Contos Eróticos

#FETICHE O Léo gozou na minha boca

Aproveitei uma das poucas oportunidades que tenho (já que sou casado) e marquei de me encontrar novamente com o Léo, pois estava muito a fim de sentir aquela rola grossa arrombando meu cuzinho outra vez, falamos putaria pelo Skype durante a semana, e os dois estavam com muita vontade.

Encontrei com ele no horário e local combinado, e depois da pegação de costume, com beijos e passadas de mão, ele tirou a roupa e se sentou numa cadeira que reclina, ficando bem relaxado e deixando aquele pauzão lindo e grosso apontado para cima, e disse: Vem chupar seu macho, minha putinha, não precisou pedir duas vezes, fiquei de joelho entre as pernas dele e coloquei aquele pauzão na boca, descendo bem devagar e ouvindo seu suspiro, e comecei a chupar aquele pau grosso que dali a poucos minutos deveria estar todo dentro do meu cuzinho.

Mamei com gosto aquele pau, lambi ele todo, engoli o que deu, até engasgar, chupei suas bolas, lambi o cuzinho dele, punhetei ele mantendo aquela cabeçona dentro da minha boca, e quando percebi que os gemidos e suspiros aumentaram, peguei o lubrificante e lambuzei meu dedo indicador, que enfiei lentamente no cu dele enquanto o chupava, percebi que os suspiros aumentaram, então continuei chupando seu pau e enfiei o segundo, e dali a pouco o terceiro dedo no cu dele, todos bem lubrificados, eu tentava coordenar minha boca no pau com os dedos no cu dele, que entravam no seu cu em sincronia com minha boca que subia e descia.

Um ou dois minutos nessa putaria e ele tirou seu pau de uma vez da minha boca e disse: abre a boca que eu vou te dar leitinho, minha puta, quero ver você engolir minha porra!

Apesar de querer muito sentir aquele pau dentro do meu cu, não dá pra dizer não pra um pedido desses, abri bem a boca e ele veio punhetando aquele pauzão perto da minha boca, encostei minha boca no seu pau, como se desse um beijo, e deixei assim enquanto ele punhetava, bastaram poucos segundos para ele começar a gozar e encher minha boca de porra e encheu mesmo, foi muita porra que ele gozou, não gosto muito de porra na boca, mas o tesão falou mais alto e não deu pra recusar, assim que ele gozou, segurou no meu queixo, olhou nos meus olhos e disse: engole a porra do seu macho, minha putinha, engole que eu quero ver.

Abri a boca para ele ver aquele monte de porra lá dentro, respirei fundo e engoli uma golada daquela porra quente, mas ainda ficou um pouco, não dava pra engolir tudo em um gole só, então fiz sinal pra ele chegar mais perto e dei um grande e úmido beijo na boca dele, cuspindo de volta pra ele a porra que tinha sobrado, que ele também engoliu, e depois me deu um tapinha de leve no rosto, me chamando de puta safada!

Corri para o banheiro engasgando e com ânsia de vômito, porque tinha engolido muita porra, ele deu risada e disse para eu me acostumar, porque ainda iria beber muita porra dele. Espero que da próxima vez ele coloque essa porra toda dentro do meu cuzinho.

Entre em contato com o autor em: https://disponivel.uol.com.br/Casadobi

Gostaria de enviar o seu conto? Clique aqui!

Mais de #FETICHE
- Vizinho negão roludo tirou meu cabaço
- Vestindo a calcinha da minha esposa
- Sogro come genro
- Primeira vez numa sauna gay
- Primeira vez que fiz dupla penetração
- Macho me estuprou sem dó
- Minha mulher me fez comer outro cara
- Sobrinho no 10
- O segurança me segurou com força e meteu o pau
- Todo gay quer um bombeiro Hétero

COMENTÁRIOS DE QUEM LEU!

Gostou? Deixe seu comentário

Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentário sobre o conto!