Já é assinante?
Esqueci a senha

 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Sexo Anonimo: Velhão, mas competente!

Meu irmão mais velho ficou noivo com uma gata linda, e passou a traze-la para casa, e passavam a noite no quarto dele, em casa somos eu e meu irmão e meus pais, e cada um tem seu quarto, porém, meus pais, para facilitar a vida do novo casal, resolveu criar uma suite no quarto dele.

Contrataram um velho conhecido nosso, já havia feito varias reformas e pinturas em casa, com data marcada ele começou a trabalhar.

Estava em férias da escola, ultimo ano do colégio, me preparando para vestibular, queria descansar para a nova maratona de aulas e reforços para os exames de vestibular, pois, queria entrar em uma faculdade federal, e a concorrência sempre é muito alta.

Marcado o dia do começo da reforma, o Sr João, apareceu logo cedo, estava tomando café, o pessoal já havia saído para o trabalho, estava sozinho em casa.

Ele chegou meio cabisbaixo, começamos a conversar, e ele comentou que estava há 2 anos viúvo, e não tinha coragem de procurar outra pessoa pois já estava com 65 anos, não tinha mais vontade de novas relações.

Tentei confortá-lo, e fui para meu quarto, tomei banho, e fiquei procurando alguma coisa na internet e achei alguns videos porno, estava assistindo, me deu um tesão e comecei a bater uma punheta.

Não tinha percebido mas a porta do meu quarto ficou entreaberta, e levei um susto quando vi o Sr João olhando pela fresta, puxei um travesseiro para esconder meu pau, e ele entrou.

Assim que entrou fez o comentário que também gostava de bater punheta, pois, estava sozinho a muito tempo,puxou o travesseiro que me cobria e olhando para meu pau fez um comentário meio jocoso, pois, o dele apesar de 65 anos era maior e mais grosso, meio que sorrindo.

Respondi que aos 16 anos o meu ainda ia crescer e ficar mais grosso também, ele concordou, abaixando as calças tipo macacão com elástico na cintura, e pude ver realmente uma tora, muito grosso parecia um pau dobrado de tamanho, cheio de pentelhos, parecia um matagal.

Diferente de mim que sou totalmente depilado, como faço natação, a maioria dos colegas depilam totalmente, inclusive o anus.

Fez novo comentário sobre estar "pelado", homem não depila, só mulher...

Mas me impressionou seu pau, fiquei olhando meio hipnotizado, ele com um sorriso maroto se aproximou mais ainda puxou minha mão, dizendo que eu sentisse como era duro seu pau, na verdade uma rocha.

Sempre pensei que nessa idade o homem não tinha mais tesão e seu pau não ficaria duro sem medicação para essa finalidade.

Estava com seu pau na mão, comecei a punhetar, ele tirou a camisa, depois a calça, e ficou nu, assim como eu estava, aproximei minha cabeça, senti seu cheiro, depois boca naquela tora, e mamei gostoso, minha boca ficou escancarada para abocanhar aquela cabeça, escura, cheio de veias e com a cabeça descoberta.

Senti que ele se estremeceu de prazer, levantou meu tronco da cama, me colocando de quatro, cuspiu do pau e no meu cu, e encostou a cabeça, eu tinha a certeza que não entraria, nunca tinha sido comido, nem de moleque fiz troca troca com os amigos, mas ele queria me comer.

Sem qualquer delicadeza forçou a entrada, não deu, me fez deitar e deitou sobre mim, com suas pernas abriu minhas pernas, colocou um travesseiro sob minha barriga fazendo empinar minha bunda, e deitou sobre ela, com se peso, e sua vontade, entrou a cabeça, nossa que dor horrível, tentei sair, mas não conseguia, ele era muito pesado para minha força, por sorte ele gozou quase de imediato, encheu meu cu de porra.

Levantou, colocou sua roupa, e saiu, sem uma única palavra. No meio do dia ele almoçou descansou um pouco no quarto que estava fazendo a reforma, e no final da tarde foi embora.

No dia seguinte, novamente chegou quando estava no café da manhã, me cumprimentou, foi para seu trabalho, e eu para meu quarto, desta vez fechei a porta, mas logo a seguir ele bateu, levantei e fui ver o que queria, ele estava com um pote de vaselina na mão, e perguntou se eu queria usar.

Não havia romance, era sexo pelo sexo, deixei que entrasse, ele foi tirando a roupa, já estava de pau duro, lambrecou o pau inteiro de vaselina, me colocou novamente de quatro na cama, com as pernas abertas, besuntou a entrada do meu cu com vaselina, enfiou o dedo cheio de vaselina e puxou meu corpo contra o dele.

Nossa entrou quase todo de uma única vez, não tinha a menor gentileza, ele queria somente gozar, coloquei minha mão por baixo do meu corpo, e senti que o pau estava quase totalmente dentro de mim, e ele começou a bombar, e cada vez entrava mais, tamanha era a quantidade de vaselina que tinha colocado no pau, e a dor era imensa, estava me esgarçando, me arrombando, sentia dor mas havia prazer também.

Gozou muito, encheu meu cu de porra, novamente se vestiu e saiu do quarto, e eu fiquei ali arrombado, coloquei a mão no cu estava aberto, e escorrendo seu líquido, tive a impressão de que nunca iria mais fechar.

No final da tarde quando foi embora, me perguntou sem rodeios... quer que eu traga novante a vaselina amanhã? Eu simplesmente acenei com a cabeça que sim, não queria perder a oportunidade da experiência que tive com o sr João, pois, sei que quando ele acabasse a reforma não mais teria essa oportunidade de ser comido por um cara do porte dele.

Levou mais tempo que o combinado, acho que propositadamente, e todos os dias, de manhã, ele estava em pé com o pode de vaselina na mão, na porta do meu quarto, sempre com um sorriso malicioso, de eu quero mais... Nunca tinha sentido essa sensação, me senti como uma garota que despertasse tesão em um macho maduro e viril.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/sim



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente