Contos Eróticos

#SEXO ANONIMO Ex-presidiário falou que eu ia chorar na rola imensa dele

Há oito meses, estava voltando do trabalho por volta das 21:00. Estava fazendo o mesmo trajeto que sempre faço, ouvindo uma musiquinha pelo rádio bem tranquilo mesmo, quando de repente vejo um negro simplesmente maravilhoso andando em direção ao ponto de ônibus.

Como eu estava dirigindo lentamente, dei aquela encarada e o negão lindo correspondeu. Tipo, vem que eu te como. Passei reto e fiquei observando pelo retrovisor e ele ainda estava olhando, daí decidi retornar.

Ao chegar no ponto ao qual o negão estava parado, parei, dei um oi e perguntei para onde ele estava indo. Ele me respondeu, então perguntei se ele queria uma carona.

Ele fala: "Você está indo para aquelas bandas?" Eu respondi: "Não, mas posso levá-lo caso queira." Ele, com uma cara safada, disse:"Vamos nessa, então".

Ele entrou no carro. Nos apresentamos e começamos a conversar sobre assuntos que não iam nos levar a nada. Daí resolvi arriscar e disse: "Juliano, posso te dizer uma coisa? Mas não me leve a mal" Ele prontamente respondeu: "Fala!" Então eu falei diretamente: " Você já transou ou transa com Homem?" E para minha surpresa ele respondeu: "Achei que você não iria dizer nada por que eu já havia percebido a sua intenção.E, sim, eu já fiz alguns machos chorarem no meu pau". Eu falei: "Chorarem, como assim?" Ele: "Veja você mesmo. Abriu o zíper da calça e colocou pra pra fora um pau enorme, tanto no tamanho como na grossura. Eu nunca tinha visto um cacete daquele, mas decidi encarar. Fomos pra um local que acabei descobrindo por acaso próximo a um córrego, parei o carro.

Ali mesmo comecei a chupar aquele pau imenso e eu tinha a impressão que quanto mais eu chupava, maior ficava. O Juliano disse: Vamos lá pra fora!" Saímos e ele encostou-se no capô do carro e disse: "Agora mama, deixa ele bem lambuzado que eu vou te comer muito". Fiquei com um pouco de medo, confesso, mas como quem está na chuva é pra se molhar eu queria ver se aguentava aquele pauzão.

Continuei a chupá-lo como se nunca tivesse chupado um pau antes. De supetão, Juliano me levantou e me virou bruscamente e começou a lamber meu cu. A cada linguada que ele dava, eu ia à loucura e já não aguentava mais de tanto tesão. Quando dei por mim, o Juliano já estava enfiando o pau no meu cu, só que por causa da grossura do cacete eu só suportei a entrada da cabeça do pau. Quando ele começou a enfiar mais eu não dei conta e pedi pra ele parar. Só que ele disse que eu não iria deixá-lo na mão e que ele ia me enrabar, nem que fosse na marra e continuou a meter.

Eu já não aguentava mais e tirei o pau dele de dentro de mim. O Juliano não gostou nem um pouco e começou a me passar medo. Então, ele disse: "Olha só, cara, vou te falar uma coisa. Você me provocou e agora vai ter que aguentar tudo. Com dor ou sem dor eu vou te comer de qualquer jeito eu não estou de brincadeira. Vou te dizer outra coisa, de onde eu venho viado tem que aguentar pau. Sou ex-presidiário e você mexeu com o macho errado".

Então ele se aproximou de mim e me virou de novo e começou a enfiar aquela tora no meu rabo. De início, ele foi com calma e, apesar do tamanho e grossura do pau, aguentei até o talo. Quando ele percebeu que eu estava relaxado, começou um gostoso vai e vem. Neste momento, eu já estava bem alargado com a tora no meu cu e, do nada, ele começou e meter com força, com muita força eu chorava de tanta dor e Juliano não dava a mínima. Ainda falava: "Toma seu viado, você não queria rola, então toma e socava cada vez mais forte e dava fortes palmadas na minha bunda que doía muito mai.

Contudo, depois de algum tempo com aquele macho me fodendo comecei a relaxar e a ter prazer com aquele pau no meu cu. O Juliano me fodia como um louco e falava palavrões me chamando de putão e outras coisas. Até que ele encheu o meu cu de porra e mesmo gozando continuou a meter até que eu gozasse e eu gozei muito com aquela vara enterrada no meu cu.

Depois de levar um pau imenso fui me lavar no córrego e parecia que eu estava oco. Depois de três dias eu ainda sentia muita dor no cu, mas isso não impediu que eu o encontrasse outras vezes e desse o meu cu para aquele puto. Aprendi a confiar nele e hoje vejo que nem todo condenado é totalmente bandido (risos).

Gostaria de enviar o seu conto? Clique aqui!

Mais de #SEXO ANONIMO
- Dando o cu depois de casado
- Trepando com o caminhoneiro casado
- Ex-presidiário falou que eu ia chorar na rola imensa dele
- O pedreiro
- Fui menina pra ele
- Comi o filho da faxineira
- Ex-funcionário do meu pai me fez feliz pela primeira vez
- Exame de próstata com final feliz
- O velho da construção
- Padre ajoelhou, rezou e chupou

COMENTÁRIOS DE QUEM LEU!

<

DA CUZINHOGOSTOSO É MUITO BOM...MAS COM CARINHO QUE ENTRA TUDO GOSTOSO ASSIM DA PARA GOASR NA PAU DELE



Gostou? Deixe seu comentário

Não é permitido informar telefone, email ou outras formas de contato. Apenas para fazer comentário sobre o conto!