Contos Eróticos

#OUTROS Ao mestre, com carinho

Há uns 4 anos, após um divórcio amigável, vendemos nosso apartamento para que pudéssemos reiniciar nossas vidas. Como ela precisava de uma parte maior para adquirir novo imóvel, acabei ficando com a kit que tínhamos na Cidade Ocian.

Passei a ir todos os fim de semana para a praia, e para facilitar o deslocamento para praia, optei por procurar um imóvel próximo a estação Jabaquara onde há uma série de apartamentos pequenos e preço acessível. Depois de muita procura, acabei adquirindo um apartamento num prédio pequeno, de 3 andares, sem elevador. Bem maior que eu desejava, mas o estado do imóvel e o preço compensava.

Continuei com a rotina de ir todos os fim de semana para a praia, mesmo que o tempo não estivesse bom. Retornava bem cedo na 2ª Feira para SP e foi quando comecei a ter mais contato com os usuário habituais do ônibus. Logo fiz amizade com um rapaz de 32 anos, que morava na baixada e fazia essa maratona de subir e descer todos os dias. Reclamou que em algumas situações era bem complicado, ou em função do trânsito ou da estrada (neblina).

Foi quando sugeri que ficasse com meu numero e, havendo qualquer problema, poderia pernoitar no meu apartamento em SP. E não foi surpresa quando depois de uma semana, ele passou mensagem perguntando se o convite estaria valendo pois teria um evento em SP, mas só poderia ficar se tivesse local para pernoitar. Respondi que não teria problemas, passei endereço, e como não há porteiro, para me chamar pelo interfone e/ou celular.

Fui deitar e um pouco antes da meia noite ele chamou no interfone. Abri a porta e ele subiu para o apartamento. Conversamos um pouco, mostrei o meu apartamento e o quarto onde ele iria dormir e forneci toalha para tomar banho. Ele perguntou se teria problemas usar a área de serviço, pois precisaria lavar a cueca. Respondi que não teria problema e mostrei os produtos de limpeza. Demos boa noite, ele foi para o banheiro e eu deitar. Já estava cochilando quando me toquei que nem ofereci nada para ele comer/beber.

Levantei e percebi que ele estava na área de serviço. Fui até la e ele estava peladinho lavando a cueca. Aquela imagem de um homem pelado, com uma bunda linda e durinha, coxas maravilhosas, lavando cueca no meu apartamento, me deixou com um tesão que eu nunca havia sentido antes. Para que não percebesse meu estado de tesão, disse que caso tivesse fome ou sede, que tinha algumas coisas na geladeira.

Ele virou sorridente e respondeu que estava tudo tranquilo, só iria acabar de lavar a cueca e já iria deitar. Não pude deixar de reparar no pau dele que dava sinal que tinha sido bem usado naquela noite.  Fui deitar com aquela imagem linda, tinha bunda lisinha e bastante pelos no pau, e comecei a me questionar da loucura que estava cometendo. Nem sabia direito quem ele era e estava com ele pelado na minha área de serviço.

Dormi um pouco receoso mas com muito tesão. Logo pela manhã, fiz café e ele apareceu na porta da cozinha já vestido e dizendo que só iria tomar um gole de café e ir trabalhar, mas deixaria a cueca dele no varal pois ainda estava úmida. Fiquei imaginando aquele homem gostoso indo trabalhar sem nada por baixo e esse pensamento ficou comigo o dia inteiro. Não nos falamos mais durante a semana. No fim de semana, como de costume, fui para o litoral e na 2ª Feira cedo encontro com ele no ônibus.

Viemos juntos no mesmo banco e ele se desculpou pela falta de contato e disse que precisa passar no meu apartamento para buscar a cueca dele. Brincou e perguntou se eu tinha usado. Percebi que era brincadeira e respondi que vontade não faltou mas que não usei. Sem avisar nada, na mesma 2ª Feira no final da tarde o interfone toca. Ao atender, ele se identificou e foi quando pedi para que subisse. Eu estava somente de calção mas abri a porta assim mesmo para que ele entrasse. Sem a menor cerimonia, me abraçou forte, como se não tivesse me visto há tempos e perguntou se podia tomar um banho pois estava suado.

Respondi que sim, que iria pegar uma toalha. Ele já foi para o banheiro e quando fui levar a toalha, ele estava todo pelado e disse que iria colocar a cueca limpa. Fui busca-la e quando retornei, ele estava no box tomando banho e começou a conversar. Fiquei um tempo ali e, quando disse que iria preparar alguma coisa para comermos, ele respondeu que já tinha tomado lanche e saiu do box se enxugando. Reparei que estava com o pau duro e fui ficando excitado. Em seguida, disse para irmos para meu quarto, para ele acabar de se enxugar. Sem o menor constrangimento sentou na minha cama, e começou a enxugar dedo por dedo dos pés. Depois se levantou e enxugou saco e bunda. Nessa altura eu não conseguia mais disfarçar meu tesão. Ele deu risada e perguntou do que eu mais tinha gostado nele? Fingi que não entendi, e respondi que curtia o jeito despojado dele.

Com um sorriso lindo, disse que não era disso que estava falando, se tinha curtido a bunda ou o pau dele. Estava totalmente inibido e respondi que ele era um rapaz bonito, sorriso, corpo. Ele insistiu, bunda ou pau? Disse que os dois eram bonitos. Ele veio até mim, me abraçou e disse que eu poderia tocar em tudo e decidir. Sem saber muito bem o que fazer, optei por acariciar a bunda dele. Ele começou a me beijar o pescoço, alisar minhas costas, meu peito e disse que adorava coroa com peito peludo.

Deitou na cama e pediu para eu deitar também. Me abraçava, beijava, me chupava todinho. Sempre sorridente, dizia que eu era totalmente inexperiente, Para que eu me desinibisse, que iria adorar tudo o que iria rolar entre nós. Fui me soltando, ele pedia para beijá-lo, acariciá-lo, começou a chupar meu pau, depois se virou e disse para eu fazer o mesmo nele, para fazer o mesmo que ele fizesse em mim. Adorei a forma como ele sugava a cabeça do meu pau e comecei a fazer o mesmo no pau dele.  Ele gemia e dizia que era assim mesmo, que eu era um ótimo aluno.

Nos mamamos muito e ele disse que iria encher minha boca de leite e que eu deveria manter toda a porra na minha boca, pois ele iria querer para ele aquele leite todo. Quando ele começou a gozar na minha boca, não resisti e gozei também. Ele tomou todo meu leite, limpou todinho meu pau e pediu para eu jogar toda a porra dele, que estava na minha boca no peito lisinho dele. Depois que cuspi a porra no peito dele, me beijou e pediu para que lambesse a porra que estava no peito dele e fosse colocando na boca dele. Fiz sem pensar, lambia o peito dele e o beijava liberando tudo na boca dele. Adorei sentir aqueles mamilos dele durinho de tesão.

Sem esperar, ele se levantou e disse que iria tomar outro banho pois precisava descer para o litoral. Claro que fui até o banheiro, mas agora ele tinha trancado a porta. Apareceu peladinho e pediu a cueca limpa. Se vestiu e, antes de ir embora, disse que estava deixando a outra cueca melada. Para eu dormir com ela e depois lavá-la direitinho que depois viria buscar. Mal ele saiu, já peguei e coloquei a cueca que deixou toda melada. Novo tesão, mesmo com a cueca sendo apertada para mim. Gozei novamente. No dia seguinte, antes de ir trabalhar, lavei a cueca e deixei secando, esperando que viesse buscar, mas ele não apareceu durante a semana inteira.

Fiquei na expectativa de encontrá-lo na próxima 2ª Feira cedo no retorno a SP, o que também não ocorreu. Tinha receio de enviar mensagem e ele se aborrecer. Na 5ª Feira da semana seguinte, sem que esperasse, eis que ele ressurge. O mesmo esquema, entra no apartamento, sem cerimonia alguma pede toalha, toma banho,  vai para o quarto e diz que a lição hoje será outra, mas que eu teria que fazer algo antes.

Fiquei preocupado mas ele me levou para meu banheiro e pediu para colocar a mangueira do chuveiro no cuzinho, iria aprender a fazer a chuca. Confesso que foi bem incomodo mas enquanto não ficou como ele queria, tive que continuar fazendo. Voltamos para a cama e ele pediu para eu prestar bastante atenção, de como ele iria cuidar de mim, da próxima vez eu teria que fazer nele.

Me deixou de bruços, colocou aquela vara durona e quente na minha bundinha, chupando e beijando meu pescoço, pedia para eu abrir o cuzinho como se fosse evacuar. A cabeça do pau dele foi entrando, e estava muito dolorido, ele dizia que era assim mesmo na 1ª vez mas depois que eu acostumasse seria só prazer. Foi colando até entrar tudo. Estava doendo muito e pedia para que ele tirasse. Ele pedia para eu ficar quieto, que a dor já iria passar. Começou a socar devagarinho, e a dor foi passando. Quando percebeu que eu estava mais relaxado, perguntou se eu estava gostando. Respondi que sim e foi o bastante para animá-lo, e ele começar a socar mais forte. Depois me levou para a beirada da cama e começou a me fuder de frango assado, Disse para eu aprender direitinho que na próxima vez eu iria fazer nele.

Agora já não tinha mais nenhum receio, tirava e socava aquele pau delicioso no meu cú. Ele não queria que eu encostasse no meu pau, iria fazer eu gozar sem tocar no meu pau. Já não aguentava mais de tanto tesão, e foi quando ele deitou na cama, com aquele pau durasso e mandou eu sentar na vara dele. Não me fiz de rogado e já sentei. Sentia que o pau dele já entrava sem o menor esforço ou dor. Ele pediu para eu cavalgar, até gozar no peito dele. Não demorou muito e minha porra estava espirrando todinha nele. Ele mandou eu lamber a minha porra e colocar na boca dele. Adorava fazer isso nele. Conforme lambia e colocava na boca dele, ele não parava de gemer e, mandou eu enfiar a boca no pau dele. Encheu minha boca de porra. Ele sentou na cama e começou a me beijar e engolir toda porra dele que estava na minha boca.

Novamente, sem esperar, ele se levantou, foi para o banheiro, trancou a porta. Eu já estava me acostumando. Saiu, pediu a cueca limpa se vestiu, e antes de ir embora, a mesma recomendação. Dormir com a cueca suja dele e depois lavá-la que viria buscar. Dessa vez não coloquei a cueca dele pois estava com o cu ardendo de tanta vara que tinha levado. Sem tomar banho deitei e dormi. No dia seguinte, depois de cheirar bastante a cueca dele, lavei e iria ficar esperando vir buscar, mas já sabia que não tinha previsão alguma. No final da tarde, cheguei em casa e, como era 6ª Feira, comecei a me preparar para descer para o litoral. Para minha surpresa, ele toca o interfone. Pedi para subir e, ao abrir a porta, me deparo com ele e um amigo. Ele me apresentou o amigo e disse que estava dando uma passada para trocar de cueca. Fiquei constrangido em ele comentar isso em frente ao amigo, mas disse que tudo bem. Que eu estava me preparando para descer para o litoral. Sorridente como sempre, respondeu : Vamos ver.

Dessa vez pediu 2 toalhas, pois o amigo dele iria tomar banho também. Fiquei aborrecido pois tinha tomado a atitude sem me consultar. Imaginei que iria tomar banho primeiro, e depois o amigo iria. Enquanto o amigo tomasse banho, iriamos aproveitar para nos curtimos um pouco. Estava enganado. Ele e o amigo tiraram toda roupa e foram tomar banho juntos. Ele me chamou no banheiro e começou a conversar enquanto os dois tomavam banho, se ensaboavam, se alisavam. Fui sair do banheiro e ele pediu para eu ficar. Que adorava que eu ficasse olhando ele tomando banho.

O amigo dele não parava de enxaguar o pau dele, e se abaixou e começou a mamá-lo debaixo do chuveiro. Aquilo me deu um tesão do caralho, ver um garotão novinho mamando aquele rapaz lindo. Acabaram de tomar banho e foram para meu quarto, para acabar de se enxugarem. Ao ver aqueles 2 peladinhos na cama, o tesão tomou conta de mim, foi quando ele pediu para eu tirar a roupa e deitar que eu iria aprender outra lição. Deitei peladinho na cama e aquele moleque novinho começou a me mamar. Ele se deitou ao meu lado e começou a me beijar perguntando se o coroa dele estava gostando da putinha que ele tinha trazido. Claro que respondi que sim.

O moleque não parava de chupar meu pau, meu saco, e a pedido dele, ficou de 4 na cama. Começou a mamar o meu rapaz lindo e foi quando ele pediu para eu praticar tudo o que ele havia me ensinado na noite anterior. Comi o moleque de em todas posições, de 4, de bruços, frango assado. Então ele pediu para o moleque cavalgar no meu pau e chupá-lo. O moleque era mestre em servir. Quando meu rapaz começou a gozar, o moleque fez menção em tirar a boca e levou um tremendo tapa dele que disse que deveria engolir tudo. Assustei com a agressividade. Nunca tinha visto ele fazer isso. 

Depois que o moleque limpou todo pau dele, ele mandou o moleque sair de cima do meu pau e começou a bater punheta para mim. Quando percebeu que eu iria gozar, enfiou a boca e mamou todo leite. Depois de relaxarmos um pouco, mandou o moleque se trocar e ir embora.

Quando o moleque saiu, conversei com ele e perguntei porque tinha batido no rosto do guri. Respondeu que essas putinhas gostam de macho assim, e que essa noite eu iria aprender a cuidar da putinha dele. Realmente tivemos uma noite de muitos aprendizados. Nunca imaginei que ele curtisse tanto levar vara e levar tapas no rosto e na bunda.

Só fiquei preocupado no sábado quando estávamos indo para o litoral. Ele disse que eu era um excelente aluno, já tinha aprendido bastante coisas e que na próxima vez ele iria me ensinar a ser a putinha dele. Estou no maior receio dessa lição mas confesso que ansioso para aprender.

Gostaria de enviar o seu conto? Clique aqui!

Mais de #OUTROS
- Dando pra dois irmãos
- Depilação com meu filho
- Enfim transei com meu irmão
- Amigo do meu irmão
- O adolescente pauzudo
- Meu amigo Padre Pauzudo
- Fui fazer exame admissional e comi o médico
- Pedi açúcar a meu vizinha e ele me deu piroca
- Meu vizinho cara de mau
- Transando com o Pastor da Igreja

Gostou? Deixe seu comentário

Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentário sobre o conto!