Contos Eróticos

#SEXO ANONIMO Uma Noite Inesperada

Nunca saí com nenhum homem até a alguns dias atrás, para dizer a verdade nem pensava em algo assim, sempre fui hétero ou achava que era, foi na mudança de cidade, onde fiquei sem muito para fazer, não encontrei emprego logo como gostaria.

Minha esposa tão logo se colocou no mercado foi contratada, então com isso tinha o dia livre e a internet tornou-se meu passatempo quase integral, sempre gostei de fazer planilhas, mas 8 horas por dia e 5 dias por semana foi um tempo muito longo.

Foi aí meio sem jeito, que comecei a ver filmes, primeiro de casais héteros, e confesso, só quando passei a ver sexo entre homens, meu pau endurecia, ficava num tesão enorme, mas logo desligava e passava a ver as noticias e outras amenidades.

Mas, logo voltava a colocar em filmes pornos e fui ficando cada vez mais interessado, o que me deixou preocupado é que gostava de ver homens com suas toras, me identifiquei mesmo contra a vontade de ser o que dava o cu, ficava extasiado quando o macho simplesmente derrubava o puto na cama, e com a mão na sua boca, tirava suas calças e sem dó empurrava tudo, o tesão era enorme.

Foi um pulo passar de ver filmes de sexo, para tentar conversar com homens ativos, e mais rápido ainda à usar a câmera, queria ver o homem se tocando, batendo uma punheta, e quando chegava ao orgasmo, no começo eu só olhava, eu sempre de camiseta ou calção, mas quando um me pediu para tirar e mostrar meu corpo, estava tão excitado que tirei tudo e mostrei, meu peito, meu pau e minha bunda e dali em diante passei a ficar sempre nu, ligava o som, queria dizer a ele como era bonito aquele seu mastro, que queria estar com ele naquele momento, alisar, passar a língua e engolir todo, e se ele chegasse ao orgasmo, com certeza lamberia seu pau cheio de porra.

Já não duvidada de que gostava de ser a fêmea numa relação com outro homem, e dias depois conheci numa sala de bate papo o Alfeu, conversamos muito, ele era um homem alto, media 1,85 cm, grisalho, bastante pelos pelo corpo, mas estava em forma, fiquei atraído por ele, e com uma vontade imensa de estar nas suas mãos, mas não pensem que isso foi fácil, nem pensar, relutei muito, fiquei estressado, minha pressão subiu, os nervos ficaram a flor da pele, sabia que se concordasse em sair com ele, eu com certeza me tornaria veado de carteirinha.

E foi o que aconteceu, marcamos de nos encontrar numa quarta-feira, oito horas da noite numa lanchonete que ele conhecia, contra todas as probabilidades possíveis, eu me arrumei, tomei banho demorado, passei meu melhor perfume, me olhei no espelho, estava fazendo tudo isso por um homem que nem conhecia, algo não estava certo.

Cheguei na lanchonete as 19:45 da noite, não havia muita gente, um casal, dois rapazes conversando alegremente, e um homem sentado de costas, com uma postura que eu nunca tive, fui até ele e me apresentei, quando ele me deu a mão para cumprimentar, uma eletricidade passou e tudo se remexeu na minha mente, achei que ia desmaiar, ele se levantou, puxou minha cadeira e delicadamente me fez sentar, queria fugir dali, sumir num passe de mágica, mas não conseguia mexer um músculo, por baixo da mesa ele encostou sua perna na minha, fui me acalmando, quando me dei por conta o atendente tinha trazido meu refrigerante, bebi devagar sem tirar os olhos daquele homem, suas pernas encostadas nas minhas me deram um tesão enorme, até que decidimos sair dali.

Entramos na porta do nosso quarto de motel, ele tirou sua camisa, abriu seu cinto, eu ali parado olhando o mastro se enrijecer, me puxou de encontro a si, deu um beijo na minha nuca e me despiu, me levou até a cama, deitou e suas mãos levaram minha boca ao seu pênis, admirei por alguns décimos de segundos e comecei a passar a língua, lambi como se fosse um sorvete delicioso, coloquei o que deu na boca e chupei muito, quando me virou puxou minha cintura e levantou minha bunda, seu pau buscou meu cu, a partir dali perdi a noção do tempo, foram quase duas horas com ele me fazendo ser o que eu mais desejava, ser sua fêmea, acho que tive uns quinze orgasmos, não contei claro, mas que foram mais de dois foram. Virei sua puta por um longo tempo.

Entre em contato com o autor em: https://disponivel.uol.com.br/luisit2020

Gostaria de enviar o seu conto? Clique aqui!

Mais de #SEXO ANONIMO
- Dando o cu depois de casado
- Trepando com o caminhoneiro casado
- O pedreiro
- Ex-presidiário falou que eu ia chorar na rola imensa dele
- Fui menina pra ele
- Comi o filho da faxineira
- Ex-funcionário do meu pai me fez feliz pela primeira vez
- Exame de próstata com final feliz
- O velho da construção
- Padre ajoelhou, rezou e chupou

COMENTÁRIOS DE QUEM LEU!

Gostou? Deixe seu comentário

Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentário sobre o conto!