabonete no meio da minha bunda e se concentrar no meu cú.

Tentei reagir mas estava meio sem ação, pegou o chuveirinho, começou a enxaguar e bunda. Arrancou o chuveirinho e só com a mangueira começou a lavar meu cu. Mal acabava de lavar, passava mais sabonete, dava uma forçada com o dedo e colocava a mangueira. Fez isso várias vezes, até que introduziu a mangueira no meu cu. Tive uma sensação ruim e os dois seguravam meu braço. Mandaram eu cagar e junto com a agua que tinha colocado, saiu um monte de merda. Zeca pegou o rodo, tirou a tampa do ralo e puxava a merda para o ralo. Joca mandou eu me apoiar na parede, segurou meus braços e pediu para Zeca continuar. Toca passar sabonete, enfiar mangueira e pedir para eu cagar. Depois de várias vezes, Zeca disse que eu estava prontinho. Pegaram toalhas, me enxugaram, se enxugaram e me levaram para o quarto onde me deitaram na cama de casal do Waldemir.

Estava bem zonzo, e senti um alivio em deitar. Passado um tempo, acordo com Waldemir dando tapas do meu rosto e dizendo: - Acorda, se prepara que hoje você vai aprender a ser a minha putinha. Achei que estivesse brincado comigo, pois sempre fomos amigos desde a infância. Falei que precisa ir embora e tentei me levantar. Waldemir dá um grito: - Venham. Joca e Zeca entram no quarto e Waldemir diz: Essa putinha está dando trabalho.

Os dois me pegaram, me viraram de bruços e ficaram me segurando. Waldemir veio, abriu minha bunda, olhou para meu cú e disse: - Não falei para vcs que essa puta era virgem ? Tem todas as pregas. Vou dar um jeito nisso agora. Os dois deram risadas mas não me largavam. Eu ainda acreditava ser brincadeira deles. Waldemir pega um gel, começa a passar no meu cu, massagear e introduzir um dedo. Dizia: - Caralho, que cu apertado, não é como o de vocês todo arregaçado.

Passava mais creme e foi aumentando a quantidade de dedos. Doía demais, eu pedia para ele parar, mas sempre me respondia que hoje eu perderia as pregas, e seria a nova putinha dele. Foi enfiando dedos até entrarem 4 dedos. Disse: - Merda, hoje não vou conseguir enfiar a mão nesse rabo, mas vamos estourar as pregas. Deitou sobre mim e começou a enfiar a cabeçona enorme na entrada do meu cú. Aquilo doía demais, e eu implorava para ele parar. Ele dizia para eu relaxar, quanto mais relaxado ficasse, menos iria doer. Que no começo eu iria sentir dor, sempre é assim na primeira vez, mas que depois eu iria me acostumar e sempre iria querer sentir mais vara no cu. A medida que ele falava ia bombando e tentando enfiar mais aquele caralho enorme em mim. Eu travava o cu para evitar a penetração e ele forçava mais ainda.

De repente ele mandou Joca e Zeca me largarem, me puxou pelos cabelos, me deu um tapa violento na cara e me disse: - Seu viado do caralho, vou te foder quer você queira ou não, ou abre bem esse cu para levar vara ou vai apanhar muito e vou te foder de todos os jeitos. A brutalidade como agiu e a força do tapa me deixaram com medo dele. Sem largar meu cabelo dizia: Você não entendeu que a partir de hoje você será minha putinha? Outro tapa bem mais forte. Agora estava morrendo de medo de continuar a apanhar, ele me jogou na cama, me puxou para beirada, levantou minhas pernas e disse:  - Sua puta do caralho, eu ia te arrombar com carinho, agora vou te foder sem dó, vai levar vara de frango assado. Começou a enfiar aquele pauzão no meu cú e dizia: Se travar o cu vai apanhar mais. Vi que não tinha mais jeito, dei uma relaxada e o Filho da Puta percebeu: - Isso, abra bem o cu como se fosse cagar, e metia vara. Senti aquela cabeça enorme entrar, ele bombando, a sensação do meu cu sendo estourado, arrebentado. Ele dizendo: Isso, agora tá entrando, e foi colocando.

Sentia uma dor imensa, como se algo estivesse me rasgando todinho por dentro. Tinha a sensação que iria desmaiar, sentia vontade de cagar, foi quando disse: Para, não to aguentando, vou cagar. Ele nem se importou e respondeu: Vai cagar merda nenhuma, os meninos ja fizeram chuca completa em vc. Foi ai que ele sem dó nenhuma, deu uma estocada muito forte, e aquela vara entrou todinha em mim. Comecei a gemer, chorar e gritar forte. Zeca veio e tapou minha boca. Waldemir parou de bombar e me disse: - Agora relaxa, já esta tudo dentro.

Joca pegou um celular e começou a fotografar, tirou várias fotos. Fez questão de fotografar meu corpo inteiro, pelado, mostrando rosto e corpo de um macho com pau dentro do meu cu. Terminada a sessão de fotos. Waldemir começou a bombar bem devagarinho, e me dizia: A minha putinha esta sentindo a vara do seu macho no cuzinho? Respondia que estava doendo muito e implorava: Agora que me fodeu, por favor, tira o pau do meu cu. Ele dava risada e dizia: - Calma minha putinha linda, a brincadeira está só começando.

Agora Joca e Zeca se revezam em beijar o Waldemir, que continuava com movimentos lentos no meu cu. Reparei que a dor tinha diminuído e que a sensação até estava ficando gostosa. Ele deu uma acelerada nos movimentos, a dor voltou um pouco e ele disse para eu continuar relaxado que agora só seria prazer. Continuava a bombar e tirou o pau do meu cu. Senti um alivio mas tive a sensação que ele havia aberto um buraco enorme em mim. Deu risada e mandou os meninos olharem e fotografar. Joca tirou varias fotos e ele enfiou de uma vez a vara até o fim do meu cu. Gritei de dor, ele dava risada e dizia que agora já entrava direto, bombava um pouco, tirava o pau para fora e metia com força a vara todinha dentro de mim. Ficou um tempão fazendo isso. Tirou a vara, mandou eu me deitar.

Ele se deitou ao meu lado e disse que a lição mais difícil ele já tinha me ensinado. Me deu um beijo, não correspondi. Ele ameaçou: Ou você me beija como uma puta ou vai levar uma surra. Outra vez a agressividade de volta. Ele se deitou e mandou eu ir beijá-lo e muito bem para não apanhar. Fui até ele e comecei a beijá-lo. E ele disse:-  Isso, já esta aprendendo a obedecer seu macho.

Mandou Zeca cuidar dele e eu prestar bem atenção, que depois seria minha vez de cuidar dele. Zeca começou a chupar o mamilo, foi beijando barriga descendo e chegou na vara dele. Zeca lambia a cabeça do pau dele, engolia o pau, ficou revezando entre lamber e engolir a vara. Waldemir me puxou pelos cabelos e disse: Já teve a lição, agora cuida de mim. Eu bem desajeitado comecei a chupar os mamilos dele, lamber a barriga dele e nessa hora o medo desapareceu e começou a me dar uma sensação de prazer e tesão, diferente do Zeca tinha feito, que tinha ficado ao lado do Waldemir, fui para os meio das pernas dele e comecei a lamber o pau dele, adorei sentir o gosto da baba, segurei o pau enorme dele e bati no meu rosto, tentei chupar inteiro mas não conseguia engolir como o Zeca tinha feito, ele mandava eu tentar engolir tudo, aquele pau enorme mal entrava na minha boca, ao tentar engolir, vinha uma ansia de vomito, ele mandava eu cuspir na cabeça do pau dele e lamber, dei umas bobeadas nas primeiras vezes mas depois comecei a lamber tudo, desci a língua para aquele sacão enorme e peludo, que sensação deliciosa eu estava sentindo, lambi muito aquele saco e chupei as bolas, ele mandou engolir as bolas, só conseguia engolir uma.

O Joca fotografava tudo aquilo. Agora realmente eu estava fazendo sem ser forçado, e o tesão tinha tomado conta de mim. Waldemir diz para o Joca: - Caralho nunca imaginei que esse iria virar minha putinha tão fácil. Já tó cuidando de mim melhor que vc. Reparei que Zeca não gostou mas Waldemir fazia isso para irritá-lo.

Waldemir chama Joca e manda ele me ensinar a cavalgar. Joca pega o gel, lubrifica bem o cu e também o pau do Waldemir e começa a sentar naquele caralhão enorme. Foi até entrar tudo, Waldemir mandava Joca rebolar para o macho dele. Fiquei admirado como Joca subia e descia naquela vara imensa.

Depois de um tempo mandou ele parar e disse para mim, agora é a sua vez. Zeca, como se fosse me ajudar, veio com gel, encheu os dedos e enfiava os dedos no meu cu. Aquilo me incomodava muito. Waldemir dava risada e dizia que não queria ver as putinhas dele brigando. Arranquei o gel da mão do Zeca e eu mesmo enchi meu cu e o pau do Waldemir de gel. Sentei naquela vara e senti que meu cu ardia muito. Waldemir disse : Seu cu ainda não esta acostumado, faça como eu te ensinei, finja que vai cagar e coloque devagarinho, pois seu cu esta machucado pelas pregas que estourei. Fiz como ele mandou, fingi que ia cagar e tentava enfiar o cu na vara dele, não entrava. Joca veio, segurou firme o pau dele, disse para eu ir abaixando. Posicionou a cabeçona daquela vara no meu cu e disse para eu ir rebolando devagarinho. A medida que a cabeçona foi entrando, voltou a sensação de eu estar sendo rasgado, mas agora eu estava querendo, fui mexendo a bunda e sentindo aquela vara imensa ir entrando. Antes de entrar tudo quis fazer uns movimentos, mas Waldemir disse que não. Eu tinha que colocar toda vara dentro e ficar sentado nele. Obedeci até entrar tudo. Quando estava tudo dentro, Waldemir falou : Isso minha putinha, vc aprende rápido. Está tudo dentro. Esta sentindo? Esta gostando? Só respondi que estava tudo dentro.

Sem que eu esperasse, Zeca me deu um puta tapão na cara e disse: Responde o que seu macho perguntou. Agora eu estava perdido.... Iria apanhar também do Zeca?  Zeca falou: Vou te ensinar, vou repetir as perguntas e quero ouvir respostas certinhas: -  Minha putinha esta sentindo a vara do seu macho todinha dentro? Esta gostando ? Respondi que estava sentindo e gostando. Outro tapa agora com muito mais força dada pelo Zeca. Zeca disse: Responda: -  Sim meu macho, sua putinha esta com sua vara todinha dentro do cu e sua putinha esta adorando. Waldemir só olhava, Zeca mandou: Vamos, diga. Novamente com medo, disse : Sim meu macho, sua vara esta todinha dentro de sua putinha e sua putinha esta amando.

Waldemir deu risada e perguntou para o Joca se tinha filmado tudo. Só então reparei que toda aquela cena, eu sentado na vara do Waldemir, dizendo ser putinha dele, estava tudo registrado no celular. Waldemir mandou eu rebolar na vara dele. Estava meio assustado de fazer as coisas erradas e perguntei se ele estava gostando. Outro tapa do Zeca, eu deveria sempre usar o termo meu macho. Na mesma hora perguntei: Meu macho, esta gostando de como sua putinha esta fazendo. Os três deram risadas e Waldemir comentou: Pronto, aprendeu rápido. Parecia que o ambiente estava ficando mais leve e comecei a intensificar os movimentos. O tesão estava tomando conta de mim, sentia que a qualquer instante iria gozar, e foi quando Waldemir disse: - Se Gozar sem minha ordem, vai apanhar muito. Na hora me controlei para não gozar, mas sentia meu pau babando. Waldemir mandou eu me levantar de cima dele. Mandou eu ficar de 4 e disse que agora iria me marcar.

Zeca foi para minha frente e pela primeira vez observei o pau dele. Era um pau de tamanho médio com envergadura para baixo. Waldemir deu um tapão na minha bunda e disse: Mama a vara do Zeca. Eu de 4 e o Zeca enfiou o pau na minha boca e como sabia que ele batia forte, comecei a mamar direito. Sentia o gosto da baba na minha boca e ele socava forte em mim. Waldemir começou a me foder o cu e disse para eu não gozar. Dava bombadas muito fortes, como se o pau dele fosse atravessar meu corpo. Sentia até as bolas batendo na minha bunda.

Eu mamando o Zeca, Waldemir fudendo meu cu, eu estava quase gozando, foi quando senti aquele sensação de algo quente inundando meu cu. Waldemir tinha enchido meu cu de porra. Confesso que adorei aquela sensação de algo quente dentro de mim. Enquanto curtia essa sensação, tinha parado de mamar o Zeca, que me pegou pelos cabelos e começou a mexer minha cabeça para voltar a mamar a vara dele. Waldemir levantou, tirou celular do Joca e mandou ele terminar o serviço. Joca veio e começou a chupar meu cu. Waldemir dava risada e dizia: Que lindo, minhas 3 putinhas trepando, e não parava de filmar.

Quando Zeca fez menção de que ia gozar, Waldemir disse para o Joca, vai! Joca enfiou vara no meu cu com força e dizia para Zeca: Putinha querida, goza para nosso macho ver, e me fodia. Zeca segura forte meu cabelo e começa a encher minha boca de porra.  Waldemir vai perto do meu rosto e diz: Se desperdiçar uma gota desse leitinho vai apanhar, chupa a vara da sua amiga putinha, tome o leitinho dela. Chupei e engoli até a ultima gota, sem desperdiçar nada. Nisso sinto outra vez algo quente no meu rabo, e Joca estava enchendo novamente meu cu de porra. Waldemir dava risada e me dizia, você já virou putinha safada. Adora tomar leitinho pela boquinha e por esse cu arregaçado.

Waldemir mandou eu deitar na cama e disse para cuidarem de mim. Joca e Zeca se revezam em me beijar, me lamber, me chupar. Waldemir desliga o celular e manda que terminem o serviço. Já era tarde e ele queria dormir. Zeca coloca a boca perto da cabeça do meu pau, Joca começa a bater punheta e quando comecei a gozar, Zeca começa a mamar meu pau. Joca tira o Zeca e acaba de limpar todinho meu pau.

Waldemir volta para o quarto, agora de bermuda e Joca e Zeca dizem: As suas 3 putinhas gozaram muito e não desperdiçaram nenhum pouco de leite. Ele responde: - Se troquem e acompanhem essa minha nova putinha até na casa dela. Coloquei a roupa, antes de sair do quarto Joca me disse : Avisa nosso macho que a nova putinha dele esta indo embora. Fui até o quarto, parei na porta e disse: Meu macho, a sua nova putinha esta indo embora. Ele fez sinal, fui até ele, ele me deu um beijo e disse: Amanhã quero você aqui novamente, vamos ver umas fotos da minha putinha e assistir uns videos. Se não aparecer até as 22h, suas amigas irão colocar as fotos e videos na internet. Fiquei apavorada com a ameaça e respondi: Não se preocupe meu macho, virei até antes se desejar. Ele deu risada e disse, logo mais verei, Ah, preciso de uma menina para ajudar na limpeza do bar e vc parece ser a indicada.

Isso ocorreu há 2 anos atrás, até hoje frequento o bar e sou a ajudante geral de limpeza. Faço isso todos os finais de semana, sem receber nada, só para agradar meu macho viril e delicioso. Tudo aquilo que eu lia e não acreditava, vi que pode acontecer e hoje vivo isso na prática. Posso dizer que agora, todos os finais de semana me transformo numa putinha para atender e satisfazer todas as vontades do meu macho.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente