Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Sexo Anonimo: Segunda vez na pica

Já escrevi aqui sobre a minha primeira experiência com um homem, foi um amigo de minha namorada, pois bem, pouco tempo depois de comer o rabo de macho pela primeira vez, eu e minha namorada terminamos o namoro. Andava meio para baixo e triste até que meu pai, que revende carros usados, apareceu lá em casa com um pequeno motor-home. Como estava de bobeira e tinha uma semana de folga, pedi o carro a ele e fui acampar numa praia do sul capixaba.

Quando cheguei ao camping numa tarde de terça-feira, o local estava praticamente deserto, havia somente uma barraca montada. Fui orientado pelo rapaz que trabalhava lá a parar por perto da barraca já montada para facilitar a vigilância do local. Estacionei o veículo perto, mas não muito da outra barraca, como já tinha comprado tudo que precisaria para aqueles dias, vesti a minha sunga e parti para a praia. Lá eu pude ver um casal sentado na areia, acenei e fui retribuído e me afastei deles até um local bem deserto, por lá fiquei sozinho até umas sete da noite.

Voltando, passei perto da barraca e pude ouvir claramente ruídos de sexo, ela gemia baixinho, ele respirava ofegante. Aquilo me deu um puta tesão e fui correndo para o banheiro do camping tomar um banho frio e bater uma punheta. Quando já estava de pau duro, inchadaço na minha mão, o rapaz que eu havia visto na praia entrou no banheiro. Opa, o negócio está bom aí, heim? Ele falou dando uma risadinha.

Putz, foi mal, achei que estaria sozinho, ouvi você e sua namorada transando e fiquei com tesão. Respondo pegando a toalha para disfarçar.

Não é comigo que ela está trepando. É com o cara do camping. Não somos namorados, somos apenas amigos, eu gosto de outra coisa. O safado falou isso e deu uma mexida de cabeça em direção da minha virilha.

Ah, é? Poxa que bom, eu descobri há pouco que adoro fuder um rabo de macho.

Deixa eu ver o instrumento para ver se eu aguento, parece que é muito grosso.

É grosso sim, mas é muito carinhoso e macio também, pega aqui.

Ele se aproximou e foi logo pegando na piroca.

Nossa é muito grossa, vai me machucar, você não vai acreditar, mas eu nunca dei o meu cuzinho, fico com medo. Mas você tem vontade? Eu perguntei.

Ele foi tirando o calção e entrando numa ducha ao lado da minha, abriu a água e foi enchendo o meio de sua bunda de espuma, virando aquele rabinho branco para o meu lado.

Tenho sim, até depilei meu reguinho, olha só. Falou de costas para mim, com a cabeça virada para trás, enquanto abria a bundinha deixando a água tirar o sabão do seu cuzinho bem rosa.

Fiquei maluco. Acabei a punheta ali mesmo, gozando muito com ele colocando a mão na cabeça do meu pau. Pronto, agora que a minha pressa acabou, você não quer ir até o meu trailer e tentar perder o cabaço? Ele balançou a cabeça e saímos para o meu carro.

Mal entramos e eu já estava com um tesão de louco, deitei ele de costas e fui deslizando a língua até dar uma lambida de leve no seu cu. Na hora ele deu uma piscada e gemeu baixinho. Foi a deixa para eu meter a língua naquele buraco, como se tentasse entra com a cara lá dentro. Ele só gemia. Coloquei ele de quatro sobre mim, com a cabeça virada para o meu pau, continuei metendo a língua, o sabor do rabo daquele cara era ótimo, ele sem perder tempo caiu de boca na vara.

Ainda linguando o buraquinho dele, que agora estava todo melado, fui metendo um dedo bem devagar. Senti suas as costas se arquearem, mas ele não tirou o meu pau da boca, apenas gemeu alto. Isso me fez meter mais um dedo. Isso o fez deixar o peso do seu corpo todo sobre mim, apenas para empinar mais o rabo e afundar a minha pica naquela garganta. Ele engasgou tanto que, ao tirar o meu pau da boca, deixou uma baba escorrer.

Está na hora de você sentir uma piroca te abrir, falei enquanto ficava atrás dele, posicionei o meu pau bem na entradinha e disse baixinho:

Eu vou meter bem devagar, está bem?

Ele virou para trás e me disse dengoso: Me come?

Quando a cabeça da pica entrou, vi seus pelos arrepiar, com um Aiii, meu miado, meio gemido. Parei um pouquinho e cuspi no meu pau, depois fui entrando com ele bem devagar. O cara enfiou a cara nos lençóis da cama e gemia abafado pelos tecidos.

Quando senti que a vara estava toda dentro, parei e fiquei imóvel.

Você está me rasgando todo cara, ele falou. Olha eu sou um viadinho todo aberto com uma pica de macho dentro de mim.

É isso mesmo que você é. Agora não tem volta, a pica está toda aí dentro, seu cu está todo abertinho e pelo jeito você está curtindo tanto quanto eu.

Estou sim, estou maluco, me rasga de vez, me rasga?

Perdi o respeito e comecei a bombar, peguei na cintura dele e ia batendo com a minha virilha em sua bunda, tirando o pau quase todo e depois enfiando tudo de uma só vez.

Você está sangrando um pouco, quer que eu pare? Perguntei

Não cara, tira sangue deste rabo, me enche de porra.

Tirei o pau todo e mandei ele sentar de costas para mim. Assim que ele sentiu a pica inteira dentro, a putinha começou a cavalgar.

Gemia, ria, chorava, parecia que estava maluco enquanto eu via aquela bunda linda ir engolindo e soltando a minha piroca.

Vou gozar, avisei. Ele pulou para fora da pica, caiu de boca e eu dei leitinho na boca para ele. Notei que ele começou a se masturbar, mas dei um tapa na cara dele e disse:

Ei, viado só goza depois de deixar a pica do macho toda limpinha.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/Centroa3



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

20/11/2016 22:18:07 - Porra, que delicia de conto, quero ser fudido por vc. gostosão. como faço:? aguardo resposta, delicia.. abraços...

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente