Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Outros: O Clube do sexo

Fui convidado por um amigo para conhecer um lugar, ele disse a mim que o lugar que eu estava prestes a conhecer era um local diferenciado, onde eu poderia realizar algumas das minhas fantasias.

Eu diante de tudo o que ele falou, apenas ri, e aceitei o convite, aliás eu já havia aceito, mas ainda assim, reafirmei a minha curiosidade de conhecer o local.

Meu amigo estava de carro, e fomos de carro até o local, que segundo ele era o "Club do Sexo", tipo um vale tudo para 18+, após cerca de 30 minutos, havíamos chego em uma avenida, cheia de prédios comerciais, entramos em uma garagem de um daqueles prédios, o portão principal foi aberto, após isso havia um outro portão, e nele havia um leitor biométrico, meu amigo colocou a mão dele em cima do leitor, eu comecei a rir, senti que aquilo pudesse ser uma enganação da parte do meu amigo, afinal as vezes ele tem dessas.

Meu amigo pediu para eu não conversar mais a partir dali, segundo ele um dos critérios para entrar no "Club" é o silêncio durante o trajeto dentro da garagem do prédio, eu como sou obediente, me calei. A partir dali entramos em uma espécie de escada de emergência, ao invés de subirmos, descemos para uma espécie de porão, uma porta pesada, meu amigo pegou uma chave no bolso, abriu aquela porta, entramos em uma espécie de sala de espera, lá havia uma outra porta, parecia aço escovado, e havia uma espécie de fechadura eletrônica, meu amigo tirou um cartão preto, do bolso, inseriu naquele dispositivo, e a porta se abriu, eu pensei que estivesse em alguma espécie de filme futurista, lembro que vi um painel, escrito:" Envolva-se". Eu olhei para ele, ele apenas disse: "continue andando..." o local que parecia escuro foi aos poucos se revelando, mesmo assim eu não vi pessoas, o ambiente era escuro, tons cinzas, mas era ao mesmo tempo um local amplo e bem ventilado, a temperatura também era ótima, notei que no local haviam várias portas, para todos os lados, todas portas pareciam ser de uma espécie de aço, lembro que no ambiente tocava um som familiar, de musicas dançantes, mas o som não era alto.

De uma das portas apareceu um homem, com terno, extremamente bonito, relógio, e com um papel que parecia um convite em suas mãos, ele se aproximou de meu amigo, acenou com a mão bem levemente, meu amigo sorriu para ele, logo após isso ele me olhou nos olhos, deu-me o convite, eu rapidamente peguei, abri, e li algo: "Estamos ansiosos para tê-lo, você é o melhor", eu após ler isso, olhei para o homem, ou melhor gato gostoso, antes mesmo de eu falar algo ele apenas disse: Seja bem-vindo!.

O homem indicou para que eu entrasse em uma daquelas portas, pediu também para que eu deixasse toda a minha roupa com ele naquele momento, olhei para o meu amigo, e ele já não estava mais ali. O homem gostoso, disse para eu não ter medo, pediu meu celular, pediu para eu desligar o meu celular antes de entrega-lo a ele, eu assim o fiz, comecei a tirar toda a minha roupa, após eu tirar toda a roupa ele pediu para eu espera-lo, pois ele teria algo a me dar, ele retornou a porta que havia saído, e trouxe consigo uma espécie de sobretudo preto, luvas até o cotovelo na cor preta, meias calças que se prendiam a uma espécie de cinto, que ele também me deu, tudo na cor preta, era um tecido muito confortável, leve. Pediu para eu vestir tudo rapidamente, lembro que todas as coisas que ele me deu estavam com o meu perfume, achei isso tão estranho, ele me olhava o tempo todo.

Após eu me vestir completamente, ele mostrou-me a porta, assim eu fui em direção a porta, meu coração batia sem parar, senti que naquele momento eu pudesse desmaiar, mas a curiosidade era maior, empurrei a porta, ainda era escuro, mas havia um outro som, mais sensual, as luzes começaram a acender, veio até mim um homem grisalho, apenas de cueca, disse que iria me conduzir, eu já estava começando a me familiarizar com a ideia de poder estar ali, e deixar acontecer, assim este homem me conduziu mais a frente.

Pude ver que haviam mais pessoas, sentadas em espécies de cama, aliás era como se fosse uma cama enorme, cheia de homem maduros, alguns rapazes que deveriam de ter entre 20 e 25 anos de idade, haviam garçons, todos com terno, e também uma touca, apenas os olhos e boca eram evidentes. Aos poucos fui caminhando até aquela super cama, os homens me olhavam como se eu fosse a principal atração, lembro que um dos garçons trouxe a mim uma taça, linda, parecia um espumante, aceitei e tomei em um único gole.

Um desses homens tinha em um dos braços um bracelete grande, parecia ser uma espécie de anfitrião, ele calmamente, acenou com a mão para que eu pudesse sentar ao lado dele, ele vestido com uma cueca e o bracelete, era um pouco peludo, sentei ao lado dele, ele começou a lamber meu pescoço, pediu para eu ir ao centro da cama, vi que os outros homens começaram a tirar as cuecas, e fizeram um círculo em torno de mim, aquele coroa que havia começado a lamber o meu pescoço pediu para eu beija-lo, os outros olhavam com desejo, eu então neste momento tirei o sobretudo, e chamei os outros para participarem, eles vieram como cachorrinhos, começaram a lamber meus pés, pernas, braços, senti que eu pudesse ser violado ali, mas eles se intercalavam, era como se estivessem sincronizados, um dele, branco, o mais alto que ali estava, pediu para eu ficar de quatro, eu obedeci a ele, ele em pé mostrou a rola dele para mim, que era grande e também era sacudo, eu salivei, minha boca sabia onde precisava estar, engatinhei como uma gatinho no cio, comecei a mamar a rola dele, passando levemente a minha língua nas bolas dele, lambia as pernas dele, fui descendo até os pês, e ele entendeu o recado, colocou o pé em minha cara, enquanto havia um outro coroa lambendo o meu cu, incessantemente.

Preferi continuar com a mamada gostosa, aos poucos os outros coroas, com a rola já dura, se achegaram até mim, mais dois deles encostaram a rola em meu rosto, eu não resisti comecei a mamar cada uma daquelas rolas aos poucos, era uma delícia, eles gemiam, e os outros que assistiam também gemiam, os únicos que não participaram foram os rapazes.

Eu sabia que talvez eu não fosse capaz de realizar todos aqueles homens, afinal, eram cerca de 12 homens, foi então quando o mais alto dele, disse que era a hora do grande final!!! Pediu para que eu ficasse novamente de quatro, eles pareciam se masturbar, foi quando ele mandou eu abrir a minha boca e engolir a rola dele, senti um jato quente, grosso, aquelas veias da rola dele dentro da minha boca pulsavam, senti o gosto da porra dele, e ele pediu para eu não engolir, logo veio outro, mandou eu abrir a boca, e também gozou na minha boca, os 5 gozaram na minha boca, eu já não aguentava tanta porra na boca, foi quando um deles falou bem alto: Engoli a nossa porra agora! Eu engoli, e gemi alto. Mas não havia acabado, ainda haviam sete homens que não havia gozado em mim.

Eu continuei de quatro, e um dele disse que agora eles, os sete iriam mijar. Mandou-me deitar e abrir a boca, eles começaram a mijar em cima de mim, me xingando de puta, cachorra, diziam assim: Vamos arrombar seu cu.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/tutidelutie



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente