Já é assinante?
Esqueci a senha

 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Sexo Anonimo: Travesti no cinema

Cheguei ao cinema pornô, estava doido para dar o meu rabinho, queria um homem qualquer, pois não estava disposto a gastar dinheiro. Os travestis cobravam. Logo vi um branquinho que se masturbava atrás de uma cortina, pus o meu pau para fora e fui tocar uma ao seu lado, senti que ele gostou, então desci a minha mão e comecei a punhetá-lo e ele fez o mesmo, agarrou meu pau. Não me contive, ajoelhei e pus aquele caralho enorme na boca e comecei a chupar, mas não passou disso.

Fui para outro canto, quando vi uma travesti negra, com um belo corpo, ela perguntou se queria fazer um programa, disse que sim e pulamos um portão que estava fechado no segundo andar e fomos para um lugar muito escuro, mal nos podíamos ver. Tiramos a roupa, ela se masturbava e eu também. passei a me masturbar com uma mão e a ela com outra. Seu pau era enorme, uns 22cm e grosso, também torto para a esquerda, exalava um cheiro forte de porra, na certa já tinha gozado antes.

Beijei-a na boca, enquanto segurava aquela piroca enorme, se pudesse cortaria e levaria para brincar quando tivesse vontade. A coisa foi crescendo na minha mão e já estava completamente duro. Ela colocou a camisinha e passou um creme geladinho no meu cu, me pôs de quatro e foi forçando a entrada daquele mostro no meu rabinho, senti ele entrando acompanhado de uma dor forte, não aguentei e o tirei, relaxando meu rabinho para recebê-lo novamente e assim o fiz, apesar da dor procurei aguentar e fui até onde dava.

Dei um passo para frente, aliviando o meu cu daquela pica enorme, sentei numa cadeira que estava no local e pus a pica dela na boca, sugando-a como se fosse um sorvete, ela passou a bater no meu rosto com a sua piroca e a acariciar os meus lábios com a sua cabecinha. Confesso que estava bastante excitado, levantei e virei minha bunda para ela que não pensou duas veze, acapou o pinto e penetrou sem do o meu cuzinho cedento por prazer. Ela estocou forte, fazendo com que o meu tezão aumentasse. Rebolei naquele caralho duro dentro de mim, no que levei a travesti a loucura e depois de um urro, ela encheu a camisinha de porra.

A fiz sentar na cadeira, sem tirar seu pau de dentro do meu cu e fiquei ali sentindo aquela rola grossa, enquanto me masturbava. O resultado que gozei como nunca, levantei, tirei a camisinha com caralho dela e caí de boca, sugando as últimas gotas daquela porra deliciosa e sentindo aquele gosto maravilhoso de esperma.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/não



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente