Já é assinante?
Esqueci a senha

 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Sexo Anonimo: Encontrando na net

É já um fato acontecido a algum tempo atrás. Hoje tenho 59a, e na época, tinha 52. Morava no interior do Estado (hoje moro em S. Paulo), 1,92cm de altura, 93kg, cabelos curtos e grisalhos. Sempre entro com o Nick referindo minha idade. Às vezes, quando entro só com o nome, começo a teclar e depois que falo a idade, o cara desiste. Melhor então saber desde o início que sou coroa, cinqüentão e tenho cabelos grisalhos.

E isso tem sido muito bom. Muitos caras novos já entram perguntando se eu curto "caras mais novos". Claro. E é assim que tenho encontrado bons parceiros, cada um melhor que o outro.

Quero relatar um desses encontros e, por razões óbvias, os nomes não são verdadeiros (mesmo porque não sei se eles também me disseram o nome real ou os conheci apenas com o nome virtual).

Dias atrás, entrei com o meu nick "Ksado50tão x hATV". Apenas entrei e já veio um convite de um que dizia "boy ker maduro". Loiro, olhos azuis, 27anos, 1,89cm, 73kg. Tudo de bom. Começamos a teclar e sempre as perguntas básicas e tradicionais. Não tem outro jeito pra gente se conhecer. Depois de algum tempo, ele me pergunta se eu quero ir até a sua casa, pois morando sozinho ele podia me receber. No início fiquei temeroso, mas a vontade e o tesão falaram mais alto e eu fui. E não me arrependi.

Além de corresponder com a descrição, ele ao vivo e a cores era de deixar o queixo caído. Muito bonito e muito safado.

Já fui recebido com um beijo. Um abraço forte de mãos passando de cima em baixo. Aquelas mãos gostosas e ousadas me apalpando o traseiro, enquanto sua língua percorria meu pescoço, minha boca... já me esperava na porta do apartamento de cueca, com o cacete estourando a cueca e aquele sorriso que de anjo só tinha aparência. Foi um beijo demorado e molhado.

Enquanto me beijava, suas mãos percorrendo meu corpo, iam me despindo, vagarosamente, me deixando cada vez mais à vontade e com vontade, pois o fogo ali aumentava a cada instante. Não conseguia resistir aos seus beijos, e sem que eu percebesse, estava ali nu, envolvido nos seus braços, ávido de beijo, de carinho, de tudo. Foi quando ele me deixou deitado e trouxe para os meus lábios aquele cacete grande (20cm), grosso, reto, branquinho e todo babado. Caí de boca (ou melhor, já estava caído, rsrs). Mamei aquele cacete como alguém que na sequidão do verão, leva um sorvete aos lábios e se lambuza inteiro. Chupava com gosto e ele só gemia, pedindo pra não parar. Enterrava tudo na minha garganta mas não tinha como resisti àquela delícia toda. Era muito gostoso. Minha saliva se misturando com a sua porra.

Ele veio me beijou novamente. Sugou dos meus lábios, a porra do seu cacete, e com uma habilidade incrível, a levou até meu cu. Me fez ficar de bruços e foi a vez dele enguli meu cu em um cunete como nunca eu tinha sentido. Eu só gemia e comecei a pedir que ele me comesse logo. Mas o cara era safado demais. Sabia provocar, sabia excitar... Aliás, excitação já estava me fazendo subir pelas paredes. Isso se eu conseguisse sair debaixo da sua língua. Me chupou, me lambuzou. Ficou assim um bom tempo. Eu já não tinha noção de tempo, de hora. Eu chupando seu cacete numa hora, ele comendo meu cu com sua língua. Eu quase explodindo num gozo de prazer. E ele aí demonstrando serviço E DE QUALIDADE.

Ele também já não se agüentava. Encapou seu cacete, lubrificou meu cu com KY e deitou-se de barriga pra cima. Mandou eu sentar. Era grande e grosso. Mas depois de tanto tesão, foi uma sentada só. O trem entrou de uma vez só. Vi estrelas e quase que tirei aquilo de dentro de mim. Mas, mais uma vez ele soube conduzir a situação. Me pegou num abraço forte, me beijou a ponto de quase não me deixar respirar, até que eu me acostumasse com aquela ferramenta toda dentro de mim.

Passado o primeiro momento, nos seu braços, ele me virou deixando seu pau dentro do meu cu e me deixou de frango assado. Foi metendo devagarzinho, no movimento de vai e vem. Aos poucos foi acelerando e eu sem nem poder pegar no meu cacete pra não gozar, já todo melado também. E aquele movimento que no começo doía pra caralho (ou melhor, o caralho doía bastante em mim!), aos poucos foi virando prazer e aumentando tesão. E ele bombando. Seus gemidos sempre crescendo, sua respiração acelerada e de repente, ele tira seu cacete do meu cu, tira o preservativo e põe na minha boca. Aquele cheiro de sexo me deixou louco e eu mamei com mais vontade ainda. Só senti aquela esporrada na minha garganta. Ele gozou sem tirar seu pau da minha boca. E o que eu nunca tinha feito, acabei fazendo: aquela porra tão cheirosa, tão gostosa, acabou que eu a engoli toda. Boa demais.

Gozamos juntos. Enquanto ele gozava na minha boca, eu gozava me punhetando.

Depois do gozo, o abraço dos nossos corpos suados, o beijo de tesão com gosto de gozo e nós dois completamente "untados" de porra. Ficamos assim um bom tempo, abraçados um ao outro, deitados, contando nossas histórias.

Já nos vimos mais três vezes. E em todas elas sempre muito tesão. Mas o que eu digo e afirmo é que foi bom, muito bom, bom mesmo.

Ao me despedir, ele me perguntou se eu tinha alguma fantasia. Bem, depois de tudo isso, que fantasia continua irrealizada? Mas mesmo assim, tenho uma: deixar acontecer tudo isso que aconteceu só que com dois. Ele disse que vai providenciar. Enquanto isso espero alguém. Quem se habilita?

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente