Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Sexo Anonimo: Pau de pedreiro

Boa viagem é o bairro que morei por muitos anos, é famoso por sua bela praia, na qual como falei em conto anterior, vivi várias aventuras.

Havia muitos prédios em construção por lá e às vezes saía caminhando bem cedinho pelas redondezas onde os pedreiros estavam nos horários de folga. Só de sunga, de preferência uma que não deixasse dúvidas sobre minhas intenções. Aconteceu certa vez de começarem a me xingar pesado , fiquei assustado, mas algumas vezes ouvia cantadas que renderam fodas.

Como no dia em que voltava da praia e resolvi passar na frente de um desses prédios onde os trabalhadores deitavam à sombra na calçada no intervalo do almoço. Uns cochilavam , outros conversavam passei por eles e percebi que dois que estavam isolados do grupo comentavam algo e olhavam pra mim. Sorri pra eles e notei que um resolveu vir atrás de mim e assim que virei a esquina longe dos olhares do colegas falou comigo: Boa Tarde. Parei e respondi : melhor agora. Você mora aqui perto ? Já vi você passando várias vezes, perguntou . Sim . Meu pau já tava mudando de tamanho na sunga e eu não tinha nada pra esconder. Ele segurava o seu e olhando pro meu cada vez mas duro e disse : posso ir até a sua casa? Fiquei meio sem jeito ao pensar naquele homem desconhecido, trabalhador de construção com sua roupa de trabalho e capacete na mão entrando no prédio comigo, mas pensei com a cabeça de baixo e aceitei , o cara era gostoso e não quis perder a chance.

O porteiro do prédio ficou olhando . Disse depois que o cara veio olhar uns consertos pra fazer.

Chegando ao apartamento mal fechei a porta e ele tirou aquela roupa cinza e folgada e vi que ele era mesmo muito bonito e gostoso. Com um corpo todo trabalhado e uma rola enorme. Foi logo dizendo: estou suado e fedendo, posso tomar um banho antes? Claro principalmente se for comigo . Segurei no seu pau duro e assim guiei-o até o banheiro Nos abraçamos embaixo do chuveiro e senti aquela imensa rola dura pressionando minha barriga. Desamarrei a sunga e ele me ajudou a tirá -la agachando-se e enfiando minha rola na sua boca. Gemi de prazer. Ele segurou meu pau na base com sua mão áspera e forte e ficou chupando com sofreguidão a cabeça dura e latejante. Que tesão! Virou-me e com a mesma destreza deu um trato no meu cu. Um chupador nato. Enfiava a língua e mordiscava suavemente na portinha me levando à loucura. Desejei que ele enfiasse Seu pau todo em mim. Chegava a doer de tanto tesão e prazer que sentia. Ele levantou- se é me tirou o fôlego num beijo. Direcionou meu corpo pra baixo me pediu pra mamar no seu pau. Que delícia. Engasguei várias vezes. Que visão! Olhar o macho de baixo para cima enquanto engolia o que cabia na minha boca.

Depois ele me levantou, colocou o sabonete na minha mão e apoiou as suas na parede . Entendi o que ele queria. Passei a deslizar o sabonete por todo seu corpão. Que bunda! Deslizei minha mão pelo rêgo dele e vi toda sua pele arrepiar instantaneamente enquanto ele relaxava na parede. Fico de rola dura só de lembrar a delícia de ensaboar aquele macho, primeiro com as mãos depois com meu corpo todo. Encaixei minha rola dura na sua bunda , fiquei ensaboando suas costas com meu corpo todo, enquanto minhas mãos ensaboava a frente, punhetando-o de vez em quando. Ele estava alucinado de tesão. Nos esfregamos com nossos corpos com muito desejo e sofreguidão. Passava meu rosto ensaboado por entre suas coxas, escorregava minha cabeça raspada por sua bunda meti a língua no seu cuzinho e em seguida enfiei meu dedo polegar. Isso despertou um tesão nele que rapidamente me puxou pra cima me empurrou contra parede e enfiou numa só estocada seu imenso cacete no meu cu. Quase desmaio de dor misturado com tesão. Segurou meus quadris para não me escapar e começou a chupar minha orelha enfiando a língua no meu ouvido, arranhando meu pescoço com sua barba por fazer e ao mesmo tempo começou a me punhetar aceleradamente. Dei um grito gozando fartamente, sentido seu leite quente dentro de mim enquanto ele urrava e estremecia de tesão.

Ficamos alguns minutos colados embaixo do chuveiro recuperando forças. Por um momento quis ficar assim e creio que ele também. Me abraçava por traz com seu pau ainda enfiado em mim. Fiquei piscando meu cu massageando ainda o seu pau que aos poucos foi saindo de mim .Virei- me de frente pra ele e demos um beijo gostoso chupando nossas línguas. Sem falar nada terminamos lavando um ao outro. Entreguei- lhe uma toalha e fomos nos enxugando em silêncio. Pediu-me um copo dágua. Quando voltei já estava vestido e pronto pra voltar pro trabalho. Levei-o até a porta e antes de sair me deu um outro beijo e disse : quero mais se você também quiser. Sim , já sabemos como nos encontrar. Foi o primeiro de uma série de fodas espetaculares.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/picaerola



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

18/12/2016 22:20:34 - tesão de conto... pedreiros são mesmo uma tentação.

27/11/2016 18:04:30 - Hum quero um pedreiro deste ameiseu conto. bjs..

27/11/2016 18:03:31 - Hummm quero um pedreiro deste. delicia de conto amei. abraços..

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente