Já é assinante?
Esqueci a senha
 Contos Eróticos

Quer receber contos eróticos diariamente no seu email? É grátis!

Sexo Anonimo: Senti aquela geba enorme e grossa molhadinha de saliva me invadindo

Sou um cara discreto, porém safado, descarado e cara de pau mesmo quando estou a fim. Essa foda rolou num jogo da Copa em Porto Alegre entre Alemanha e Argélia. Mesmo sem ingresso fui prestigiar e fiquei em volta do Beira Rio tomando uma cerva e assistindo ao jogo pela TV.

Terminado o jogo foi aquele burburinho de gringos pra tudo quanto é lado, principalmente os alemães estavam eufóricos comemorando a vitória. Eu então resolvi dar uma andada, estava meio entediado. Na real, estava a fim de um sexo. Caminhei umas quadras e avistei um cara alto, estilo meio largadão carregando com dificuldade umas caixas grandes de isopor, aparentemente pesadas. Então gritei se precisava de ajuda. Me olhou e balançou a cabeça em sinal afirmativo e falou um monte de palavras que depois descobri ser em alemão, o qual eu não entendo absolutamente nada. Mas pra minha sorte ele arranhava um pouco de Inglês.

Logo começamos bater papo enquanto carregávamos as caixas. Hayne, 36 anos, em forma, comerciante natural de Stuttgart me agradeceu pela ajuda e me contava que ia para o motorhome que ficou estacionado próximo ao Rio Guaiba. Muito receptivo me convida para entrar no carro e tomar mais uma cerveja com ele e conversar. Aceitei na hora e já fiquei animado. No trajeto me contou um pouco sobre sua vida e de seus amigos e que, apesar de gostar muito de futebol, era sua primeira Copa ao vivo, pois não assistiu a do seu país em 2006 quando a Itália sagrou-se campeã. Aproveitei e sorrindo, disse a ele que também gosto muito de futebol, mas que naquele dia em especial eu estava interessado mesmo era em conhecer um macho estrangeiro interessante e safado pra uma boa trepada, e que ele tinha me chamado muito a atenção e por isso decido ajudá-lo.

Hayne me abriu um sorriso de canto de boca e com os olhos meio arregalados percebi que já levou a mão no pau, apertando por cima da calça. Então levei a mão nele e senti o volume, tirei o meu pra fora e bati uma punha enquanto ele olhava discretamente e dirigia. Chegamos ao motorhome e imediatamente fechamos as cortinas assim que entramos. Estava bagunçado, com roupas de cama jogadas, porém era amplo, com um teto alto e bancos reclináveis que viravam confortáveis camas. Deitei-o e fui puxando as calças enquanto já caí de boca com vontade na linda vara mole e rosada dele, já que sou mamador profissa. Fiz ele se contorcer de tanto tesão e o cacete ficou logo duraço feito rocha. Abocanhei todo de uma só vez, sugando do tronco até a cabeça, num vai e vem e lambiscando em volta. O alemão safado era coxudo e sacudo, com pentelhos ralos e louros e o pau era roliço, longo, grosso, macio, carnudo, tesudo e delicioso. Sentia ele latejando no fundo da minha garganta.

Enquanto eu me desfazia das minhas roupas ele tirou a roupa de cima, quando pude ver todo o corpo dele: tinha um peitoral com poucos pelos e definido porém não saradão. Um corpo demais! Não resisti e lambi todo ele, ao que Hayne enlouquecido de tesão me puxa a cabeça e me taca um beijo quente e demorado na boca. Mais logo já desci de novo.

"-Chupa como ninguém, diz ele. Agora vira a bunda que quero te chupar também." Virei de bruços com um travesseiro embaixo e ele lambeu gostoso meu cuzinho, percebi que era experiente na arte. Meteu o dedo na entradinha e forçou pra abrir caminho, depois me virei novamente e ele deu uma mamada no meu pau também. Mas me disse que ficou louco por minha bundinha e que ficou a fim mesmo é de me arregaçar. Senti aquela geba enorme e grossa molhadinha de saliva me invadindo.

"-Rabinho gostoso, apertado e guloso, dizia o safado". Percebi que empurrava até o fundo com certa dificuldade enquanto gemia alucinado. Socou com força, tirava todo fora e metia de novo, só sentia aquelas batidas lá no fundo e sua respiração ofegante. Me disse que tava se segurando pra não gozar de tanto prazer. Troquei de posição: dei de franguinho, de quatro e com o rabo arrebitado pra cima, delícia de foda.

Depois de cerca de uma hora fodendo, gozamos gostoso numa troca de carícias e uma felação gostosa. Ele tinha pressa, por medo que os amigos retornassem logo, já que haviam se desencontrado na saída do estádio. No outro dia, a pedido dele, fui de guia acompanhá-los até Nova petrópolis, maior colônia alemã aqui do RS que eles queriam conhecer.

Nunca vou esquecer da trepada gostosa com esse gringo delicioso e safado, espero que volte outras vezes ao Brasil me visitar. Descobri que os alemães batem um bolão mesmo, dentro e fora de campo. Não é à toa que levaram a Copa.

Entre em contato com o autor: http://disponivel.com/Semcensurars



COMPARTILHE ESSA HISTÓRIA COM SEUS AMIGOS

24/01/2016 19:52:21 - Sim. Os alemães tem caralhos enoooooormes. Eu que o diga. Ja fui enrabado por dezenas deles.Ja peguei alemão com 23 cm de pica! E como sao grossas e cabeçudas. Os turcos também sao bons de pica e existe uma colônia turca muito grande em Berlim.

Deixe seu comentário, o autor do conto será avisado!
Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentários sobre o conto!

Seu email (não será divulgado)


Seu comentário

Aceito receber contos eróticos no meu email gratuitamente