Já é assinante?
Esqueci a senha

 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Sexo Anonimo: Encontro no desencontro

Hoje ocorreu uma coisa muito constrangedora, atrapalhada e tesuda ao mesmo tempo, marquei com um coroa que já relatei nosso encontro aqui, onde ele me comeu depois de nos encontrarmos no banheiro do shopping, isso tem uns 7 meses, e como não teria muito pra fazer e tinha de ir buscar uma encomenda próximo dele, liguei marcado nosso café, ele escolheu o local e a hora para isso, dizendo que teria de ser algo muito rápido pois estamos em Dezembro e que não poderia parar nem um instante.

Tomei aquela ducha, lavei tudo mesmo, raspei os pelos ao redor do anel até o saco, passei um talco e um creme da mulher para ficar bem gostoso, já que ele adora lambeu um cú, separei uma calcinha bem safada e na hora de sair, decidi ir com ela no corpo, para dar mais tesão, cheguei uns 15 minutos antes e tomei o meu café bem tranquilo, sou muito observador e cabei filmando todos que estavam na cafeteria, ao passar o olho de pessoa em pessoa, notei um senhor, bem moreno com um sorriso no rosto me olhando, ao cruzar os olhares, curvei a cabeça como o cumprimentando, algo que fui retribuído, mas continuei minha filmagem de identificação territorial, quando c deu a hora marcada, me virei para a entrada esperando meu coroa, que para minha decepção não veio e mandou um recado dizendo que teríamos de remarcar, meu semblante mudou na hora, frustração total! Mas continuei tomando meu café e fiquei um pouco mais por ali.

Quando fui pagar a conta, fiquei na fila esperando minha vez, o senhor moreno chegou e encostou em mim, sei que propositalmente, mas não comentei nada sobre isso, olhei pra ele e logo recebi um pedido de desculpas, mas o sorriso continuava no rosto, falei que não tinha problema e me virei novamente, ele então perguntou se eu o conhecia, olhei novamente para ele, olho no olho e não o conheci, perguntou várias coisas e só tinha água como resultado, então desistiu e confirmou que deveria ser uma coincidência enorme, o caixa chamou o próximo e acabou que ficamos frente a frente nos caixas, olhei novamente para ele e tentei achar de onde poderíamos ter nos encontrados, mas nada vinha a mente, quando cheguei na porta e olhei para todos mos lados, sem saber o que fazer ou se voltaria para casa, ele colocou a mão na minha cintura e pediu licença, ao me desviar para o lado ele me deu um apertão e disse que foi um prazer ter falado comigo, então falei pra ele meu nome e ele parou, estendeu a mão novamente e disse PC, Paulo Cesar ainda com seu sorriso no rosto.

O PC perguntou se eu queria sair para outro lugar e perguntei para onde seria, então ele falou bem baixinho, que estava cheio de tesão por mim, pois era tarado por branquelo grisalho, surpreso com o descaramento dele, falei na mesma altura da sacanagem, e eu num moreno sorriso, ele riu e falou que estava fechando seu escritório e que teria a tarde toda para me conhecer, brinquei que já nos conhecíamos e que só faltava o prazer agora, ele me deu um tapinha na bunda no meio da rua e foi caminhando, olhou para trás e disse para ir com ele, seguimos por dois quarteirões e ele falou que me viu descer o frescão e completou que foi tesão a primeira vista, como ele estava saindo para tomar seu café, decidiu ir atrás de mim e ficou esperando uma oportunidade de chegar preto. Chegamos no prédio, ele pegou uma papelada com o porteiro e subimos pelas escadas, pois o seu escritório seria no primeiro andar.

Ao abrir a porta ele pediu para eu entrar e ficar a vontade, fui entrando e já achando o seu escritório bem legal, um sofá na sala e uma mesa da secretária, ele entrou e foi logo tirando a blusa e deixando seu peitoral todo de fora, uma barriga tratada e nenhum pelo no peito, ao sacudir a camisa para colocar nas costas da cadeira pude sentir seu perfume, ele veio em minha direção, colocou a mão na minha cintura e apertou, colocando sua língua no meu pescoço, fiquei todo arrepiado, PC logo foi falando que sabia que eu era hum macho diferente, aquele que come a mulher mas gosta de ser tratado como uma fêmea por outro macho, foi passando sua mão grande no meu corpo e tirando arrepios de mim, tirou minha camisa, abriu minha calça e desceu bem devagar, quando ele viu a calcinha, seu sorriso agora foi bem diferente, sua atitude mudou, sua tara aflorou de uma forma assustadora, foi mordendo minhas coxas, apertando meu peito, segurou minha bunda com uma das mãos e apertou bem forte, e disse no meu ouvido que iria me arrombar.

Tirou tudo me deixando só de calcinha, pediu para eu dar uma caminhada e quando retornei em sua direção, ele já estava completamente pelado, liso e com um braço duro entra as pernas, que pica linda, cabeçuda e com uma inclinação pro alto toda reta, sem veias. Pediu para eu ir até ele e mamar como um bezerro, nem pensei em recusar, abri a boca e fiz com muito gosto, ele era todo cheiroso, liso, uma pele gostosa, na primeira chupada senti um liquido viscoso na boca, quando tirei a cabeça da boca notei que ele não parava de babar, fiquei com a ponta da língua badalando cada gota do seu pau, ele suspirava e pedia para o engolir todo, era impossível, mas até onde dava eu fazia com tesão, segurei em sua bunda e fiquei parado para ele fazer os movimento de entra e sai na minha boca, meus dentes machucavam seu pau delicioso, então ele pediu para eu ficar de quatro no sofá para ele lamber muito meu rabo. Na posição desejada ele só tirou a calcinha com um dos dedos para o lado e cheirou meu rabo e lambeu, cada linguada eu tremia e o cú piscava de tesão, ele tinha uma língua grossa, grande e áspera, babou muito meu rabo, segurou meu saco e colocou na boca para chupar, machucou um pouco, mas o tesão era maior, ficou de pé atrás de mim e passou a alisar meu rego com sua geba, eu não aguentei mais e comecei a gozar só de sentir seu pau passando na minha portinha, ele colocou a camisola e com uma bisnaga de KY lambuzou todo meu cú, quando a cabeça encostou na entrada e fez a primeira pressão, eu dei um jato de gozo longe, ele forçou mais um pouco e meu cú agasalhos sua cabeçona, cada latejo da cabeça do seu mastro no meu cú era um jato de porra que dava, aos poucos foi enterrando e alargando meu rabo, era uma pressão tão grande que não sabia se já estava tudo dentro ou se ainda tinha alguma coisa para entrar, ele parou, apertou minha bunda, deus uns tapinhas, quando tive o controle do rego novamente, comecei a contrair o cú simulando mordidas no seu pau, ele gemeu, seu caralho dilatou, então segurando forte minha nádegas começou a tirar e empurrar com vontade e acelerado, foi uma explosão de tesão e gemidos, que coroa tesudo este, tudo isso só com a calcinha pera o lado.

Depois de nos repormos, descemos, ele falou que sempre estaria de portas abertas para me receber, fomos para o ponto e quando chegamos lá o meu amigo estava no ponto esperando seu busão, nos falamos, apresentei o PC pra ele e ainda ficamos falando por dois ônibus que passaram e combinamos de trepar os três juntos ainda antes do fim de ano!

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/decalcinharj



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente